A luta de uma mãe para tratar as crises convulsivas do filho com CBD

Adriana Gonsalez vê no remédio uma solução para melhorar a qualidade de vida de João Francisco, 16 anos, que sofre com crises convulsivas. Só há um entrave: o preço dos medicamentos.

Logo nos primeiros dias de vida do filho, Adriana Gonsalez notou algo estranho. João Francisco repuxava com frequência o braço esquerdo. A neonatologista pediu uma tumografia e ultrassom da fontanela, além de uma noite em observação no hospital. Na manhã seguinte, encontrou no neurologista apenas insensibilidade: “Mãe, seu filho é retardado”.

Tirou o filho dos cuidados daquele médico e seguiu em busca de um diagnóstico. Os exames de imagem não mostravam nenhuma anomalia. E não havia registros de problemas durante a gestação ou parto. Ainda assim, João seguia repuxando o braço.

Em um desses episódios, ficou com a boca roxa. Eram crises convulsivas. E João Francisco sofria com 30 episódios desses por dia.

Estabilidade

Ao longo dos anos, com o uso de medicamentos, as crises oscilaram entre dias bons e ruins. Mas nunca tiveram um fim.

Em um desses dias ruins, o menino chegou a passar mais de 5 minutos em convulsão – em geral, as crises duravam apenas alguns segundos – por quase uma semana. Não teve jeito. Adriana viajou de Araras para São Paulo, onde o filho passou 10 dias internado no CTI. Mesmo sedado e entubado, as convulsões continuavam.

Trocou os remédios mais uma vez. E a crise foi controlada. Mas o diagnóstico nunca chegou. Ainda hoje, com 16 anos, a mãe de João Francisco não sabe quais as causas das convulsões do filho.

“O que os médicos dizem é que para caracterizar como alguma síndrome ele precisa ter cinco características condizente com alguma delas. E ele tem duas características de uma, três de outra”, conta Adriana.

Por enquanto, ela tem apenas um diagnóstico vago: epilepsia de difícil controle.

Leia também: Cannabis e epilepsia: o que a ciência já sabe sobre o tratamento?

Ainda que as crises tenham reduzido – em alguns dias ele passa ileso –, os efeitos de um dos remédios para o controle da espasticidade causa efeitos colaterais fortes. “Ele tem tido queda de cabelo, sudorese intensa. Fica irritado”, relata Adriana. “E tem apresentado problemas na visão – a vista fica turva. Esses dias ele ficou vesgo”. A saída, segundo a médica, pode ser o canabidiol.

À espera do CBD

Adriana tentou tratar o filho com canabidiol em outras oportunidades. Mas os médicos ainda achavam cedo, nem sempre tinham conhecimento a respeito do remédio. A mãe, então, deixou o assunto para lá. Só esse ano conseguiu a prescrição da neurologista do filho.

“Eu nunca tive preconceito. Uma vez me perguntaram: ‘você vai drogar seu filho?’. E não é isso. Só quem tem uma criança convulsionando dentro de casa sabe o quanto queremos livrá-los desse sofrimento”, desabafa. “Nunca tive medo do CBD, nem preconceito. Antes de falar, a gente precisa se informar. Estou buscando qualidade de vida para o meu filho.”

Leia também: Primeiro canabidiol brasileiro autorizado pela Anvisa custa R$ R$ 2.143

O medo, no entanto, foi outro: não ter condições financeiras de bancar o tratamento do filho. Desempregada, aos 54 anos, levou um susto ao conferir o valor dos frascos indicados pela médica – R$ 1,2 mil cada. E precisaria de três para o tratamento até o final do ano.

Adriana organizou uma vaquinha virtual e, segundo ela, chegou aos R$ 3,6 mil necessários para compra. Agora, precisa requisitar a autorização da Anvisa e importar os medicamentos. Ela espera que os produtos cheguem em até um mês – e que a vida de João Francisco melhore ainda mais.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email