Por que os remédios de Cannabis custam tão caro no Brasil?

Medicamentos poderiam custar até um quarto do preço, se a indústria farmacêutica importasse os insumos e formulasse os produtos aqui

“Daria para vender o produto a um quarto do valor, sem muita dificuldade com boa margem de lucro. Mas ninguém está prestando muita atenção”, afirma Lorenzo Rolim, engenheiro agrônomo e presidente da Associação Latino Americana de Cânhamo Industrial.

Na prática, em vez de pagar quase R$ 2500 pelo remédio de canabidiol à venda nas farmácias, seria possível pagar em torno de R$ 500. Mesmo com o dólar nas alturas.

Leia também: Primeiro canabidiol brasileiro autorizado pela Anvisa custa R$ R$ 2.143

Não há mágica. O que as farmacêuticas poderiam fazer é trabalhar na elaboração do produto – em vez de comprá-los quase pronto. “No mercado internacional, você consegue pagar US$ 1 na grama do CBD. Com os impostos, ficaria US$ 3 ou US$ 4 por grama”, conta Rolim.

Por que escolher o produto mais caro? “Porque é chato atender às normas da Anvisa”, diz o engenheiro agrônomo. “É mais fácil pedir para o distribuidor enviar o produto pronto e só embalar. E aí a grama sobe para US$ 22. Falta abaixar a cabeça e trabalhar na formulação do produto aqui. Levaria de 6 a 8 meses para chegar às farmácias, mas precisamos fazer essa rota”, conclui.

A papelada exigida pela Anvisa vale para qualquer remédio fabricado aqui. Isso significa que seria necessário obter certificados de segurança e qualidade, realizar testes em laboratórios independentes, e produzir documentos sobre a metodologia desses testes.

Faltam profissionais

Não é só um problema da indústria. O mercado de Cannabis no Brasil ainda é recente – a Anvisa só publicou a regulamentação no fim do ano passado. Enquanto isso, no Canadá, a Cannabis medicinal tem quase duas décadas de história e legalidade.

Justamente por isso, as universidades ainda não oferecem cursos voltadas para o mercado de Cannabis – em nenhuma das áreas. Há algumas poucas exceções, como a Universidade Federal da Paraíba, que tem uma disciplina sobre os benefícios e a história da Cannabis medicinal, sistema endocanabinoide e regulamentação e voltada para os profissionais da saúde

Leia também: Sistema endocanabinoide: o que é e como funciona

Rolim só mergulhou no mundo da Cannabis na Califórnia, 6 anos atrás. “Nunca tive aula sobre Cannabis na minha graduação”, conta. E isso reflete no desenvolvimento do mercado nacional. “Quando a gente a hora de montar a equipe, você não encontra profissionais com experiência. Precisa explicar o básico, como THC e CBD. E é um mercado com ótima oportunidade econômica.”

Só para se ter ideia, nos Estados Unidos, a preocupação é ver como manter os cursos de Cannabis em meio à pandemia, por conta da crescente demanda por profissionais. Recentemente, quatro universidades fecharam acordos com uma escola especializada em formação canábica para disponibilizar aulas virtuais.

Outra coisa não há dúvida: se a legislação permitisse o cultivo da planta em terras nacionais, os custos cairiam ainda mais. “O Brasil é um dos países mais atrasados da América Latina. Tentei diversas vezes trazer o Ministério da Agricultura para o debate sobre a indústria da Cannabis e eles sempre disseram que esse tema cabia à Anvisa”, relata Rolim.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar para você realizar uma consulta.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email