Cannabis medicinal no tratamento de artrose

david-monje-4pode_v_tac-unsplash

O canabidiol possui função na regulação imunológica e inflamatória e tem boa resposta como analgésico no para a artrose, explica o reumatologista Thiago Bitar. Segundo o médico, o CBD pode ser empregado como tratamento auxiliar, substituindo anti-inflamatórios e analgésicos

Além das diversas enfermidades a que está suscetível, o corpo sofre um desgaste natural. A artrose é um dos quadros causados por essa degradação, afetando o colágeno e consequentemente a mobilidade.

A artrose é a doença mais frequente da reumatologia e atinge até 40% da população mundial. É mais comum em mulheres do que em homens e é mais frequente após os 60 anos, aumentando a incidência conforme a idade. Por volta dos 80 anos, aproximadamente 85% das pessoas terão artrose.

“É uma enfermidade degenerativa e inflamatória. A pessoa tem um processo de perda de cartilagem acelerada. Ocorre, secundariamente, uma inflamação não autoimune”, esclarece o Dr. Thiago Bitar Moraes Barros, reumatologista. Com a perda dessa cartilagem, o osso fica desprotegido e exposto ao desgaste que, muitas vezes se torna protuberante.

Partes mais afetadas do corpo

“Nas mulheres, acomete principalmente mãos e joelhos e piora após a menopausa. Já nos homens, o desgaste é maior na bacia”, explica o especialista.

A coluna também é comumente afetada, surgindo os conhecidos “bicos de papagaio” (osteófitos).

A osteófise se manifesta quando os ligamentos e as cartilagens que envolvem as vértebras se calcificam, como forma de estabilizar a estrutura desgastada. O problema pode atingir diversas partes da coluna, mas acomete mais a região lombar. As vértebras afetadas pressionam nervos e músculos, causando, além da rigidez, dores.

As vezes a artrose pode ser confundida com a artrite reumatoide por ter vários sintomas parecidos. Um deles é a rigidez matinal, mas na primeira, o enrijecimento começa a desaparecer alguns minutos depois que a pessoa volta a se movimentar.

Outros sintomas parecidos também são perda da flexibilidade, estalos nas articulações e inchaços, quando há inflamação.

Nem só idosos desenvolvem a doença

Além da idade, estão envolvidos alguns fatores familiares, com o desgaste se iniciando mais precocemente. Certas apresentações clínicas, como na artrose das mãos com a formação dos nódulos de Heberden (na junta da ponta dos dedos) e de Bouchard (na junta do meio dos dedos) e nos joelhos (em função de excesso de peso ou de joelhos em valgo – em xis – ou varo – pernas tortas), podem ser genéticas.

Além da questão genética, quem tem artrite reumatoide também tem uma grande chance de desenvolver mais essa doença, pelo desgaste que as articulações já estando sofrendo. 

A artrose, muitas vezes, não causa dor, mas quando isto acontece, devemos tratá-la da melhor maneira possível.

Tratamentos principais e CBD para auxiliar

“A artrose é tratada por meio de modificadores da doença, e sempre são aliados à prática de atividade física, para fortalecimento muscular e alongamento e controle do peso através de alimentação saudável”, afirma o Dr. Thiago.

É importante que se mantenha um peso ideal, para que as articulações, além da deterioração natural, não se exponham a mais desgaste.

Além das drogas modificadoras da doença, utilizadas como base do tratamento, podem estar associados a terapêutica, anti-inflamatórios, analgésicos e como substituta desses, em alguns casos, a Cannabis medicinal.

“Apesar do canabidiol ter, teoricamente, uma função na regulação imunológica e inflamatória, ele tem uma boa resposta como analgésico no caso da artrose, e pode ser empregado como tratamento auxiliar junto com modificadores da doença”, enfatiza Bitar. O CBD, nesse caso, substituiria anti-inflamatórios e analgésicos.

O sistema endocanabinoide pode trabalhar a favor das principais funções do organismo e regula uma série de processos fisiológicos, incluindo dor. O organismo pode gerar seus próprios canabinoides, mas o uso do CBD pode potencializá-los. Essa potencialização cria efeitos anti-inflamatórios e analgésicos que ajudam no controle da dor e dispensa o uso de remédios para aliviar esse sintoma.

A Cannabis medicinal nesse caso, além de ajudar no controle da dor, livra o corpo de diversos efeitos colaterais que remédios de uso contínuo podem causar. Lembrando que a maioria das pessoas com a enfermidade já têm idade avançada e provavelmente se medicam para outras doenças também.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar para você realizar uma consulta.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email