Eczema Tratamento com Canabidiol: Como Funciona?

Qual o tratamento para eczema? Descubra as principais formas de tratar esse mal e os tipos existentes da doença. Aprenda mais agora!
eczema tratamento

As dermatites ou eczemas acometem 3,3% das pessoas no mundo, ou mais de 245 milhões de pessoas, de acordo com estudo global realizado em 2015 pela Universidade de Washington.

Inflamações cutâneas, geralmente causam vermelhidão, inchaço e bolhas líquidas, que são a origem do nome dessa doença: vem do grego “ekzein” que significa “em ebulição”.

A coceira que pode ser extrema também é constante nos vários tipos de eczema, que, apesar de não ser uma doença grave, causa desconforto, ansiedade e dificuldades no âmbito social devido à coceira e às feridas aparentes.

Os diversos tipos de eczema tem causas diversas como alergias, problemas circulatórios, baixa imunidade, ressecamento da pele, genéticos e emocionais que se manifestam por meio do maior órgão humano, a pele.

Os tratamentos tópicos para o eczema são tradicionalmente realizados por meio aplicação de pomadas. As feitas de canabinóides têm sido cada vez mais estudadas.

Entretanto, o que existe são pesquisas preliminares, em laboratório e em pequena escala. Este cenário está mudando e já existem estudos clínicos em andamento. A intenção é comprovar o que a prática clínica já demonstra: a eficácia dos canabinóides também para tratamentos dermatológicos como o do eczema.

No texto a seguir, vamos falar mais sobre essa enfermidade e como a Cannabis medicinal pode ajudar no tratamento. 

O que é um eczema de pele?

O eczema se caracteriza por apresentar vários tipos de lesões, que podem ser agudas, subagudas ou crônicas.

O mesmo paciente pode apresentar eczema em fases diferentes e em diferentes partes do corpo. Para o diagnóstico não é necessário que se tenha todas essas fases de eczema.

Na versão aguda aparecem marcas avermelhadas, inchaço e bolhinhas na superfície da pele. A fase subaguda é quando essas bolhinhas se rompem e eliminam o líquido claro (exsudação), começando a formar crostas.

A terceira e última fase é a crônica, onde as lesões formadas terminam de secar e a crosta sofre espessamento e aparecimento de linhas da pele (liquenificação).

Os sintomas variam conforme o tipo de eczema e cada um tem outros sintomas que são característicos.

Quais são as causas do eczema?

Assim como são variadas as fases da doença, também o são os tipos e suas causas. 

Podem ser fatores genéticos, imunológicos, alérgicos, circulatórios, medicamentosos, emocionais ou o simples ressecamento da pele.

Acometem desde bebês até idosos, e é comum que apareçam duas ou mais formas de eczema ao mesmo tempo.

Quais são os principais sintomas de eczema?

Vermelhidão, inchaço e vesículas (pequenas bolhas com líquido claro) na fase aguda, exsudação e formação de crostas na fase subaguda e liquenificação na fase crônica. Coceira mais ou menos grave também é sintoma frequente.

Quais são os tipos de eczema?

eczema tratamento com canabidiol quais tipos

Eczema Atópico

É a forma mais comum de eczema. Pode aparecer em áreas específicas do corpo (mais comumente rosto e dobras de braços e pernas), ou pode afetar o corpo todo.

Frequentemente aparece numa tríade com asma e rinite no início da vida do bebê. Pode se tornar mais fraca até desaparecer na fase adulta, mas alguns pacientes podem ter surtos por toda a vida.

O eczema atópico geralmente acomete pessoas mais alérgicas e os tratamentos são paliativos: evitar as causas de alergia, manter a pele hidratada e usar corticosteróides tópicos.

 A coceira é o principal sintoma e as causas são desconhecidas, mas parecem incluir a junção de alguns fatores: genéticos, imunológicos, asma e rinite.

Eczema de Contato

Frequentemente atinge mãos, rosto, pescoço e pés, causando grandes áreas vermelhas com queimação e coceira. Surge após contato com algum material ou produto que provocam alergia e danos às células da pele que podem durar dias, mesmo após a total remoção do agente irritante.

As reações alérgicas são comumente causadas por detergentes, água sanitária, níquel, bijuterias, látex, tintas, plantas venenosas, produtos para pele inclusive maquiagem, sabonetes, perfumes, solventes e fumaça de cigarro. Os sintomas específicos são forte coceira e queimação.

O diagnóstico costuma ser feito com testes onde as substâncias alérgicas mais comuns são colocadas em áreas diferentes da pele. O tratamento, então, é evitar o que causa a alergia, usar proteção quando a exposição é inevitável e a aplicação de pomadas antibióticas.

Eczema Numular

São placas de eczema distribuídas pelo corpo, mais comumente nas extremidades superiores e inferiores. O termo numular vem do latim para moeda, por causa do formato circular das feridas.

Esse tipo de eczema é também conhecido como eczema discóide ou orbicular. 

Inflamatória, é considerada uma doença independente que pode se apresentar em outras patologias como o eczema atópico e de contato.

Mais comum em homens de todas as idades, suas causas são desconhecidas. Apesar disso, o eczema numular já foi observado como reação a outros tipos de eczema e como consequência de pele seca, picadas de insetos, cortes e queimaduras por agentes químicos.

Além dos sintomas característicos dos eczemas, a coceira também se apresenta no eczema numular.

Eczema de estase

A dermatite ou eczema de estase ocorre quando há insuficiência venosa ou má circulação na parte inferior das pernas. Também é conhecida pelos nomes de dermatite gravitacional, eczema venoso ou dermatite de estase venosa.

A insuficiência acontece quando as válvulas nas veias das pernas, que ajudam a empurrar o sangue de volta para o coração, enfraquecem e vazam o líquido. Após o vazamento, a água e as células sanguíneas acabam se acumulando na parte inferior das pernas.

Em geral, os pacientes acometidos por esse tipo de eczema sofrem de má circulação. Uma das causas mais comuns é o envelhecimento, sendo diagnosticada em pessoas com mais de 50 anos.

Nesses casos, mulheres têm uma probabilidade maior de contrair do que os homens. Entretanto, a eczema de estase também pode indicar uma condição médica mais séria, como uma doença cardíaca ou renal.

Por outro lado, uma pessoa com insuficiência venosa pode não chegar a desenvolver a eczema de estase, mas é sempre importante notar que a má circulação aumenta o risco.

Outros fatores de risco podem incluir varizes, pressão alta, obesidade, cirurgias nas veias, gravidezes múltiplas ou uma história de coágulos sanguíneos nas pernas.

Além disso, é importante ficar atento à insuficiência cardíaca congestiva, falência renal e certos fatores de estilo de vida, como praticar pouca atividade física ou ter um trabalho que envolva horas sentado ou em pé. 

Eczema Disidrósico ou Disidrose

A disidrose é um tipo de dermatite caracterizada por bolhas que coçam nas palmas das mãos, na planta dos pés e entre os dedos. As bolhas geralmente têm um a dois milímetros de tamanho e cicatrizam em três semanas.

No entanto, após esse período é comum as bolhas voltarem. Não é comum ocorrer vermelhidão. Após diversas ocorrências, também é comum o aparecimento de fissuras, além da pele se tornar mais espessa.

A causa do problema ainda não foi determinada. O que se sabe é que os gatilhos podem incluir desde alérgenos até o estresse físico ou mental.

O diagnóstico da disidrose geralmente se baseia na aparência da pele e nos sintomas observados.

Entretanto, também é possível realizar um teste de alergia, normalmente feito para que sejam descartados outros problemas. Isso porque é possível observar sintomas semelhantes em doenças como a psoríase pustulosa e a escabiose.

Uma das recomendações é que se procure evitar os gatilhos, passando um creme, para que sirva de barreira entre a pele e a causa da irritação.

O mais recomendado é o creme esteróide, que sugerem que sejam de alta resistência, principalmente nas primeiras semanas Além disso, os anti-histamínicos podem ser usados ​​para reduzir a coceira. Se não funcionarem, outra recomendação é de que se utilize pílulas de esteróides. Uma pomada de tacrolimus ou de psoraleno pode ser eficaz. Em geral, é eficaz a adição de ultravioleta A (PUVA) às pomadas. 

Neurodermatite

A Lichen simplex chronicus (LSC) é caracterizada por uma coceira intensa. Também chamada de neurodermatite, ela frequentemente ocorre em apenas um ou dois pontos do corpo: em geral pés, tornozelo, pulso, cotovelo, ombro, pescoço, vulva, púbis e cabeça.

A coceira contínua pode irritar as terminações nervosas da pele, aumentando ainda mais a sensação e pode causar espessamento e escurecimento da pele.

O ato de se coçar chega a iluminar o cérebro na região de recompensa, e os períodos de mais coceira acontecem associados ao estresse. A neurodermatite ocorre mais frequentemente em mulheres entre 30 e 50 anos e é comumente associada ao eczema atópico e de contato.

A hipótese é de que seja um eczema psicossomático, e costuma começar com uma irritação como irritação por contato de roupas ou picadas de inseto. Com a constante fricção da área, a pele fica mais espessa, causando mais coceira, mais fricção e mais espessamento da pele.

Se não tratada, a área pode aumentar e se espalhar pelo resto do corpo. Pacientes que conseguem evitar a fricção durante o dia podem ainda se coçar durante o sono, e os tratamentos costumam incluir sedativos além dos tratamentos tópicos.

Fatores de risco são psoríase, ansiedade, roupas justas e sintéticas, picadas de inseto, lesões nervosas e pele seca. 

Dermatite Seborreica 

Doença de pele muito comum que provoca erupções na pele. Com isso, a pele adquire uma cor avermelhada, uma aparência inchada e gordurosa e escamas crocantes brancas ou amareladas surgem na superfície. Muitas vezes, a pele afetada coça.

Frequentemente, ela ocorre onde há grande produção de gordura, como cabeça, nariz e parte superior das costas.

Entre os fatores que contribuem, estão psoríase, HIV, acne, rosácea, Parkinson, epilepsia, alcoolismo, depressão, distúrbios alimentares e pacientes em recuperação de derrame e ataque cardíaco.

A dermatite seborreica é bastante comum em bebês, que recebem uma touca no berço. Nesses casos, é chamada de boné de berço e manchas escamosas e gordurosas se formam no couro cabeludo do bebê.

As manchas podem ficar espessas e com crostas, mas a tampa do berço é inofensiva. A tampa do berço geralmente desaparece sozinha em alguns meses.

Esse tipo de dermatite também aparece na área da fralda e a erupção vermelha pode ser confundida com assaduras. Alguns bebês têm dermatite seborréica que cobre grande parte do corpo com manchas vermelhas e escamosas.

Independentemente de onde se formar, a dermatite seborréica nos bebês costuma desaparecer definitivamente entre os 6 meses e 1 ano de idade.

Por outro lado, ela pode ser de longa duração em adultos ou até ir e vir pelo resto da vida da pessoa. Em especial, retornam quando o tempo fica frio e seco.

O estresse também pode desencadear um surto. A boa notícia é que o tratamento pode reduzir os surtos e trazer alívio.

Quanto tempo demora a passar eczema?

O tempo de tratamento varia conforme o tipo de eczema. O numular pode ser tratado em dez dias. O atópico pode ser crônico e ocorrer em surtos durante toda a vida. 

Eczema tratamento com Canabidiol: O que é?

eczema tratamento com canabidiol o que e

São pomadas e compressas para tratamento tópico. Estes produtos interagem com as células com que fazem contato, sem entrar na corrente sanguínea. Sendo assim, mesmo que o produto contenha THC, ele não terá qualquer efeito psicoativo.

Eczema tratamento com CBD: Como funciona?

Por suas propriedades anti-inflamatórias, homeostáticas e imunomoduladoras, os canabinóides  têm mostrado boas respostas também no tratamento tópico. Canabinóides como o CBD e o THC interagem com os receptores CB1 e CB2, estimulando resposta anti-inflamatória.

Segundo estudo da Universidade do Colorado, os canabinóides são efetivos no tratamento de psoríase, eczema, outras doenças inflamatórias de pele, dermatites e até alguns casos de câncer de pele.

Os resultados mais promissores são para tratamento de coceira crônica. 

Eczema tratamento: Benefícios comprovados do Canabidiol

Segundo estudo publicado no Open Access Journals MDPI, estudos in vitro sugerem que a aplicação tópica de CBD tem efeitos sebo estáticos e anti-inflamatórios.

Em pesquisa conduzida em 20 pacientes com psoríase, dermatite atópica e cicatrizes, os pesquisadores da Universidade do Colorado aplicaram a pomada com CBD duas vezes ao dia por três meses.

Eles observaram uma melhora significativa dos parâmetros dermatológicos usados, sem efeitos colaterais. A conclusão foi de que o tratamento com CBD sem THC é seguro, eficaz e não invasivo para as três aplicações.

Em março do ano passado, um estudo da Universidade de Modena e Reggio, na Itália, indicou possíveis efeitos anti-inflamatórios, coceira, modulação de sebo estimulação, inchaço, engrossamento da pele, cicatrizantes, prurido, possibilidade de retirada de opióides no tratamento.

O estudo ainda aponta que pesquisas das últimas duas décadas provam, sem sombra de dúvida, que os canabinóides têm profunda influência em diversos aspectos da biologia cutânea, e sua desregulação parece contribuir para diversas doenças de pele.

Quais estudos comprovam a eficácia do tratamento do Eczema com CBD?

As pesquisas mais recentes são as da Universidade do Colorado, que indica que medicamentos com canabinóides podem ser efetivos no tratamento de eczemas atópico e de contato.

Os pesquisadores apontaram que o papel mais promissor dos canabinóides é o tratamento da coceira.

No estudo, 21 pacientes aplicaram um creme de canabinóide duas vezes ao dia por três semanas, e eliminaram completamente a coceira e o prurido. Eles também perceberam sinais de diminuição da pele seca.

Os pesquisadores acreditam que o que influenciou no tratamento são as propriedades anti-inflamatórias dos canabinóides, já que o THC reduz o inchaço e inflamação em ratos. 

Com legislações mais permissivas com relação à Cannabis, as pesquisas clínicas, que antes sofriam muitas dificuldades de aprovação e financiamento, hoje se tornam uma possibilidade. 

Já existe um estudo clínico duplo cego randomizado em fase II: a Botanix Pharmaceuticals estuda 200 pacientes com eczema atópico moderado, tratados com o canabidiol sintético BTX1204. A última atualização foi em março deste ano.

A mesma equipe da Universidade do Colorado já tem 40 pacientes de Parkinson selecionados. Em fase clínica e patrocinada pelo Departamento de Saúde Pública do Colorado, o estudo será randomizado e controlado.

Conclusão

Neste conteúdo apresentamos as variações do eczema que, por ser uma doença inflamatória, tem causas e sintomas que podem ser tratados com Cannabis. 

É sabido e comprovado que os fitocanabinóides têm efeito anti-inflamatório, imunomodulador, ansiolítico e anti-histamínico. Portanto, têm potencial de agir na maior parte das causas dos eczemas, como ansiedade, baixa imunidade, alergia.

Também nos sintomas tópicos que são o desequilíbrio das funções das células locais, por meio da ação moduladora que a Cannabis exerce nos sistemas.

As pesquisas preliminares em animais e in vitro já indicam o sucesso dessas aplicações. Relatos anedóticos corroboram.

Com maior avanço mundial na legalização de produtos à base de CBD e THC, o caminho para os necessários estudos clínicos está cada vez mais acessível.

Esperamos que tenha aprendido! Aproveite para compartilhar este material com contatos da sua rede que podem se interessar pelo tema.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email