Assine para receber conteúdos exclusivos sobre Cannabis Medicinal!


    História dos Médicos

    Formado na USP, o psiquiatra Daniel Munhoz prescreve Cannabis desde o início da carreira - e enfrenta a desconfiança dos colegas

    Após uma carreira como executivo da indústria farmacêutica, Mario Grieco retornou ao consultório em busca de experiência receitando medicamentos canabinoides

    Médico curitibano se formou na Bolívia, revalidou o diploma na Universidade Federal do Paraná e, em dois anos, já tratou com Cannabis mais de 600 pacientes com 50 patologias diferentes

    O médico Pedro Melo fundou a primeira clínica especializada no tratamento com Cannabis de São Paulo

    O psiquiatra Vinicius Barbosa considera a Cannabis como a melhor opção terapêutica. E lamenta não poder usar o medicamento em seu atendimento pelo SUS

    O neurologista Antonio Andrade se inspirou em cooperativas estrangeiras para criar a Fundação de Neurologia e Neurocirurgia - Instituto do Cérebro (FNNIC). Hoje, a entidade mantém um laboratório dedicado à Cannabis e atende gratuitamente aos sábados.

    Hélio Mororó, médico prescritor de Cannabis há anos, tem como missão levar mais profissionais para o “time da Cannabis”

    Trabalho gratuito é oferecido em Salvador, na Fundação de Neurologia e Neurocirurgia Instituto do Cérebro. São centenas de pacientes de baixa renda que têm acesso a tratamentos com Cannabis

    A médica funcional Paula Dall’Stella é uma das referências em Cannabis medicinal no Brasil. Conheça a história dela

    Maurício Verderame descobriu a Cannabis em 2019, atendeu mais de 600 pacientes e viu melhoras que não aconteceriam com outros remédios

    Janaína Barboza frequentemente denuncia os lobbies da indústria farmacêutica e foi um dos profissionais que tiveram contas nas redes sociais canceladas no início do mês.

    Neuropediatra experiente, Marco Roque vê a Cannabis como mais uma substância para ajudar pacientes a terem crises menos intensas e frequentes. Mas ele coloca o alto custo, o preconceito e a falta de protocolos como barreiras aos tratamentos