CBD Resultados: Comprovação Científica para Tratamentos

CBD resultados comprovacao cientifica para tratamentos

Em tratamentos com medicamentos à base de CBD, resultados positivos são uma esperança para pacientes, o que se comprova cientificamente em diversos estudos e ensaios clínicos.

Isso se deve em especial às interações do canabidiol com os endocanabinoides que nosso organismo produz naturalmente.

Por outro lado, a ciência ainda não conhece todas as suas potencialidades e reações, assim como as formas de combinar os mais de 100 canabinoides conhecidos para obter máxima eficiência.

De qualquer modo, as pesquisas continuam e já há avanços que merecem ser celebrados no que diz respeito às propriedades da Cannabis medicinal.

Alguns deles você vai conhecer a partir de agora, com a leitura deste conteúdo.

Então, avance para saber mais!

CBD resultados: o que é CBD?

CBD é o acrônimo pelo qual se convencionou chamar o canabidiol, um dos tantos canabinoides extraídos das plantas do gênero Cannabis.

Por definição, canabinoide é a classe de substâncias capazes de ativar os receptores CB1 e CB2 presentes em nosso organismo.

Então, a partir dessa ativação, eles servem como mediadores em uma série de processos bioquímicos, promovendo os benefícios à saúde esperados.

Canabidiol: para que serve?

Para compreender melhor a atuação do CBD e seus resultados, é preciso antes esclarecer o que é o sistema endcanabinoide, por meio do qual ele age.

De maneira geral, esse sistema é responsável por regular diversas funções corporais e por estabelecer a homeostase, ou seja, o equilíbrio do organismo como um todo.

Sendo assim, como ele atua em praticamente todos os processos fisiológicos, quando há um reforço na nossa carga de canabinoides, é esperada uma melhora no estado de saúde.

É por isso também que o canabidiol é considerado um verdadeiro coringa para a medicina, sendo indicado para o tratamento de uma extensa lista de doenças, como veremos mais à frente.

Qual é o efeito do CBD no corpo humano?

É muito importante frisar que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o CBD não exerce nenhum efeito psicoativo.

Sendo assim, conforme o relatório, não há quaisquer riscos de se tornar adicto em canabidiol, uma vez que não há evidências de que ele possa viciar.

Na verdade, suas reações são em geral bastante positivas, tendo em vista os incontáveis casos de recuperação até de pacientes desenganados pelos médicos.

Portanto, os principais resultados do CBD no corpo humano são, essencialmente, terapêuticos e curativos.

Então, em resumo, podemos dizer que ele atua como:

  • Analgésico
  • Anti-inflamatório
  • Neuroprotetor
  • Relaxante muscular
  • Estabilizador de humor.

Como o CBD é obtido?

A obtenção do CBD começa no plantio da Cannabis, o qual é proibido no Brasil.

Nos locais em que é permitido, o cultivo pode ser feito em plantações ao ar livre ou em estufas.

Além disso, nas fazendas mais controladas, as plantas são monitoradas ao longo do seu crescimento para verificar os níveis de pH.

Então, quando atingem o tamanho ideal, elas são colhidas para começar o processo de extração do CBD.

A primeira etapa é de a secagem das plantas, que dura de duas a três semanas.

Em seguida, as flores são separadas, moídas e embebidas em etanol para serem submetidas a um processo conhecido como winterização, que retira componentes cristalizados que geram turbidez em óleos vegetais.

Depois disso, a mistura obtida é destilada, resultando em um óleo cru, que passa novamente pela destilação.

Então, finalmente, esse óleo é testado para avaliar sua potência e qualidade, podendo ser vendido para laboratórios ou para instituições de ensino e pesquisa.

Tipos de óleo de canabidiol

O processo que comentamos no tópico anterior não é único.

Há diversas técnicas de extração do CBD, cada uma resultando em um tipo de óleo de canabidiol.

Os mais conhecidos deles você conhece a seguir.

Óleo de Rick Simpson (RSO)

Criado pelo canadense homônimo, que desenvolveu um método de extração do CBD, o óleo de Rick Simpson é largamente empregado em vários tratamentos.

Afinal, ele foi testado no seu próprio criador, que alega ter se curado de um câncer de pele depois de administrá-lo como medicamento.

A diferença principal do processo de extração é que, no RSO, usa-se álcool isopropílico para segregar canabinoides e terpenos (substâncias que dão cor e aroma às plantas).

Óleo de CBD

Já o óleo de CBD é obtido pelo método que descrevemos anteriormente.

Ele pode ser extraído por meio tanto do cânhamo quanto da planta da maconha.

Óleo de THC

Usado como antiemético, analgésico ou antiepilético, o óleo de THC é produzido a partir de espécimes de Cannabis ricas nesse canabinoide.

Não se deve confundi-lo com óleo de haxixe, um outro tipo de óleo obtido da resina da planta.

Quais são as doenças tratadas com canabidiol?

É grande a quantidade de doenças que encontram no canabidiol uma opção de tratamento e alívio de sintomas.

Suas propriedades terapêuticas vêm sendo cada vez mais conhecidas e estudadas.

Sendo assim, abaixo listamos algumas das condições de saúde cujo tratamento se beneficia do CBD.

Clicando nos links, você confere mais informações e histórias reais de pacientes que utilizaram o canabidiol com resultados positivos.

CBD resultados: eficácia do canabidiol comprovada por pesquisas

Já que falamos em estudos, vale destacar algumas das pesquisas já publicadas que comprovam a eficácia do CBD em diversos tratamentos.

Ainda há um longo caminho a percorrer, mas, com o que já sabemos, é possível afirmar que o canabidiol é um dos mais promissores fitofármacos que existem.

Confira mais sobre ensaios clínicos envolvendo diferentes condições de saúde.

Doença de Alzheimer

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 1,3 milhão de brasileiros sofrem com a doença de Alzheimer, a principal causadora de demência em idosos no mundo.

Trata-se de um mal progressivo, incurável e que leva à morte caso não seja controlado a tempo.

Uma pesquisa recente, conduzida por cientistas sul-coreanos, traz novas evidências de que o CBD é eficaz no tratamento contra os sintomas associados ao Alzheimer.

De acordo com os testes realizados, o canabidiol é efetivo para tratar a demência em virtude da ativação do chamado receptor-γ.

Os cientistas descobriram que essa ativação protege as células cerebrais da neurotoxicidade e da oxidação, aumentando a sua sobrevivência.

Além disso, elas também estimulam a neurogênese no hipocampo, levando à recuperação de funções cerebrais danificadas.

Ansiedade e depressão

Uma pesquisa realizada por um grupo de acadêmicos brasileiros traz evidências bastante promissoras sobre o CBD como recurso para tratar da ansiedade e de outros distúrbios de comportamento.

De acordo com os pesquisadores, os resultados dos testes em animais de laboratório, voluntários saudáveis ​​e pacientes com transtornos de ansiedade apoiam a proposição do canabidiol como uma nova droga com propriedades ansiolíticas.

Isso se deve à ausência de efeitos psicoativos, o que o torna seguro por não afetar a cognição.

Além disso, os testes mostraram que o CBD é bem tolerado e apresenta um amplo espectro de ações farmacológicas.

Esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença autoimune, na qual o sistema imunológico ataca as células nervosas, danificando as suas respectivas bainhas de mielina.

Grande parte das ocorrências são em mulheres, que representam 74% dos casos registrados, segundo a pesquisa Esclerose Múltipla: Perfil do Paciente, da HSR Health.

Nos quadros mais graves, a EM pode levar à perda da visão e de movimentos dos membros inferiores, ou seja, seus portadores podem se tornar paraplégicos.

Nesse aspecto, um importante estudo realizado pelos cientistas Thorsten Rudroff e Jacob Sosnoff, da Universidade do Colorado, traz novas esperanças a pacientes com mobilidade reduzida pela doença.

De acordo com eles, o CBD diminui a espasticidade muscular, a dor e os processos inflamatórios associados à esclerose múltipla.

De quebra, ainda ajuda a eliminar a depressão, problema recorrente em pessoas acometidas pela EM.

CBD resultados: verdades e mitos sobre os benefícios

Um dos obstáculos para a disseminação do uso da Cannabis medicinal é a desinformação.

Nesse contexto, é comum que se confundam as funções terapêuticas dos canabinoides com o uso recreativo da maconha.

Há quem pense, inclusive, que remédios à base de canabidiol sejam alucinógenos.

Como nada disso é verdade – e esse tipo de informação só prejudica o acesso a medicamentos eficazes por quem precisa -, vamos esclarecer neste tópico confusões comuns sobre o CBD e seus resultados.

Então, veja alguns mitos e verdades que são frequentemente associados ao uso dos canabinoides em geral.

CBD provoca sonolência

Como você viu, o sistema endocanabinoide atua regulando diversos processos corporais, entre os quais está o sono.

No entanto, criou-se uma crença de que o CBD provoca letargia ou deixa a pessoa sonolenta.

Não é o que acontece quando medicamentos ou extratos de Cannabis são utilizados na dosagem correta, de acordo com a orientação médica.

Na verdade, em certas situações, o canabidiol age de modo contrário, ou seja, ele pode ajudar a reduzir a sonolência, aumentando a capacidade de se manter em vigília.

É o que sugere o estudo Potential Effects of Cannabidiol as a Wake-Promoting Agent, no qual os pesquisadores trazem evidências a respeito do CBD como um supressor do sono.

Não apresenta efeitos colaterais

Por outro lado, uma das verdades que mais tem sido comprovada por estudos científicos está relacionada aos poucos efeitos adversos do CBD, quando não são inexistentes.

Isso porque, como visto, ele interage com o sistema endocanabinoide, sendo em geral bem tolerado pelo organismo em quase todos os tipos de tratamento.

Claro que são necessárias mais pesquisas conclusivas, no entanto, até o momento, os materiais já produzidos trazem evidências sobre a segurança dos remédios à base de canabidiol.

A respeito disso, vale destacar o estudo An Update on Safety and Side Effects of Cannabidiol: A Review of Clinical Data and Relevant Animal Studies, de autoria de Kerstin Iffland e Franjo Grotenhermen, do Instituto Nova, na Alemanha.

Então, co artigo, eles concluem que o perfil de segurança do CBD já está estabelecido de uma infinidade de maneiras.

Deve ser usado na forma isolada

Há quem acredite, ainda, que o canabidiol é mais eficaz quando utilizado na sua forma pura, ou seja, sem outros compostos da Cannabis.

É verdade que, para certos tipos de doenças, o CBD isolado pode ser a melhor solução.

Contudo, o que se observa é que, para a maior parte dos tratamentos, o ideal são os extratos full spectrum ou broad spectrum.

Isso porque, nessas versões, o paciente se beneficia do chamado efeito entourage, em que a ação de uma substância ativa é potencializada pela presença de compostos análogos.

Ou seja: canabinoides são ainda mais efetivos em tratamentos quando os medicamentos contêm outros canabinoides, terpenos e flavonoides extraídos da Cannabis.

Pode ser obtido a partir do cânhamo

Outra confusão que se faz sobre a Cannabis medicinal é não saber diferenciar cânhamo de maconha.

A diferença, no caso, está no teor de THC contido na planta.

Cada país define o que considera como limites adequados.

Nos Estados Unidos, por exemplo, é classificada como cânhamo toda planta do gênero Cannabis que contenha menos de 0,3% de THC em sua composição.

No entanto, na Europa, esse parâmetro é um pouco mais rigoroso, caindo para 0,2%.

Quanto tempo dura o efeito do CBD?

A resposta para essa pergunta é: depende.

Em primeiro lugar, é preciso considerar o objetivo do tratamento que se faz à base de CBD.

Quando se administra o canabidiol para o controle de doenças graves, o mais interessante é a eficácia por períodos mais longos, em vez da rapidez do efeito.

No entanto, para condições menos severas ou passageiras, a ação instantânea ou em poucos minutos que se verifica em alguns casos é o ideal.

Outro fator que influencia na duração do efeito do CBD e seus resultados é a forma de administração que, no Brasil, só pode ser oral, sublingual ou por inalação.

Além disso, idade, peso corporal, histórico de doenças e até a genética podem impactar em um tratamento e nas respostas à medicação.

Quais são os efeitos colaterais do canabidiol?

Embora raros, os efeitos adversos do CBD existem e precisam sempre ser considerados.

Vale destacar que boa parte dessas reações está associada ao uso do canabidiol com outros medicamentos, tais como opioides e certos tipos de analgésicos.

Nesses casos, é possível que o paciente relate episódios de tontura, náusea ou dor de cabeça.

Pode ser também que haja aumento na pressão arterial, associada à taquicardia, que requer atenção especial em pessoas cardíacas, ainda que esses efeitos sejam temporários.

Em fármacos com concentrações maiores de THC, pode acontecer a chamada hipotensão ortostática, mais conhecida como “teto preto”.

Por fim, pode ser também que a medicação leve o indivíduo a sentir desequilíbrio ou perda momentânea de coordenação motora.

Então, ressaltamos que todos esses efeitos são passageiros e podem perfeitamente ser controlados, desde que o tratamento seja feito com orientação médica.

Como conseguir receita de remédios à base de CBD?

O mercado brasileiro de medicamentos com CBD é bastante incipiente, com regulamentação recente e ainda bastante restritiva.

Então, é possível que você encontre médicos ainda resistentes a prescreverem remédios à base de canabidiol.

O que fazer, então?

O primeiro passo é argumentar.

Se você entende que a Cannabis medicinal pode ajudar, converse com seu médico.

Se necessário, conte a ele sobre o que você leu neste artigo e em outros que encontra no portal Cannabis & Saúde.

No entanto, em certas situações, o profissional pode resistir à ideia, optando por tratamentos com medicamentos convencionais.

Nesse caso, a sugestão é acessar a área de agendamento de consultas online aqui do portal.

Basta preencher um pequeno formulário com dados pessoais para encontrar o médico prescritor de CBD mais perto de você.

CBD resultados: onde comprar canabidiol?

No momento, há apenas dois medicamentos com CBD vendidos em farmácias brasileiras, cuja compra depende de receita médica de controle especial, que tem uma via retida no estabelecimento.

Com a oferta bastante reduzida de canabidiol no Brasil, é comum recorrer à importação de medicamentos.

Então, descrevemos agora como o processo acontece.

Avaliação médica

A compra de medicamentos que contêm CBD começa na consulta médica, na qual o especialista prescreve o remédio conforme as necessidades do paciente.

Solicitação à Anvisa

De posse da receita, identidade e comprovante de residência, é preciso acessar o site da Anvisa para envio da documentação e preenchimento do devido formulário.

Autorização da Anvisa

Feito o pedido, basta aguardar pela resposta do órgão de controle, que costuma chegar dentro de 10 dias, aproximadamente.

Sendo assim, se o retorno for positivo, é emitida a autorização de importação.

Compra e entrega

Desde que respeitando as regras da Anvisa, que proíbe a compra de medicamentos à base de CBD que não sejam administrados via oral ou nasal, a aquisição do produto do exterior pode ser feita.

Sendo assim, para maior comodidade, utilize o serviço de concierge da CanTeraMed, que realiza todo esse trabalho para o paciente.

Dica: veja como importar produtos à base de Cannabis medicinal no Brasil.

Conclusão

Com o CBD, os resultados positivos são bastante aguardados por pacientes e familiares, desde que o tratamento seja acompanhado por um médico especialista.

Você viu neste artigo um guia sobre o canabidiol, as doenças que podem ser tratadas com ele e os efeitos que gera.

Portanto, use essas informações para conversar com seu médico.

Um tratamento alternativo, natural e eficaz está ao seu alcance.

Não deixe também de continuar acompanhando os conteúdos publicados aqui no portal Cannabis e Saúde, a sua fonte de informação confiável sobre canabidiol.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email