Importar ou comprar na farmácia: as regras da Anvisa para Cannabis medicinal

Entenda as duas resoluções da agência para os brasileiros terem acesso à medicamentos derivados da planta e qual a melhor opção para os pacientes
importar farmácia

Mais derivados de Cannabis entrarão nas farmácias brasileiras em 2021. Em fevereiro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou dois novos óleos de canabidiol, e pelo menos outras dezenas de empresas aguardam essa autorização.

Mas além da venda em drogarias, a Anvisa também permite aos pacientes importarem esses produtos. E apesar da alta do dólar, trazer esses medicamentos do exterior ainda se mostra uma melhor alternativa, tanto econômica, como pela variedade de produtos e as opções integrais, que trazem o importante efeito chamado “comitiva”.

Hoje são apenas três marcas de produtos de Cannabis disponíveis nas drogarias do Brasil, e eles podem custar até  três salários mínimos.

O primeiro a ter sua venda autorizada foi o Mevatyl, um spray de CBD e THC indicado para o controle de esclerose múltipla. Esse é o primeiro e único medicamento de Cannabis registrado pela Anvisa, ainda em 2017, vendido atualmente por R$ 2,9 mil.

RDC 327: Venda em farmácias

 

Já em 2020, entrou em vigor a Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) 327/19 da Anvisa, que passou a permitir a produção nacional desses produtos e a venda em farmácias com um regime facilitado: a regra dispensou que esses produtos fossem registrados como medicamento, o que leva anos de testes clínicos: o texto prevê que basta uma autorização sanitária da Anvisa, que tem validade de 5 anos.

Ao longo de 2019, a Anvisa debateu o plantio de Cannabis em solo brasileiro para a produção de medicamentos. Contudo, os diretores do órgão vetaram a proposta, permitindo a produção nacional apenas com insumos importados. Nesse contexto, foi aprovada a venda desses produtos nas drogarias.

Aí vem os problemas.

Desde março de 2020, quando essa RDC entrou em vigor, apenas uma empresa recebeu a autorização sanitária da Anvisa: a farmacêutica paranaense Prati-Donaduzzi. Eles iniciaram a venda de um único canabidiol indicado para epilepsia, o de concentração 200 mg/ml, e ao preço de R$ 2,5 mil, uma vez que a empresa precisa importar o insumo. Ou seja: via farmácia e na época, os pacientes tinham acesso a uma única concentração de canabidiol e a um preço inacessível para a maior parte dos brasileiros.

Recentemente a empresa lançou mais dois produtos com valores e concentração menores, mas quem necessita de boa concentração para o tratamento de doenças, não usufrui dos valores menores devido a necessidade de tomar mais gotas para ter o mesmo efeito.

É o caso da cineasta carioca Rita Carvana, mãe de um paciente de 11 anos com epilepsia. Ela classifica que a concentração de 200 mg/ml é “microscópica”. Isso porque a mãe usa um produto de 6.000 mg para o tratamento do menino. “Se eu quiser trocar o óleo do Theo por esse, gastaria uns R$ 10 mil por mês”, calcula. Por isso, ela optou pela importação.

Vale lembrar que os novos óleos da Prati-Donaduzzi aprovados pela Anvisa em fevereiro de 2021 têm concentrações ainda menores que o primeiro: 20 e 50 mg/ml.

Outro problema é que são produtos de CBD isolado. Para o médico psiquiatra Dr. Wilson Lessa, diretor científico da Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis, o CBD isolado funciona, porém se fosse um óleo integral (full spectrum), seria mais barato e eficaz.

“Em conjunto com outros fitocanabinoides (são mais de 100), terpenos (óleos essenciais) e flavonoides, o remédio funciona de forma econômica, ou seja, é preciso doses menores de CBD quando se tem o ‘efeito comitiva’ com os outros compostos da Cannabis”.

Por fim, a resolução 327 criou uma barreira para os produtos com concentração de THC acima de 0,2%. Segundo a RDC, só poderão ser prescritos esses produtos a pacientes terminais ou que tenham esgotado as alternativas terapêuticas de tratamento. Neste caso, o receituário para prescrição é do tipo A, o mesmo da morfina e bastante restrito.

Hoje se sabe que o THC tem até mais valor medicinal do que apenas o CBD. A maioria das doenças tratáveis com Cannabis necessita de traços ou até maior concentração do THC.

RDC 335/20: importação de Cannabis

 

No Brasil, somente via importação é possível adquirir produtos de grau farmacêutico integrais (full spectrum) de Cannabis e com maior concentração de THC, conforme RDC 335/20. Além disso, a Anvisa só permite soluções orais e nasais nas farmácias. Ao importar, o paciente pode adquirir opções em cremes, pomadas, supositórios e cápsulas, que é o caso do produto de 6.000 mg usado no tratamento do Théo.

“Mesmo com o câmbio alto, conseguimos importar um óleo rico em CBD full spectrum, com os mesmos 6.000 mg de CBD por uma média de R$ 890 já com frete, mais de mil reais mais barato que o CBD purificado do laboratório paranaense”, afirma Wilson Lessa.

Os produtos de Cannabis importados possuem preço inicial por volta de R$ 200.

Também é somente através da importação, por exemplo, que é possível adquirir pomadas com Cannabis. Foi o caso da paulistana Giovanna Luz, que precisou largar o trabalho por conta das dores causadas pela fibromialgia e somente com uma pomada à base de CBD ela conseguiu controlar a doença.

Esse processo só é permitido no país graças à RDC 335/2020, que definiu os procedimentos para importação, por pessoas físicas, de produtos à base da planta da maconha. Essa resolução substitui outra RDC, a 17/15, que permitiu pela primeira vez a importação desses produtos. A regra anterior era muito mais burocrática.

“A principal mudança está na redução de documentos e informações que devem ser fornecidos ao órgão”, explica a advogada Ana Izabel de Holanda, especialista em Direito à Saúde e que tem se dedicado a garantir fornecimento de derivados de Cannabis a clientes de planos de saúde.

“Desde as mudanças, o pedido de importação hoje pode ser feito apenas com uma prescrição médica, indicando a necessidade de uso do produto. Com isso, a agência eliminou a necessidade de anexar o laudo médico, além de ter modernizado o preenchimento do formulário de solicitação e do termo de responsabilidade, que pode ser realizado diretamente no Portal de Serviços do Governo Federal”.

Antes Agora
Prescrição médica Prescrição e preenchimento de formulário único no Portal de Serviços do Governo Federal
Formulário de solicitação
Termo de responsabilidade
Laudo médico

Outra mudança importante é a eliminação da exigência de o paciente informar previamente a quantidade de produtos importados, já que esse monitoramento é realizado nas alfândegas.

“A Anvisa também aumentou de um para dois anos a validade da autorização dada pela agência. A extensão do prazo também é aplicada à isenção de aprovação prévia da Anvisa para a compra de produtos no exterior, comum nos casos de judicialização. Também foi criada a figura do procurador legal do paciente, que poderá realizar as solicitações de importação”, explica a advogada.

Menos burocracia se refletiu nos números. Desde janeiro de 2020, quando entrou em vigor a nova resolução mais simplificada, quase dobrou a quantidade de pedidos de importação desses produtos. O crescimento no ano passado foi de 86% comparado a 2019. Foram 15,8 mil solicitações, uma média de 43 por dia.

Outra resolução da Anvisa que trouxe ainda mais agilidade na aprovação da autorização de informação foi a RDC 570/21, que aprova quase que imediatamente a solicitação caso o produto esteja na lista de produtos de Cannabis pré-aprovado.

 

 

Como encontrar um médico prescritor e iniciar o tratamento?

Para iniciar o processo de importação, como você acabou de ler, é necessário apenas uma receita médica. E aí está o grande gargalo da medicina canabinoide. Hoje, apenas 2,1 mil médicos receitam Cannabis no Brasil num universo de 500 mil profissionais. A maior dificuldade está em encontrar um prescritor.

É aí que o Cannabis & Saúde pode te ajudar. O portal possui uma plataforma gratuita de conexão entre pacientes e médicos prescritores. São mais de 150 profissionais cadastrados em todas as regiões brasileiras. Você pode filtrar a busca por patologia, cidade, estado, especialidade e até valor das consultas que começam em torno de R$ 250.

Além disso, hoje empresas do setor já trabalham ajudando os pacientes a obterem a autorização da Anvisa, facilitando a importação desses produtos, o parcelamento dos valores e contratação de transportadores privadas para que os pacientes recebam o produto diretamente em casa ou em qualquer endereço cadastrado, conforme exigências da RDC 335.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email