Os cheiros da Cannabis: Conheça os 9 terpenos mais presentes nas plantas

Reprodução | Alguns dos terpenos mais presentes na Cannabis

Compostos produzidos naturalmente pelas plantas, os terpenos são os responsáveis pelos odores característicos de cada espécie vegetal. No caso da Cannabis, suspeita-se de que eles, em sinergia com os canabinoides, potencializem ou até mesmo diversifiquem os efeitos benéficos das plantas.

Sabe aquele aroma cítrico forte que exala do limão ou da laranja quando partimos a fruta ao meio? Vem da ação de um terpeno chamado limoneno. O cheiro de lavanda presente em alguns produtos de limpeza sai do linalol, outro tipo de terpeno. Esses compostos, produzidos naturalmente pelas plantas, são os responsáveis pelos odores característicos de cada espécie vegetal. Sem a presença deles não faria sentido espalhar orégano na pizza ou no molho, já que as folhas não teriam cheiro algum.

Nossa comida se resumiria a pratos insossos se não existissem os terpenos. A Cannabis não foge à regra. Não fosse pelo mirceno, um dos terpenos mais presentes em flores do tipo indica, a planta não soltaria aquele cheiro de mato semelhante ao capim-santo.

Mas não é o único tipo de odor produzido pela Cannabis: cientistas identificaram mais de 100 terpenos em todas as espécies e variedades da planta. Elementos como solo, idade da planta, fertilizantes e clima influenciam a produção desses compostos. E nenhum terpeno anda só – cada planta produz uma quantidade variada de terpenos. Alguns deles podem dominar o aroma da planta.

É por isso que algumas têm um cheiro mais amadeirado, graças à presença do beta-cariophileno, outras são mais cítricas, por conta do mesmo terpeno presente na laranja e limão.

Mais do que exalar odores, os terpenos provocam diversas reações fisiológicas no corpo. Podem resultar em efeitos anti-inflamatórios, anticancerígenos ou analgésicos. Não à toa, a aromaterapia, uma espécie de tratamento por meio dos aromas, utiliza óleos de terpenos para tirar proveito dessas características.

No caso da Cannabis, há suspeitas de que os terpenos, em sinergia com os canabinoides, potencializem ou até mesmo diversifiquem esses efeitos (é o que chamam de efeito entourage) benéficos. Ainda faltam estudos científicos para comprovar essa ligação.

Claro que os vegetais não se perfumam só para agradar nosso olfato e oferecer efeitos terapêuticos. Na natureza, os aromas servem para afastar predadores (fungos, bactérias) e atrair polinizadores. É uma questão de sobrevivência para as plantas.

Conheça alguns dos principais terpenos presentes na Cannabis

Mirceno | Com aroma levemente cítrico e amargo, esse terpeno também aparece no capim-limão, folhas
de louro, cardamomo, manjericão e tomilho selvagem. Tem efeitos antiinflamatórios e
antioxidantes comprovados no cérebro, coração e tecidos da pele. Ainda há poucas evidências
sobre o potencial sedativo deste terpeno.
Beta-cariophileno (BCP)

Presente também no cravo, alecrim, pimenta preta e lavanda, tem um sabor mais apimentado e
amadeirado. Efeitos antiinflamatórios e anticonvulsivos, além de apresentar potencial terapêutico para
dores crônicas, doenças metabólicas (colesterol alto, obesidade, etc) e neurodegenerativas (como a
esclerose múltipla e Parkinson).

Óxido cariophileno | É um dos derivativos do BCP, com sabor semelhante a ele, encontrado no orégano, canela, goiaba, erva-cidreira, eucalipto e cravo. É conhecido por suas propriedades anticancerígenas, antioxidantes,
bactericidas, e analgésicas. Há evidências de que ajude no controle de diabetes tipo 1 e 2, doenças
cardiovasculares e renais, hipertensão, Parkinson e Alzheimer.

Humuleno | Encontrado também na sálvia, ginseng e lúpulo, esse terpeno atribui um aroma mais picante e herbal.
Possui características antialérgicas, anti-inflamatórias e um potencial anticancerígeno. Tem sido usado para tratamentos contra insônia, depressão, ansiedade e distúrbios digestivos.

Terpinoleno | Mesmo terpeno presente na sálvia, maçã, cominho, limão. Apresenta propriedades antioxidantes,
anticancerígenas, anti-inflamatórias. Pode ser também usada para controle de dor.

Limoneno | Abundante em frutas cítricas, como limão e laranja, e em outros vegetais como o salsão. Pode auxiliar
em processos de cicatrização, aliviar o estresse, depressão, inflamações, espasmos e infecções virais. Apresenta ainda mecanismos anticancerígenos, antitumorais e anticonvulsivante.

Geraniol | Predominante em óleo de rosas ou palma rosa e citronela. Também aparece em 160 espécies
vegetais, entre elas a Cannabis. Possui potencial anti-inflamatório, anticancerígeno e pode ser usada em
tratamentos para diabetes, disfunções cardíacas, arteriosclerose, depressão, asma alérgica, Parkinson e
dores crônicas.

Linalol | É o composto que dá o cheiro tão característico da lavanda. Raramente predomina na Cannabis, porém. Possui propriedades sedativas, antibactericidas, anticonvulsivas, antitumorais, antidepressivas, antioxidantes, neuroprotetoras, hepaprotetoras e antibactericida.

Alfa-bisalobol | Presente em plantas como a Untaria tomentosa (popularmente conhecida como unha-de-gato e
cambucá, esse terpeno é o segundo mais dominante em cerca de 200 variedades de Cannabis. Ajuda no combate à dor, ao câncer e no desenvolvimento de tumores, Parkinson, Alzheimer, além de ter características anti-inflamatórias.

Bisalobeno | Esse terpeno também aparece no limão, orégano e cubeba. Pode apresentar mecanismos
anticancerígenos, antitumorais, anticonvulsivos e antibactericidas.

Fontes:
NUUTINEN, Tarmo. Medicinal properties of terpenes found in Cannabis sativa and Humulus lupulus. 2018 https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0223523418306408
BOOTH, Judith; BOHLMANN, Jörg. Terpenes in Cannabis sativa – From plant genome to
humans. 2019 https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0168945219301190#sec0020

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email