Cannabis

Óleo de Canabidiol no Combate à Depressão: É Realmente Eficaz?

O óleo de canabidiol para depressão é uma alternativa eficaz para trazer mais qualidade de vida e bem-estar a portadores desta doença crônica.

Se ainda não há cura para ela, ao menos a medicina vem encontrando formas de amenizar sintomas – o que não depende mais de tratamentos convencionais e fármacos com efeitos adversos indesejados.

É justamente aí que entra o CBD, composto extraído de plantas do gênero Cannabis e que pode ser consumido no formato de óleo, entre outros.

Neste conteúdo, vamos explicar o que é e para que serve o canabidiol, além de mostrar como ele age no organismo.

Você vai entender se o óleo de CBD é realmente eficaz contra a depressão, se existe riscos e quais são as regras para compra por pacientes que moram no Brasil.

Acompanhe!

O que é o óleo de canabidiol?

O canabidiol (CBD) é apenas uma das mais de 400 diferentes substâncias químicas (descritas como canabinoides) encontradas na Cannabis.

Apesar de ela ser conhecida popularmente como a planta da maconha, o uso do CBD é estritamente medicinal e nada tem a ver com o consumo recreativo e ilegal da maconha como droga no Brasil.

Além disso, ele não causa efeitos psicoativos.

Quem causa é o tetrahidrocanabinol (THC), embora também tenha contribuições medicinais muito valiosas.

É importante fazer essa ressalva, pois o preconceito e a desinformação ainda atrapalham a utilização da Cannabis para fins medicinais, mesmo a ciência já tendo comprovado a sua eficácia no tratamento de uma série de doenças.

Então, o canabidiol é seguro e tem ajudado muitos pacientes a viver melhor e com mais saúde.

Consumido em forma de gotas ou spray, o óleo de CBD é feito a partir do principal componente com potencial terapêutico e medicinal da Cannabis.

Essa é uma planta muito antiga, utilizada desde por volta de 10 mil anos atrás e cultivada há pelo menos 6 mil anos. 

Ela é nativa do continente asiático, mais especificamente da região onde hoje estão localizadas a China e a Mongólia, além da Sibéria, que integra partes da Rússia e do norte do Cazaquistão.

Foi a partir de 1963 que estudos propagados pelo químico bulgo-israelense Raphael Mechoulam e sua equipe de pesquisadores representaram um divisor de águas em relação ao uso medicinal da planta. 

Desde então, foram descobertos, por exemplo, o sistema endocanabinoide, o isolamento e a identificação de canabinoides endógenos no cérebro (como a Anandamida) e o 2-AG, ou 2-araquidonoilglicerol, em outros órgãos do corpo humano. 

Pode-se dizer que essa pesquisa foi responsável pelo pontapé inicial para os estudos que levaram a conclusões sobre o uso benéfico do canabidiol para a saúde.

Hoje, o óleo de CBD faz parte de uma proposta inovadora para o uso medicinal da planta no tratamento de uma série de doenças. A depressão é uma dessas enfermidades.

Com efeito antidepressivo e ansiolítico, os canabinoides aumentam a qualidade de vida e afastam o paciente dos problemas decorrentes da depressão e da ansiedade.

Como o óleo de canabidiol age no organismo?

O canabidiol age nos mecanismos cerebrais da regulação do humor e, consequentemente, do sono, do apetite e de funções intelectuais.

Os distúrbios de humor que podem levar à ansiedade e à depressão estariam associados a um problema no sistema endocanabinoide, gerando diminuição na concentração de canabinoides.

Vale esclarecer que os canabinoides são uma substância que é naturalmente produzida pelo cérebro, mas que, em caso de falta dessa produção, pode levar às mencionadas alterações de humor e as doenças citadas.

Além da regulação da serotonina, a dopamina também pode ser ajustada por meio do uso medicinal do canabidiol, já que são os endocanabinoides que equilibram as respostas dos  neurotransmissores.

Quais doenças podem ser tratadas com o canabidiol?

Ainda há uma série de estudos a serem desenvolvidos em relação às substâncias encontradas na Cannabis, a exemplo do canabidiol.

Há, também, a necessidade de evidências para que o seu uso medicinal seja cada vez mais avançado.

Por outro lado, já existe uma série de estudos mostrando a eficácia do uso terapêutico da planta.

Na lista abaixo, você encontra algumas das muitas doenças tratadas com CBD.

Ao clicar nos links, você tem acesso a mais informações, dados de estudos clínicos e, ainda, a histórias de tratamentos reais.

Óleo de canabidiol para a depressão: é eficaz?

Antes de falarmos sobre a eficácia do óleo de canabidiol para depressão, vale entender que doença é essa e porque é importante atuar no seu enfrentamento, buscando ajuda médica.

Um primeiro dado alarmante: o Brasil é o país com o maior número de casos de depressão na América Latina. 

Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 5,8% dos brasileiros (em torno de 12 milhões de pessoas) sofrem com essa doença. 

Outro dado ainda mais alarmante: a estimativa é de que entre 20% e 25% da população já teve, tem ou terá depressão. 

Então, esta é considerada a enfermidade psiquiátrica com maior incidência no Brasil. 

Na sequência, vem a ansiedade, que acomete 9,3% (ou 19,4 milhões de brasileiros) e faz com que o país lidere o ranking das nações mais ansiosas, mundialmente.

Apesar de ser uma condição crônica, que pode evoluir até a morte do paciente, é possível conviver de forma saudável com a depressão.

Isso passa, necessariamente, pelo alívio dos sintomas, proporcionando dias de maior conforto e bem-estar, o que resulta no aumento da qualidade de vida.

É nesse sentido que o óleo de CBD pode ser bastante eficaz.

E o melhor: sem os mesmos efeitos adversos de tratamentos convencionais, que podem, inclusive, causar dependência.

A eficácia aparece descrita em diferentes estudos clínicos.

No caso da depressão, vale citar uma revisão literária feita por pesquisadores brasileiros no ano passado.

Os estudiosos concluíram que “evidências recentes sugerem que o canabidiol promove rápido e contínuo efeito antidepressivo em modelos animais”, e também “induz transformações celulares e moleculares em regiões relacionadas à neurobiologia da depressão”. 

A revisão foi divulgada no artigo Emerging evidence for the antidepressant effect of cannabidiol and the underlying molecular mechanisms (“Provas emergentes do efeito antidepressivo do canabidiol e dos mecanismos moleculares subjacentes”).

Os estudos, que já avançaram muito e seguem progredindo de maneira ágil em relação ao tema, tendem, com o passar do tempo, a diminuir inclusive o desconforto com a Cannabis medicinal por parte da classe médica.

Nos Estados Unidos, por exemplo, um estudo do Centro de Câncer da Universidade do Colorado apontou que 73% dos médicos oncologistas que participaram desta pesquisa – ou seja, mais de 7 em cada 10 profissionais da saúde – acreditam nos benefícios dos tratamentos à base de Cannabis medicinal.

No entanto, apenas 46% deles – isto é, menos de 5 em cada 10 profissionais da saúde – afirmaram que se sentem aptos a receitar os remédios para tratamentos. 

No Brasil, de acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), somente mil de um total de 450 mil médicos prescrevem medicamentos à base de Cannabis. 

Isso reforça a importância de o paciente e seus familiares buscarem conhecimento e informação para, a partir de estudos clínicos, argumentarem com o especialista sobre essa forma de tratamento eficaz e segura.

Como o óleo de CBD pode ser benéfico para as pessoas com depressão?

Por ter uma interação considerada positiva com receptores de serotonina, o canabidiol tem sido encarado como um tratamento importante para a depressão, uma vez que a sua utilização tem menos efeitos colaterais do que medicamentos tradicionais.

Assim, é conceituado como um antidepressivo de ação rápida. 

A respeito da serotonina, é válido explicar que esse neurotransmissor, também conhecido como 5-hidroxitriptamina (5-HT) no meio científico, é responsável por conduzir impulsos e efeitos nervosos no cérebro humano.

Em 2018, foram divulgados resultados de uma investigação colaborativa entre cientistas do estado de São Paulo e da Dinamarca. 

Conforme a publicação, um experimento com ratos com sintomas depressivos levou à conclusão, após uma única aplicação de canabidiol, de que os traços relacionados à depressão sumiram no mesmo dia, enquanto que as consequências benéficas da aplicação perduraram por uma semana. 

A intenção principal dos cientistas, nesse caso, é possibilitar a materialização de fármacos que tenham efeito antidepressivo e que atuem de maneira mais rápida no tratamento de pacientes, que, junto a uma parcela da classe médica, também têm interesse na produção desses medicamentos. 

Dessa forma, seria possível reduzir os efeitos colaterais e aumentar a eficácia de uma terapia normalmente feita com antidepressivos tradicionais.

Quanto tempo leva para o canabidiol fazer efeito?

Cada organismo reage de maneira diferente ao uso de toda e qualquer substância. 

Então, a resposta mais consciente, nesse sentido, seria: depende de pessoa para pessoa.

Os efeitos no corpo humano também variam de acordo com a forma como o óleo de canabidiol é utilizado, escolhida de acordo com a doença.

Há, basicamente, quatro formas de utilizá-lo: administração sublingual, ingestão, uso tópico e inalação.

No caso da administração sublingual, os relatos apontam que os efeitos começam a ser sentidos entre 60 e 90 segundos após o uso.

Por meio da ingestão (de cápsulas ou junto a comidas e bebidas), a percepção dos efeitos pode ser um pouco mais demorada, de 30 minutos a 1 hora.

O método de inalação, ou seja, por meio da vaporização do óleo de canabidiol, pode ter seus efeitos percebidos em questão de segundos após o uso ou até mesmo entre 5 e 30 minutos depois.

Já o uso tópico consiste na utilização de produtos aplicados diretamente na pele, ou seja, por meio de loções, cremes ou pomadas – o que não se aplica ao tratamento da depressão, é claro.

Nesse caso, a absorção tende a ser mais lenta, porém, os efeitos, mais duradouros.

Importante destacar que a legislação brasileira só autoriza medicamentos com canabidiol via oral ou nasal.

Riscos e efeitos colaterais do óleo de canabidiol

Uma vantagem do óleo de CBD na relação com tratamentos convencionais para a depressão está justamente nos riscos e efeitos colaterais.

Isso porque eles são muito pequenos ou mesmo inexistentes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já se pronunciou dizendo que o óleo de canabidiol é normalmente seguro: “o CBD é geralmente bem tolerado e tem um bom perfil de segurança. Os efeitos adversos relatados podem ser o resultado de interações entre o CBD e os medicamentos que os pacientes estão tomando”, é o que consta no Critical Review Report, publicado pela entidade em 2018.

Extratos de canabidiol que contêm outros canabinoides e fitoquímicos apresentam risco ainda menor.

No entanto, alguns dos raros efeitos colaterais do canabidiol podem ser sonolência, diarreia, hipotensão e boca seca.

Como tomar o óleo de canabidiol para tratamento de depressão?

Como adiantamos antes, o óleo de canabidiol pode ser consumido de quatro maneiras diferentes.

Neste tópico, vamos explicar como acontece a administração sublingual, a ingestão e a inalação.

No uso sublingual, por meio de dosadores, o paciente coloca o óleo embaixo da língua. 

Isso permite com que o produto seja absorvido diretamente pela membrana mucosa da boca, sem necessidade de passar pelo sistema digestivo.

O método de ingestão pode ser utilizado com cápsulas ou por meio de comidas e bebidas, como chás.

O tempo de efeito depende da quantidade ingerida e também da última vez em que o paciente comeu. 

Porém, não se engane: o fato de ingerir o produto de estômago vazio para gerar um efeito mais rápido pode ocasionar um resultado final menos intenso e duradouro.

Por fim, a inalação de óleo de canabidiol ocorre por meio da vaporização. 

Nesse processo, o canabidiol entra nos pulmões e difunde-se pela corrente sanguínea. Dessa forma, evita passar pelo fígado, por exemplo.

Como comprar óleo de canabidiol no Brasil

Como já vimos, há vários formatos para compra e utilização do canabidiol. 

Todavia, no Brasil, ao menos por enquanto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza a comercialização apenas de produtos utilizados por vias oral e nasal.

As regras do processo seguem o disposto na RDC Nº 327/2019, que estabelece os requisitos para a comercialização de produtos de Cannabis para fins medicinais no país.

Seu texto foi atualizado pela RDC Nº 335/2020 – ou seja, estamos falando sobre uma regulamentação bastante recente.

Com essa base legal, ficou determinado que farmácias e drogarias brasileiras podem comercializar medicamentos derivados das plantas do gênero Cannabis, desde que autorizados pela Anvisa.

Para tanto, entre outras regras, é preciso atender ao seguinte: 

“Art. 4° Os produtos de Cannabis contendo como ativos exclusivamente derivados vegetais ou fitofármacos da Cannabis sativa, devem possuir predominantemente, canabidiol (CBD) e não mais que 0,2% de tetrahidrocanabinol (THC).

Parágrafo único. Os produtos de Cannabis poderão conter teor de THC acima de 0,2%, desde que sejam destinados a cuidados paliativos exclusivamente para pacientes sem outras alternativas terapêuticas e em situações clínicas irreversíveis ou terminais.”

Se o medicamento com canabidiol é vendido no Brasil, então, bastaria ao portador da receita médica ir até um estabelecimento, apresentar a prescrição (que terá uma via retida) e fazer a aquisição.

Porém, para a grande maioria das doenças, não é possível encontrar fármacos com CBD no país.

A saída, nesses casos, é optar pela importação, que segue o passo a passo a seguir:

  1. Consulta médica: em uma consulta médica, o paciente ou familiar conversa com o especialista, que faz a prescrição do produto à base de Cannabis medicinal em determinado formato e dosagem
  2. Solicitação à Anvisa: o paciente, então, preenche o formulário e apresenta junto com a receita médica, cópia da identidade e um comprovante de residência. A partir daí, ele envia para a análise do órgão e aguarda
  3. Autorização da Anvisa: a resposta costuma vir em torno de 10 dias. Caso aprove o pedido, a Anvisa emite a autorização para importação
  4. Compra e entrega: com a autorização em mãos, o paciente ou familiar pode comprar o produto em loja no exterior, mais uma vez seguindo todos os critérios estabelecidos pela Anvisa.

Para a sua maior comodidade, utilize o serviço de concierge da CanTeraMed, que realiza todo esse trabalho para o paciente.

Clique e veja como importar produtos à base de Cannabis medicinal no Brasil.

Qual o preço do óleo de canabidiol?

Produtos adquiridos no exterior podem ter valores bem diferentes, a depender do formato, indicação e dosagem.

No Brasil, no momento, há apenas dois fármacos que podem ser encontrados em farmácias e drogarias, incluindo opções online.

Um deles é produzido pela farmacêutica Prati-Donaduzzi e tem o preço cheio de R$ 2,5 mil.

O outro é o Mevatyl, fabricado pela 4Bio, que pode custar acima de R$ 3 mil, mas é encontrado em valor promocional por R$ 2.833,74.

Especificamente quanto ao óleo de canabidiol, um frasco de 30ml pode custar até R$ 2.500. 

O ideal, portanto, é pesquisar e considerar o preço por miligrama ou mililitro do seu principal componente, o canabidiol.

Com os avanços na regulamentação da Cannabis medicinal, é esperado para os próximos meses uma queda substancial no preço do canabidiol.

Hoje, a matéria-prima para produção dos fármacos é importada, já que o cultivo da planta é proibido no Brasil – o que pode mudar se for aprovado o projeto de lei PL 399/15 em tramitação na Câmara dos Deputados.

Alguns importadores estimam queda de até 75% no preço dos frascos e medicamentos com etapa final da produção no Brasil.

Assim, uma ampola de canabidiol pode ter seu preço reduzido para menos de R$ 500.

Conclusão

Neste texto, você viu que o tratamento com óleo de canabidiol para depressão é uma alternativa eficaz para devolver a qualidade de vida e o bem-estar aos pacientes.

Esse tipo de informação é bastante útil para que você tenha acesso ao tratamento com CBD.

Utilize dados de estudos clínicos citados e relatos de pacientes com depressão que encontra no Portal Cannabis & Saúde para conversar com seu médico.

Argumente em favor da saúde, seja da sua ou de quem você ama.

Caso precise de um médico prescritor, você pode agendar uma consulta neste link.

Já para os profissionais, oferecemos uma opção de cadastro online para médicos prescritores.

Essa é nossa contribuição para que mais brasileiros tenham acesso a um medicamento eficaz e seguro.

Redação Cannabis & Saúde

Postagens recentes

Capoeirista que fraturou a perna em acidente volta a gingar com Cannabis

No Medical Cannabis Summit, ortopedista Dr. Jimmy falou sobre Cannabis na traumatologia, controle de dor…

14 horas agora

Oncologista comenta o uso da Cannabis medicinal no tratamento do câncer

Oncologista especialista em cânceres do sistema gastrointestinal Renata D’Alpino explica como utiliza a prescrição de…

14 horas agora

“Dormimos uma noite inteira pela 1ª vez em 5 anos”, lembra Katiele Fischer

No 4º dia do Medical Cannabis Summit, a primeira mãe autorizada a importar canabidiol no…

4 dias agora

“Estou vendo o renascimento dela”, diz irmã de paciente com epilepsia

Luciana Fernandes sofre com convulsões há 36 anos. Com a Cannabis, sua família acompanha o…

4 dias agora

Deputados aprovam urgência para PL que prevê Cannabis no SUS em SP

Durante votação, Marina Helou emocionou colegas com relato do tratamento da mãe, com câncer, que…

5 dias agora

“A Cannabis pode ser uma porta de saída para o vício”, diz Peter Grinspoon

Com ampla experiência no tratamento e recuperação de usuários de drogas, incluindo a própria, o…

5 dias agora