Cannabis & Saúde

Reumatismo: o que é, quais são os sintomas e como tratar com Cannabis Medicinal

30 de outubro é o Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo. Para lembrar a data, mostramos como a Cannabis pode ser uma aliada interessante para aliviar desconfortos e auxiliar no quadro
dor crônica tipos

No dia 30 de outubro comemoramos o Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo. Essa data surge como uma forma de lembrarmos sobre a prevalência desse quadro no Brasil e a importância da realização dos tratamentos adequados para trazer melhor qualidade de vida e conforto para essas pessoas.

Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), temos mais de 20 milhões de pessoas no Brasil que podem estar acometidas por doenças reumáticas. Além disso, problemas reumáticos são a segunda causa de solicitação de aposentadoria por invalidez e afastamento por doença no país.

Isso ocorre, principalmente, porque são quadros que podem causar dores profundas e crônicas a longo prazo e, portanto, comprometem e muito a capacidade da pessoa em manter-se ativa e gerar qualidade de vida a longo prazo.

Por isso, para comemorar esse dia e auxiliar você que pode, hoje, sofrer essas dores crônicas e não saber como proceder, vamos trazer mais informações sobre a doença e, também, apontar como a Cannabis Medicinal pode ser uma aliada interessante para aliviar seus desconfortos e auxiliar no tratamento do quadro. Boa leitura!

O que é o reumatismo

Diferentemente do que o senso comum imagina, o reumatismo em si não é uma doença única. O termo caracteriza um conjunto com mais de 200 doenças que causam problemas que afetam as cartilagens, articulações, tendões, músculos e ligamentos.

A maior parte afeta pessoas acima de 60 anos, contudo, em alguns casos, pode começar a surgir, justamente, em pessoas mais jovens. E uma das suas principais características é causar dores que podem prejudicar a qualidade de vida do paciente. A longo prazo pode, até mesmo, tornar-se insuportável.

Além disso, as doenças reumatoides causam, também, danos para outros órgãos internos, como coração e rins. Muitas vezes isso ocorre, justamente, porque as causas são questões autoimunes, ou seja, quando o organismo passa a atacar a si mesmo e isso traz uma série de consequências, entre elas, quadros reumatoides.

Causas e sintomas do reumatismo

Muitos dos quadros de reumatismo, na verdade, não possuem causas conhecidas, de forma que a ciência ainda tem se debruçado consideravelmente, com diversas pesquisas da área médica, visando encontrar respostas para essas questões.

Contudo, em alguns casos, há causas que podem ser identificadas por meio de exames e por meio da anamnese. Além disso, algumas infecções podem ser responsáveis pelo desenvolvimento do quadro. Veja a seguir algumas das principais razões para o surgimento dessas patologias:

  • infecções virais e bacterianas;
  • fatores genéticos;
  • enrijecimento progressivo das articulações;
  • causas autoimunes;
  • predisposição do biotipo da pessoa (por exemplo, mulheres tem maior predisposição para uma osteoartrose específica, a condropatia patelar, devido ao ângulo Q, mais proeminente nelas);
  • tabagismo, entre outros.

Um dos principais sintomas dos quadros de reumatismo é, principalmente, dor nas articulações. E, por isso, ela pode ser confundida com outras situações que também causam esse mesmo tipo de sinal. Por exemplo, uma pessoa que faz musculação e pega um pouco mais pesado em um treino pode achar que a dor de uma osteoartrose foi, na verdade, uma sobrecarga que causou uma lesão.

Até que a pessoa consiga realizar os exames e identificar o quadro, ela pode ter potencializado a lesão (ou seja, o desgaste na cartilagem), o que potencializa a sua dor a longo prazo. As dores sentidas são muito semelhantes e, portanto, é difícil que o paciente identifique que há algo diferente naquele momento.

Outros sintomas característicos do reumatismo são:

  • a dor gerada é persistente (dura mais de 6 semanas);
  • vermelhidão na região;
  • inchaço;
  • a pessoa consegue sentir cistos próximos às articulações, causadas por derrames articulares;
  • dores ao esticar as articulações;
  • retração nas articulações;
  • rigidez muscular;
  • dificuldade de realizar alguns movimentos (por exemplo, esticar os dedos), entre outros.

Como os sintomas também podem ser confundidos com outros quadros e, ao mesmo tempo, há dificuldades para encontrar as causas de muitas das doenças caracterizadas como reumatismo, são diagnósticos difíceis que, muitas vezes, passam pela exclusão da presença de outras patologias.

Principais doenças reumatoides

O reumatismo, como falamos anteriormente, trata-se de um conjunto de doenças que podem afetar a população. Por isso é importante saber quais são as principais doenças reumatoides. Vamos mostrar as principais delas a seguir.

Arterite de Takayasu

É uma doença que provoca uma inflamação dos vasos sanguíneos, sem causa específica, e que pode afetar de forma crônica a aorta, considerada a maior do corpo humano.

Artrite Idiopática Juvenil

Inflamação que afeta de forma crônica as articulações de pessoas jovens, sem causa aparente, e que pode afetar também outros órgãos, como pele, olhos e coração.

Artrite Psoriásica

É uma artrite derivada de quadros nos quais a pessoa já tenha sido diagnosticada anteriormente com psoríase. Essa doença, em contrapartida, é caracterizada por lesões avermelhadas, que geram escamas e que afetam regiões, justamente, próximas à articulações, como joelhos e cotovelos. Em muitos casos, a artrite surge antes dos sintomas da psoríase.

Artrite Reumatoide

É uma doença inflamatória que afeta os pacientes de forma crônica e pode trazer dores em diversas articulações do corpo. Suas causas ainda não são conhecidas e normalmente começa entre os 30 e 40 anos.

Doença de Behçet

Essa é uma doença que pode acontecer, principalmente, com o surgimento de aftas de forma recorrente e, também, traz também outros sintomas, tais como:

  • úlceras genitais;
  • problemas neurológicos;
  • inflamações nos olhos;
  • lesões na pele;
  • trombose venosa, entre outras.

Esclerodermia

Nessa doença reumatoide, há o endurecimento da pele, diminuindo sua elasticidade. Contudo, não limita-se apenas a pele, mas há, também, endurecimento dos tecidos dos órgãos internos. Isso gera, também, comprometimentos de pequenos vasos e formação de anticorpos e não possui causa conhecida.

Febre Reumática

É uma doença inflamatória que afeta não só as articulações, mas também outros órgãos, como coração e, até mesmo, cérebro. Possui incidência, principalmente, em crianças entre 5 a 15 anos e é causada por uma bactéria conhecida como estreptococo.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma doença que provoca dores musculares generalizadas, de forma crônica, que podem causar danos severos à qualidade de vida da pessoa. Ela não possui causa específica. Além disso, possui outras sintomas, tais como:

  • alterações de sono;
  • cansaço;
  • problemas de humor;
  • alterações de concentração e memória.

Gota

Essa é uma doença reumatoide relativamente comum, que afeta as articulações e ocorre quando há um aumento considerável nas taxas de ácido úrico acima das recomendadas para o organismo. Alguns dos seus sintomas são:

  • dor e inchaço nas articulações que ocorrem, principalmente, de madrugada;
  • formação de cálculos renais;
  • formação de cristais debaixo da pele.

Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES)

Também conhecida apenas como Lúpus, o LES é uma doença autoimune reumatoide que evolui de forma lenta e progressiva e que possui ciclos de avanço e remissão. Ele pode se manifestar com os seguintes sintomas:

  • manchas avermelhadas na pele;
  • febre;
  • emagrecimento súbito;
  • perda de apetite;
  • fraqueza;
  • desânimo;
  • manchas na pele;
  • inflamação da pleura;
  • hipertensão, entre outros.

Osteoartrite

Também conhecida como artrose, é uma doença na qual há um desgaste da cartilagem presente nas articulações e que geram, portanto, alterações ósseas. Uma das mais comuns são os osteófitos, que são popularmente conhecidos como “bicos de papagaio”. E é uma das doenças caracterizadas como reumatismo mais comuns, equivalendo entre 30% a 40% dos casos diagnosticados nas clínicas de reumatologia.

Reumatismo de partes moles

São casos nos quais o quadro de reumatismo ocorre nas partes moles ou na região extra-articular, ou seja, há a inflamação de outras estruturas que oferecem apoio para as articulações. Estão entre elas:

  • músculos;
  • ligamentos;
  • bursas;
  • ênteses;
  • tendões.

Assim, casos de tendinite, bursites e dores miofasciais que alcançam um quadro crônico, estabelece-se o quadro reumatoide.

Síndrome de Sjögren

Trata-se de uma doença autoimune que provoca, entre os sintomas, uma maior secura ocular e bucal. Ocorre pela presença de auto-anticorpos ou, então, em casos de inflamação glandular, causando esses sintomas.

Principais tratamentos convencionais para o reumatismo

Outro ponto importante é identificar, também, quais são os principais tratamentos convencionais que são aplicados para os diferentes quadros de reumatismo. Claro que aqueles que tenham causas bem definidas, teremos tratamentos específicos. Por exemplo, voltemos ao exemplo da condropatia patelar. Como há um desgaste acentuado da cartilagem da patela, é possível realizar tratamentos focados em trazer maior conforto, como aplicação de ácido hialurônico ou intervenções cirúrgicas na região.

Mas algumas medicações costumam ser indicadas com maior recorrência para minimizar as dores existentes e aliviar, também, as inflamações que potencializam o quadro. Alguns dos tratamentos mais recorrentes e convencionais são:

  • anti-inflamatórios;
  • corticoides;
  • imunossupressores;
  • analgésicos;
  • opióides, entre outros.

Contudo, muitos deles não conseguem aliviar boa parte das dores existentes, o que pode prejudicar muito a qualidade de vida da pessoa. Além disso, algumas medicações podem perder eficácia ao longo do tempo e, assim, parar de amenizar as dores reumatoides, bem como podem causar diversos efeitos colaterais a longo prazo.

Os benefícios no uso da Cannabis Medicinal para o tratamento de reumatismo

Mas afinal, como ter melhor qualidade de vida sem perder eficácia no tratamento e minimizar efeitos colaterais? As pesquisas no uso de Cannabis Medicinal apontam benefícios consideráveis no tratamento do reumatismo.

Precisamos ressaltar, novamente, um dos pontos que estão mais ligados com as diferentes doenças ligadas a esse quadro é uma dor crônica e inflamações na região, e a tendência é que ambas se intensifiquem ao longo do tempo.

As pesquisas científicas apontam que os canabinóides possuem efeitos anti-inflamatórios e analgésicos e, portanto, podem atuar nos dois pontos mais complexos dessas patologias que, principalmente, comprometem a qualidade de vida do paciente. E com menos riscos de gerar esse efeito de perda de eficácia por aumento de tolerância, algo, comum, principalmente, em opióides, que exigem o aumento de dose periodicamente.

Além disso, o CDB possui uma ação de redução de resposta imune contra o próprio corpo, o que pode ser um auxílio para os quadros como Lúpus, sem prejudicar o funcionamento do organismo para combater as doenças de fato.

Outra vantagem no tratamento com canabinoides nos casos de reumatismo é que as substâncias permitem, também, uma melhor modulação do humor, por meio de benefícios trazidos para:

  • melhor qualidade do sono;
  • aumento de apetite (que costuma reduzir nos casos de dores crônicas);
  • melhora do humor;
  • redução das chances de desenvolvimento de doenças de saúde mental (como ansiedade, depressão e pânico) causadas pela intensidade das dores crônicas.

Como conseguir realizar o tratamento para reumatismo com Cannabis Medicinal

A Cannabis Medicinal tem, portanto, possibilidades interessantes para trazer melhor qualidade de vida para o paciente com reumatismo, principalmente aqueles que já enfrentam resistência com os medicamentos alopáticos existentes ou, então, que enfrentem impossibilidade de utilizá-los (por exemplo, quem não pode fazer consumo de corticoides, em virtude de outras patologias). Mas afinal, quem deseja avaliar se pode fazer o tratamento com ela, deve proceder como?

Para auxiliar você, mostraremos a seguir um passo a passo para isso. Vamos juntos?

  • agende uma consulta com um médico que faça a prescrição de Cannabis Medicinal para casos de reumatismo. Para encontrar um que possa atendê-lo sobre essas questões, confira em nosso site;
  • na consulta, você conversará com o profissional de saúde e que vai analisar o seu quadro, quais as patologias reumatoides presentes e ver como o tratamento com Cannabis Medicinal pode ser realizado;
  • com a prescrição e o auxílio e orientação do médico de confiança, você deverá entrar em contato com a Anvisa para a importação da medicação.

O reumatismo é um conjunto de doenças que, a longo prazo, podem afetar consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes. As dores podem elevar-se bastante ao longo do tempo e as principais medicações utilizadas podem parar de fazer efeito a longo prazo. Por isso, a Cannabis Medicinal pode ser uma opção interessante para melhorar a qualidade de vida da pessoa.

E se você quer agendar sua consulta com um médico que prescreva Cannabis Medicinal, entre em nosso site! Vamos ajudá-lo nisso.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email