Cannabis & Saúde

Canabidiol (CBD): O que é, Indicações, Benefícios e Como Comprar

Saiba tudo sobre canabidiol, sua importância, como age no corpo e como pode ser utilizada para tratamento de doenças. Leia!
canabidiol

Se você passou todo esse tempo sem saber o que é canabidiol, a provável razão aponta para o preconceito que existe contra tudo que venha das plantas do gênero Cannabis, que impediu que a informação correta chegasse até você.

Há milhares de anos, em várias culturas, elas são empregadas com fins medicinais, o que nada tem a ver com o uso como droga recreativa que gera todo tipo de desinformação.

canhamo industrial brasil onde encontrar medico para prescricao

Agende uma consulta com médicos prescritores de Cannabis Medicinal.

O sistema de agendamento de consultas foi criado com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você à profissionais sérios e habilitados para lidar com as mais diversas patologias nas quais o tratamento com CBD é recomendado

O canabidiol é uma uma das mais de 400* substâncias químicas, chamadas de canabinoides encontradas na Cannabis sativa, que, diferentemente do THC – delta-9-tetra-hidrocanabinol, não provoca efeito psicoativo. 

Por outro lado, seu potencial medicinal e terapêutico é enorme.

É sobre isso que vamos falar em detalhes neste texto, que traz uma abordagem completa sobre o canabidiol (CBD), suas propriedades medicinais, benefícios, doenças cujo tratamento se beneficia dele e muito mais.

Siga acompanhando!

O que é Canabidiol?

Canabidiol é uma das centenas de compostos químicos encontrados nas plantas do gênero Cannabis.

Também conhecido pela sigla CBD, o canabidiol é um canabinoide, um tipo de composto que interage com o sistema endocanabinoide do corpo humano – mais à frente, explicaremos melhor como tudo isso funciona.

O canabidiol é usado como matéria-prima para vários produtos e medicamentos, principalmente na forma de óleo.

Afinal, há cada vez mais estudos que indicam seus benefícios quando empregado no tratamento a diversas doenças e sintomas.

O que é óleo de CBD?

Óleo de CBD é um produto derivado da Cannabis, que tem como principal componente o canabidiol.

Ele pode ser usado para a produção de cápsulas, mas o formato mais popular de comercialização é em frascos pequenos, para administração sublingual.

A principal categorização dos óleos de CBD é quanto à sua composição. 

Nesse caso, dividem-se em três grupos:

  • Óleo de CBD isolado: neles, o canabidiol é isolado dos demais compostos da Cannabis
  • Óleo de CBD de espectro completo ou full spectrum: é um óleo menos processado, que contém a ampla gama de compostos químicos presentes na planta
  • Óleo de CBD de espectro amplo ou broad spectrum: é semelhante ao óleo de espectro completo, com a diferença de que neste o THC é removido.

Além do óleo e das cápsulas, o CBD pode ter como apresentação tinturas, vaporizadores, supositórios e produtos de uso tópico, como pomadas.

CFM libera uso de canabidiol para uso terapêutico

Com tantas evidências científicas atestando os benefícios medicinais do canabidiol, é natural que o preconceito seja dissolvido aos poucos, o que é motivo de comemoração para pacientes de várias doenças.

Em 2014, um passo importante foi dado quando o Conselho Federal de Medicina (CFM), através da Resolução CFM nº 2.113, autorizou neurocirurgiões e psiquiatras a prescrever o canabidiol para crianças e adolescentes com epilepsia, que tenham passado por tratamentos convencionais sem efeito.

Para que serve o Canabidiol?

Por conta da sua interação com o sistema endocanabinoide, o CBD tem grande potencial terapêutico e serve para tratar uma série de doenças e sintomas.

Além do canabidiol, o outro canabinoide bastante conhecido é o THC, ou tetrahidrocanabinol.

Mas é importante fazer novamente a distinção: o CBD serve exclusivamente como remédio, enquanto o THC, embora também esteja presente em alguns medicamentos, produz efeito psicoativo, mas depende muito da quantidade existente no produto. Atualmente os produtos autorizados no Brasil para uso não possuem efeitos psicoativos.

Qual a importância do Canabidiol?

canabidiol importancia

Há registros escritos que mostram que a Cannabis é considerada uma planta medicinal há milênios – e o canabidiol é o grande responsável por isso.

E depois de tanto avanço na ciência farmacêutica, será que um tratamento fitoterápico ainda tem relevância?

No caso dos produtos feitos à base de canabidiol a resposta é sim: é um tratamento muito relevante.

Sua grande importância está no fato de que os medicamentos usados convencionalmente para tratar determinadas doenças têm uma série de limitações.

Entre elas, seu efeito terapêutico não é tão grande, causam efeitos colaterais e podem levar o paciente à dependência química.

O que se observa em estudos clínicos é que, em muitos casos, o canabidiol tem uma grande eficácia sem o ônus das reações adversas e da adicção.

Ou seja, combate a doença sem prejudicar a qualidade de vida do paciente, sem efeitos colaterais.

Em que pode ajudar o óleo de CBD?

Ainda neste texto, vamos listar doenças que podem ser tratadas com o óleo de canabidiol, de acordo com pesquisas científicas, cujos resultados foram publicados em revistas internacionais.

Mas já adiantamos que ele pode ser indicado para combater doenças do sistema nervoso, patologias mentais, para diminuir a dor (em pacientes com fibromialgia, por exemplo), tratar distúrbios do sono, insônia, depressão e reduzir sintomas diversos de certas doenças.

Propriedades do Canabidiol (CBD)

O canabidiol tem as seguintes propriedades:

  • Anticonvulsivantes: previne crises convulsivas e epiléticas
  • Anti-inflamatórias: combate inflamações diversas
  • Ansiolíticas: trata certos transtornos de ansiedade
  • Antitumorais: trata dor, náusea e outros sintomas de pacientes com câncer
  • Antipsicóticas: tem efeito sedativo e atua na prevenção e tratamento a psicoses
  • Neuroprotetoras: oferece proteção de células cerebrais e da medula.

Como o canabidiol age no corpo?

Como falamos antes, o canabidiol, assim como os demais canabinoides presentes na Cannabis, interage com o sistema endocanabinoide do corpo humano.

Ainda há muitos aspectos desconhecidos desse sistema pela ciência, mas acredita-se que o CBD é um possível protetor do nosso organismo.

Também há o entendimento de que o composto age aumentando ou inibindo ligações com certos receptores acoplados à proteína G.

Essa é uma fórmula que, em determinados contextos, pode diminuir certos sintomas ou colaborar para o arrefecimento de algumas doenças.

O Sistema Endocanabinoide (SEC)

O sistema endocanabinoide, ou SEC, é um sistema neuromodulador que se encontra espalhado por todo o corpo humano.

Ele desempenha um papel importante no desenvolvimento do sistema nervoso central, na plasticidade sináptica e na resposta a insultos endógenos e ambientais.

O SEC é composto pelos canabinoides, canabinoides endógenos (chamados de endocanabinoides) e enzimas de síntese e degradação.

A função do sistema endocanabinoide no corpo humano é complexa, mas, de maneira resumida, podemos dizer que ele atua na regulação e equilíbrio de uma série de processos fisiológicos do organismo – e é por isso que o canabidiol é útil em tantos tratamentos.

Efeitos do CB1 e CB2 no corpo humano

Os receptores canabinoides CB1 e CB2 são componentes essenciais para entendermos a atuação do sistema endocanabinoides.

Eles estão presentes em muitos tipos de células do corpo todo e ajudam a regular condições fisiológicas diversas.

Para que você possa ter uma noção da complexidade do sistema endocanabinoide, esses receptores se encontram em células de outros sistemas: o CB1 em maior abundância no sistema nervoso e o CB2 no sistema imunológico.

Apesar de esses receptores serem importantes e impactarem diversas funções, hoje, se sabe que os canabinoides interagem com outros elementos do sistema endocanabinoide.

Cientistas observaram, por exemplo, que o próprio canabidiol tem uma afinidade baixa com esses receptores, o que não o impede de ser um composto químico com poderoso efeito medicinal.

Benefícios do CBD

canabidiol beneficios

Principalmente no uso dos óleos de CBD de espectro amplo ou completo, o canabidiol apresenta bons resultados terapêuticos com poucos efeitos colaterais.

Isso se dá graças ao efeito entourage, uma teoria segundo a qual a interação entre os diversos compostos químicos presentes na planta potencializa seu efeito e diminui as reações adversas.

É por isso que muitos produtos que têm o CBD como principal componente também têm THC em sua composição – não em quantidade suficiente para apresentar um efeito psicoativo, mas sim para trazer mais benefícios com menos prejuízos.

Benefícios do CBD sobre o equilíbrio do corpo

O sistema endocanabinoide ajuda a regular o corpo humano, ou seja, a garantir que ele funcione de maneira equilibrada em todas as suas funções.

Por isso que a interação do canabidiol e outros canabinoides com o sistema não tem um impacto positivo apenas no tratamento de doenças graves, mas também em situações mais sutis, que poderiam vir a atrapalhar a qualidade de vida de um paciente, mas com o uso do canabidiol isso não acontece.

É o caso de distúrbios do sono (dificuldade para dormir ou sonolência em excesso) e do apetite, por exemplo.

Quais doenças e sintomas o Canabidiol (CBD) pode tratar com eficácia? (comprovados pela ciência)

canabidiol quais doencas que pode tratar

Quando falamos que o canabidiol é um tratamento promissor para diversos sintomas e doenças, essa não é uma informação que surge do nada.

Para poder fazer uma afirmação desse tipo, precisamos encontrar estudos clínicos que comprovem os resultados. 

Caso contrário, seria uma grande irresponsabilidade de nossa parte.

A seguir, apresentamos algumas patologias que tiveram o CBD como um tratamento avaliado cientificamente, e os respectivos links para quem quiser saber mais.

Dor e inflamação

O estudo Cannabinoids suppress inflammatory and neuropathic pain by targeting α3 glycine receptors, publicado em 2012 por pesquisadores de instituições americanas, apresentou a seguinte conclusão:

“Relatamos que a administração sistêmica e intratecal de canabidiol (CBD), um importante componente não psicoativo da cannabis, e seus derivados modificados, suprimem significativamente dores crônicas inflamatórias e neuropáticas sem causar tolerância aparente a analgésicos em roedores.”

Sintomas de abstinência: fumantes e uso de drogas

Embora a Cannabis seja muito atribuída à dependência química devido ao preconceito com a planta, o canabidiol pode ter um papel importante em pacientes que buscam se livrar de algum tipo de dependência química.

Veja o que diz o estudo Early Phase in the Development of Cannabidiol as a Treatment for Addiction: Opioid Relapse Takes Initial Center Stage, publicado em 2012 por cientistas dos Estados Unidos, Suécia e Canadá:

“Enquanto está bem documentado que o tetrahidrocanabinol funciona como uma recompensa e aumenta a sensibilidade a outras drogas, o canabidiol (CBD), em contraste, parece ter baixas propriedades de reforço, com potencial limitado de abuso, e inibir o comportamento de busca por drogas.”

Epilepsia

O estudo Effect of Cannabidiol on Drop Seizures in the Lennox-Gastaut Syndrome, publicado em 2018 no The New England Journal of Medicine, é um dos tantos que sugerem a eficácia do canabidiol como um tratamento a pacientes com epilepsia.

A pesquisa acompanhou 226 pacientes com a Síndrome de Lennox-Gastaut (SLG), uma síndrome epilética pediátrica grave.

Os resultados indicaram que incluir o CBD junto com tratamento farmacológico antiepilético convencional reduz bastante a frequência das convulsões nos pacientes.

Esquizofrenia e transtornos psicóticos

Há uma farta lista de pesquisas científicas que estudaram os efeitos do canabidiol no tratamento a pacientes com esquizofrenia.

Em 2018, pesquisadores da Universidade do Novo México, nos Estados Unidos, revisaram estudos recentes sobre o assunto e publicaram o artigo The Role of Cannabis within an Emerging Perspective on Schizophrenia.

A conclusão deles, a partir da literatura científica que revisaram, é que “o consumo de fitocanabinoides pode ser uma opção segura e efetiva de tratamento para esquizofrenia como terapia principal ou auxiliar”.

Câncer

A eficácia do canabidiol para aliviar sintomas como dores e náuseas, comuns em pacientes com câncer, já é bastante conhecida e nenhuma novidade.

Mas há estudos que vão além, como mostrou o artigo Cannabidiol as potential anticancer drug, uma revisão que analisa evidências científicas que dão conta do potencial anticancerígeno do CBD.

“Com base nesses resultados, evidências estão emergindo para sugerir o CBD como um potente inibidor tanto do crescimento quanto da propagação do câncer”, diz o trabalho, que destaca as ações antiproliferativas, antimigratórias, anti-invasivas e antimetásticas do canabidiol contra vários tipos de tumores.

Autismo

Em 2019, pesquisadores israelenses publicaram, na revista Scientific Reports, os resultados de seis meses de acompanhamento clínico com pacientes com transtornos do espectro autista que receberam doses de óleos de Cannabis.

No artigo Real life Experience of Medical Cannabis Treatment in Autism: Analysis of Safety and Efficacy, os cientistas defendem a Cannabis medicinal como um tratamento seguro, bem tolerado e efetivo para pessoas que estão no espectro autista.

Afinal, dos pacientes acompanhados que responderam a um questionário após o tratamento, 30,1% afirmaram ter notado uma melhora significativa, e 53,7% observaram melhora moderada. 

Apenas 6,4% afirmaram que a melhora foi pequena e apenas 8,6% não notaram diferença nos sintomas.

Transtornos de Ansiedade

O efeito ansiolítico do canabidiol é uma área que muitos pesquisadores brasileiros já exploraram.

Na USP, por exemplo, o professor José Alexandre Crippa conduz um estudo sobre o uso do composto para tratar distúrbios mentais como os transtornos de ansiedade.

Já em 2012 pesquisadores brasileiros publicaram o artigo Canabidiol, um componente da Cannabis sativa, como um ansiolítico na Revista Brasileira de Psiquiatria, revisando a literatura científica a respeito. Eles concluíram que:

“Os resultados de estudos em animais de laboratório, voluntários saudáveis e pacientes com transtornos de ansiedade sustentam a proposta do CBD como uma nova droga com propriedades ansiolíticas. Como o CBD não tem efeitos psicoativos e não afeta a cognição, possui um perfil de segurança adequado, boa tolerabilidade, resultados positivos em testes com seres humanos e um amplo espectro de ações farmacológicas, esse composto canabinoide parece estar mais próximo de ter suas descobertas preliminares na ansiedade traduzidas para a prática clínica”.

Estresse

Se você está apenas estressado, a mudança de hábitos é o melhor dos remédios. 

Mas há casos patológicos, como o Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT), que merecem cuidados especiais.

Dois pesquisadores de Santa Catarina revisaram a literatura científica sobre o potencial do CBD no combate ao TEPT e apresentaram suas conclusões no artigo Cannabidiol as a Therapeutic Alternative for Post-traumatic Stress Disorder: From Bench Research to Confirmation in Human Trials:

“Estudos com humanos e animais sugerem que o CBD pode oferecer benefícios terapêuticos em pacientes com distúrbios relacionados a respostas inadequadas a memórias traumáticas. Os efeitos do CBD nos diferentes estágios do processamento da memória aversiva tornam esse composto um candidato a complemento farmacológico em terapias psicológicas para TEPT.”

Alzheimer

A revisão In vivo Evidence for Therapeutic Properties of Cannabidiol (CBD) for Alzheimer’s Disease, publicada por cientistas australianos, avaliou diversos estudos clínicos e concluiu que o CBD traz benefícios a pacientes com a Doença de Alzheimer.

A ressalva é que mais investigações são necessárias para entender o potencial completo do tratamento no longo prazo.

“Apesar disso, os estudos discutidos aqui proporcionam dados preliminares promissores e a tradução deste trabalho pré-clínico para o ambiente clínico poderia ser realizado de forma relativamente rápida: o CBD está prontamente disponível, aparenta ter efeitos colaterais limitados e é seguro para o uso humano”, concluíram os pesquisadores.

Ataques de pânico

Pesquisadores de universidades brasileiras revisaram estudos sobre a relação entre canabidiol e o transtorno de pânico, e concluíram o seguinte, no artigo Evidences for the Anti-panic Actions of Cannabidiol:

“CBD parece ser uma droga promissora no tratamento do transtorno de pânico. No entanto, novos ensaios clínicos envolvendo pacientes com o diagnóstico de transtorno de pânico precisam esclarecer o mecanismo de ação do CBD e as doses terapêuticas seguras deste composto.”

Depressão

Novamente uma revisão da literatura científica feita por brasileiros: o artigo Emerging evidence for the antidepressant effect of cannabidiol and the underlying molecular mechanisms foi publicado em 2019, por os pesquisadores da USP.

Eles concluíram que “evidências recentes sugerem que o CBD promove rápido e contínuo efeito antidepressivo em modelos animais”, e também “induz transformações celulares e moleculares em regiões relacionadas à neurobiologia da depressão“.

Diabetes

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a diabetes é uma das doenças crônicas que mais impactam os sistemas de saúde.

Ainda é preciso conduzir mais ensaios clínicos para testar o canabidiol como tratamento à doença, mas já há pesquisas que indicam que a Cannabis pode ser útil.

Segundo dados de pacientes americanos, usuários da planta têm menor prevalência de diabetes que o restante da população, mesmo ingerindo um número de calorias mais alto.

É o que mostra o artigo Decreased prevalence of diabetes in marijuana users: cross-sectional data from the National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) III.

Doença de Crohn

No artigo Cannabis finds its way into treatment of Crohn’s disease, os pesquisadores Rudolf Schicho, da Universidade de Graz, na Áustria, e Martin Storr, da Universidade de Munique, na Alemanha, concluíram que:

“Resumindo, de acordo com o uso tradicional da Cannabis para tratar distúrbios intestinais e uma década de pesquisa em animais, um ensaio clínico demonstrou que a Cannabis reduz os sintomas de pacientes com a doença de Crohn.”

Colite Ulcerativa

Junto com a já citada doença de Crohn, a colite ulcerosa é a doença inflamatória intestinal mais comum, e o canabidiol também pode ajudar no tratamento a ela.

Pesquisadores israelenses e americanos fizeram um experimento cujos resultados foram relatados no artigo Cannabinoid receptor 2 agonist promotes parameters implicated in mucosal healing in patients with inflammatory bowel disease.

Eles introduziram canabinoides em células da mucosa de áreas do cólon inflamado e não inflamado em 16 pacientes.

Nas amostras inflamados, a proliferação de células epiteliais aumentou, ou seja, as inflamações diminuíram e os tecidos saudáveis voltaram a surgir.

Doença de Parkinson

O estudo Cannabidiol Prevents Motor and Cognitive Impairments Induced by Reserpine in Rats, publicado em 2016 por pesquisadores brasileiros, sugere que os pacientes com a doença de Parkinson podem se beneficiar do canabidiol em seu tratamento.

Segundo o estudo, a administração de CBD melhora os prejuízos motores e cognitivos induzidos pela reserpina em modelos animais. O que permite sugerir o uso do composto na farmacoterapia do Parkinson e também da discinesia tardia.

Doenças da pele

Podem não ser graves na maioria das vezes, mas as doenças da pele incomodam bastante e afetam a autoestima de qualquer um.

Um estudo de 2019 sugere que o tratamento com canabidiol melhora significativamente os parâmetros da pele, especialmente em pacientes com distúrbios de fundo inflamatório.

É preciso cautela e mais discussões científicas para medir resultados, porém.

Fibromialgia

Pacientes com fibromialgia convivem com dores que são, muitas vezes, incapacitantes, o que impacta sua vida social e profissional.

Já foi observado em muitos deles uma melhora significativa dos sintomas com o uso de produtos à base de CBD, o que melhora bastante sua qualidade de vida.

Um estudo israelense Safety and Efficacy of Medical Cannabis in Fibromyalgia, publicado em 2019 no Journal of Clinical Medicine, mostrou os resultados do acompanhamento de 367 pacientes com fibromialgia que fizeram o tratamento com Cannabis por seis meses.

Os pesquisadores concluíram que a Cannabis medicinal é eficaz e segura quando administrada com calma e gradualmente:

“Considerando as baixas taxas de dependência e reações adversas sérias (especialmente quando comparada a opioides), a terapia com cannabis deve ser considerada para aliviar a carga de sintomas entre os pacientes com fibromialgia que não estão respondendo ao tratamento convencional.”

Uso externo do CBD

Além do óleo de CBD para administração sublingual, existem diversos produtos para uso externo, que são aplicados diretamente sobre a pele.

Eles são comercializados em forma de cremes, pomadas, cápsulas ou na forma de óleo de CBD mesmo, e ajudam a tratar condições de pele, como psoríase, dermatite atópica e até acne.

As pomadas com CBD também têm um poderoso efeito analgésico, como comprova Giovanna Luz, paciente com fibromialgia que compartilhou seu relato com o portal Cannabis & Saúde neste artigo.

Efeitos do Canabidiol (CBD)

Já deve ter ficado claro para você que o canabidiol é uma substância que traz benefícios em várias funções do corpo humano e, assim, ajuda a combater um grande número de sintomas e doenças.

Para resumir e ressaltar essa ideia de versatilidade, listamos, abaixo, os principais efeitos do CBD em nosso organismo.

Efeitos anticonvulsivantes

O efeito anticonvulsivante, ou anticonvulsionante, diz respeito à capacidade que o canabidiol tem de prevenir os ataques epiléticos e outros tipos de convulsões.

É uma das áreas que mais animam pesquisadores da área médica e que costumam obter maior destaque na mídia, pela evidente melhora nos quadros dos pacientes, sem causar grandes efeitos colaterais.

Efeitos neuroprotetores e anti-inflamatórios

Já citamos antes que o canabidiol é um tratamento promissor para reduzir os sintomas das doenças de Alzheimer e Parkinson.

Outra doença neurodegenerativa na qual o composto se apresenta como uma boa alternativa de tratamento é a esclerose múltipla.

Fica evidente, portanto, que o CBD apresenta propriedades neuroprotetoras e anti-inflamatórias, protegendo as células cerebrais e da medula.

Efeitos antitumorais

Só o fato de ajudar a minimizar os sintomas incômodos do câncer, como as dores e náuseas, o CBD já merece um grande destaque, pois dá mais forças ao paciente que enfrenta esta terrível doença.

Mas a grande notícia é que a Cannabis medicinal também pode ajudar a reduzir o crescimento das células cancerosas, ou até mesmo acelerar sua eliminação e inibir a metástase.

Resultados nesse sentido foram encontrados apenas em modelos animais e culturas celulares, porém. 

É preciso explorar essa possibilidade em pacientes humanos.

Efeitos antipsicóticos

Aqui, vale a pena chamar a atenção mais uma vez para a diferença entre o uso recreativo e medicinal da Cannabis.

O hábito de fumar maconha para obter seu efeito psicoativo é um conhecido fator de risco para produzir episódios psicóticos.

Já o uso de produtos à base de canabidiol é outra história: o composto já demonstrou, em estudos científicos, ação antipsicótica, podendo ter grande utilidade no tratamento a doenças como a esquizofrenia.

Efeitos ansiolíticos

Os medicamentos ansiolíticos receitados tradicionalmente pelos psiquiatras nem sempre funcionam, podem causar dependência e efeitos colaterais bastante incômodos. 

Estudos têm demonstrado que o uso de canabidiol em pacientes com transtornos de ansiedade pode trazer bons resultados de melhora sem as indesejadas reações adversas dos fármacos convencionais.

Eficácia para o tratamento de transtornos por uso de substâncias

Os transtornos por uso são condições nas quais o paciente segue utilizando determinada substância, mesmo que experimentem problemas relacionados.

Ao ler o parágrafo acima, é possível que você tenha imaginado, antes de qualquer outro exemplo, drogas recreativas como a cocaína, crack, tabaco, ecstasy, etc.

Mas a realidade é que existem muitos fármacos que não são recreativos, e sim receitados para tratar determinadas doenças, mas que também causam esses transtornos – um exemplo é o Alprazolam, sobre o qual falamos neste artigo.

Seja qual for o caso, há estudos que investigam o potencial terapêutico do CBD como um tratamento a pacientes que experimentam transtornos por uso de substâncias.

Observou-se, por exemplo, que o canabidiol reduziu efeitos gratificantes da morfina e a procura por heroína em modelos animais.

Segurança do canabidiol

No geral, o canabidiol é um composto muito seguro, sem efeitos colaterais significativos em uma ampla gama de doses testadas.

Os óleos com CBD isolado são os que têm maior possibilidade de causarem efeitos adversos –  mesmo assim, não é nada que deva preocupar.

Os óleos de espectro completo têm THC. Não em quantidade suficiente para produzir um efeito psicoativo, mas devem ser evitados por quem tem hipersensibilidade ao composto ou pessoas que são submetidas a testes antidoping.

Nesses casos, podem recorrer aos óleos de espectro amplo, nos quais apenas o THC é removido, enquanto os demais compostos da Cannabis são mantidos.

Vale lembrar que qualquer medicamento que venha a ser aprovado para importação ou comercialização deve passar por vários tipos de testes para que sua segurança no uso humanos seja atestada.

Farmacodinâmica

O CBD atua como antagonista de alguns receptores do sistema endocanabinoide, como os CB1, CB1 e GPR55, além de ser um agonista parcial do receptor 5-HT1A.

O canabidiol ainda é considerado um modulador alostérico dos receptores opióides mu e delta.

Riscos e efeitos colaterais do CBD

Como dito antes, não é comum que os pacientes experimentem reações adversas com o canabidiol – esse é um dos principais pontos positivos de seus produtos derivados.

Quando eles surgem, costumam ser leves:

  • Queda de pressão
  • Sonolência
  • Tontura
  • Secura na boca
  • Diarreia

Vale acrescentar que, embora o risco seja muito baixo, é possível ter alergia à Cannabis.

Você pode saber mais sobre esse assunto lendo o artigo “É possível ter alergia à cannabis?” em nosso portal.

Interações com outros remédios

O fato de o CBD não ocasionar, normalmente, reações adversas nos pacientes, não significa que não existam interações medicamentosas entre ele e outros remédios.

Há estudos que investigam possíveis efeitos do canabidiol em certos sistemas enzimáticos, o que pode impactar na ação de determinados medicamentos.

Em 2017, guia publicado pelo Departamento de Saúde do governo Australiano listou os seguintes efeitos adversos observados em pacientes devido à interação medicamentosa:

  • Sonolência (20% dos pacientes)
  • Náusea (21%)
  • Tontura (16%)
  • Confusão (10%)
  • Vômito (11%)
  • Cansaço / fadiga (12%)
  • Anemia (11%)
  • Dor (10%)
  • Astenia (11%)
  • Diarreia (8%)
  • Dor de cabeça (8%)
  • Falta de ar (8%)
  • Alucinações (5%)
  • Sintomas de ansiedade (11 de 15 pacientes em um estudo pequeno)

Para se prevenir a esse tipo de problema – e isso vale para qualquer tratamento novo que esteja sendo iniciado, seja qual for a substância ativa -, é fundamental sempre alertar o médico sobre os remédios que você costuma consumir.

Leis relacionadas ao uso do canabidiol (CBD) no Brasil

No Brasil, a Cannabis medicinal é legal desde 2015. 

Primeiro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a importação de medicamentos derivados da planta, compostos por canabidiol, em caráter experimental.

Desde o dia 10 de março de 2020, porém, passaram a valer regras de uma resolução da Anvisa publicada em dezembro de 2019, regularizando a comercialização de produtos de Cannabis para fins medicinais em farmácias e drogarias brasileiras.

Existem regras e trâmites de aprovação para que esses produtos possam ser comercializados, e o paciente só pode comprá-lo com prescrição médica.

Por enquanto, a oferta é bastante limitada, mas o paciente brasileiro ainda pode optar pela importação do medicamento.

Nesse caso, além da receita médica, o paciente precisará fazer uma solicitação à Anvisa, que avalia o caso e autoriza ou não a importação.

Recomendamos a leitura das seguintes regulamentações do órgão, que disciplinam o processo de compra ou importação de medicamentos à base de CBD:

Estados Unidos

Nos Estados Unidos, vigora um sistema diferente do nosso, com os estados tendo maior autonomia para definirem uma série de regras próprias.

Na maioria deles, a população pode comprar legalmente certos produtos à base de canabidiol sem a necessidade de apresentar prescrição médica.

É por isso que encontramos, nesse país, uma vasta oferta de itens produzidos com CBD, não somente para tratar doenças, mas até mesmo produtos cosméticos.

Quais as principais formas de consumir o Canabidiol (CBD)?

canabidiol

Segundo a regulamentação da Anvisa, só podem ser comercializados, no Brasil, produtos de Cannabis administrados por via oral ou nasal.

Mundo afora, os formatos em que os produtos são vendidos são vários. 

Conheça os principais:

  • Cápsulas de canabidiol: são pílulas que contêm uma dosagem predeterminada de CBD, produzidas com canabidiol isolado ou não
  • Óleos e tinturas de CBD: a diferença em relação às cápsulas é que o paciente tem um controle maior sobre a dosagem, pois tomará o produto em gotas, com administração oral e sublingual
  • Produtos de uso tópico: são pomadas, cremes, óleos de massagem e adesivos transdérmicos, administrados diretamente sobre a pele
  • Supositórios: existem ainda medicamentos que são introduzidos no ânus, de modo que o seu conteúdo é absorvido e ingressa na corrente sanguínea gradualmente
  • Vaporizadores: são produzidos na forma de óleo, que é esquentado para virar vapor e então é inalado a partir de canetas vaporizadoras
  • Comestíveis: existem ainda balas, chocolates, pirulitos e outros tipos de doces com canabidiol em sua composição, para que o paciente tenha uma opção com sabor agradável, já que o óleo natural não é dos mais saborosos
  • Bebidas: alguns fabricantes têm desenvolvido fórmulas de águas saborizadas, bebidas energéticas e pós solúveis com canabidiol
  • Produtos de beleza: por fim, temos cremes, sabonetes, xampus, máscaras e outros produtos cosméticos feitos com componentes da Cannabis.

Perguntas frequentes sobre o Canabidiol

A seguir, confira algumas das perguntas mais frequentes sobre o canabidiol e as respectivas respostas.

Como comprar CBD no Brasil?

Primeiro, você precisa se consultar com um médico prescritor de Cannabis, que vai lhe receitar o medicamento. 

Depois, compre-o em uma farmácia ou solicite a autorização da Anvisa para importá-lo. 

Entenda o processo aqui.

Qual o valor médio do CBD no Brasil e no Mundo?

Por enquanto, ainda é alto. 

Segundo matéria da Veja, o Mevatyl, único medicamento à base de Cannabis que já é comercializado no Brasil, é vendido a um preço médio de R$ 2.700,00, em embalagens com três ampolas de 10ml.

Como é a produção do CBD no Brasil e no Mundo?

No Brasil, é permitido produzir os produtos com canabidiol, mas não cultivar as plantas de Cannabis. 

Em outros países, em que se permite ambas as coisas, os preços dos medicamentos é mais acessível.

Como saber a dosagem correta do CBD?

Essa é uma questão que sempre deve ser decidida pelo médico. 

Ele que possui o conhecimento para interpretar o diagnóstico e a bula do medicamento e orientar as dosagens.

Como aplicar o óleo de CBD?

A maioria dos óleos à venda no mercado são administrados via oral e sublingual. 

Ou seja, o paciente pinga gotas do produto (de acordo com a dosagem indicada pelo médico) embaixo da língua.

Como armazenar o óleo de CBD?

Armazene fora da luz solar direta. 

Em locais com clima muito quente, o óleo de canabidiol pode ser armazenado na geladeira. 

Fique atento às orientações do fabricante e data de validade.

Qual a validade do óleo de CBD?

Normalmente, seu prazo de validade é alto, o que pode mudar caso sejam adicionados outros componentes à fórmula. 

Como não há uma resposta certa, consulte o rótulo do produto.

Qual é melhor: CBD em cápsulas ou gotas?

Em ambos os casos, o efeito depende da composição, não do formato. 

A diferença é que, nas cápsulas, a dosagem em mg de cada unidade é fixa, enquanto na forma de gotas é preciso ter um cuidado um pouco maior para seguir a quantidade recomendada.

Quais os principais cuidados na hora da compra do CBD?

Pesquise muito bem na internet a procedência do produto que você pensa em comprar. 

Veja as avaliações de outras pessoas que já o experimentaram.

Como saber a procedência do óleo de CBD?

Pesquise pelo nome do fabricante no Google e leia tudo o que puder sobre a marca e o produto em questão. 

Dê preferência aos itens que já foram mais testados e melhor avaliados.

Como funciona o processo de extração do CBD?

Apesar de os óleos de canabidiol serem produtos bastante naturais, sua fabricação envolve um processo complexo, que deve ser feito por profissionais com know-how e tecnologia disponível.

CBD pode ser obtido artesanalmente?

Obter artesanalmente o óleo de CBD não é permitido no Brasil, não é eficaz, não é recomendado e muito menos algo simples de se fazer.

Relatos de pacientes que utilizaram o CDB no Brasil

Os ensaios clínicos são fundamentais para atestar a segurança e a eficácia de uma substância, de modo que ela possa ser receitada por médicos sem medo para tratar seus pacientes.

Mas conhecer relatos reais de pacientes que experimentaram o tratamento, e não apenas dados frios de artigos científicos, sensibiliza mais.

Por isso, apresentamos abaixo algumas histórias que contamos no portal, com os links para quem quiser saber mais.

Conclusão

O canabidiol, um dos centenas de canabinoides presentes nas plantas do gênero Cannabis, é um composto químico com grande potencial terapêutico.

Agora que você já sabe que há comprovação científica sobre isso, espalhe a notícia. 

Compartilhe este artigo com seus seguidores e siga acompanhando o portal Cannabis & Saúde para saber mais.

Se desejar consultar com um especialista, acesse esta página, preencha um cadastro e agende um horário com um médico prescritor de Cannabis da especialidade desejada.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email