Cannabis trata depressão e indiretamente ajuda no diagnóstico de autismo

Aos 50 anos, Bárbara Gael foi diagnosticada com autismo leve. "Foi um dos presentes que a Cannabis me trouxe", diz, depois de 40 anos de depressão finalmente controlada e um diagnóstico auxiliado de forma indireta pelo tratamento com o óleo.
tratamento-depressao-cannabis-medicinal-casos

A tradutora, pesquisadora e acolhedora canábica Bárbara Gael sofre com ansiedade, depressão e síndrome de pânico desde a adolescência. As crises incluíam pensamentos suicidas, falta de apetite e muita tristeza.  Tentava tratamentos alternativos: mais crises. Emagreceu quatro quilos e chorava o dia todo.

Aos 28 anos, começou a tomar antidepressivos: mais crises. Não tinha energia para nada, se encolhia num canto.

canhamo industrial brasil onde encontrar medico para prescricao

Agende uma consulta com médicos especialistas em Cannabis Medicinal.

O sistema de agendamento de consultas foi criado com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você à profissionais sérios e habilitados para lidar com as mais diversas patologias nas quais o tratamento com CBD é recomendado

Em torno dos 30 anos, percebeu pela primeira vez que quando fumava maconha a ansiedade diminuía. Mas em 2000 o pouco que se falava em Cannabis medicinal era para pacientes de quimioterapia. E Gael, com 35 anos, precisou chamar a mãe para ajudá-la a sair de uma crise de pânico: não conseguia sair do quarto.

Nos últimos 10 anos, passou a tomar doses altas de antidepressivos e ansiolíticos, que nunca resolviam, somente amenizavam o problema, controlando mais o pânico do que a depressão em si. Os efeitos colaterais também cobravam seu preço: enjoô, sonolência, menos apetite. Gael conta que descobriu que o aumento de dose causava mais efeitos colaterais. Se parasse os remédios e precisasse voltar, as reações adversas também voltavam com toda a força. Por isso, resignou-se a manter os remédios por mais de dez anos seguidos. 

Cannabis certa

Em julho de 2019, depois de um bom tempo estudando o tratamento com Cannabis, e por indicação da psicanalista, Gael conseguiu chegar à médica prescritora Paula Dall’Stella. Ficou impressionada com a atenção e empatia da médica: a consulta inicial durou mais de uma hora, e Dall’Stella orientou não só sobre o tratamento, mas também quanto à dieta e hábitos de vida.

Reduziu carboidratos e aumentou proteínas da dieta ovolactovegetariana de sua paciente. O óleo com CBD alto e 0,8% de THC fez efeito em 20 dias com uma leve melhora.  Em dois meses, a disposição era maior, com menos ansiedade e tristeza. No retorno, Dall’Stella adicionou um óleo com mais THC. 

“Aí sim a depressão foi aos poucos controlada. Eu, que sempre tive tendência à tristeza, de repente tendia à alegria, sem mania ou euforia, como às vezes acontece com remédios tarja preta”, diz Gael. Mais capaz de enxergar as pequenas felicidades, voltou a sentir prazer nas coisas.

Tinha mais foco, memória, clareza nos pensamentos e menos irritação. Quando entrou na menopausa ou quando veio a quarentena, Gael não perdeu esse controle do humor. O quadro que já tinha sido controlado cinco meses antes da pandemia chegar, continuou equilibrado: “O tratamento chegou na hora certa”. Os calores da menopausa vêm mas são suportáveis, duram dois minutos e passam. As angústias da pandemia são contornáveis. 

A descoberta do autismo

O sucesso do tratamento estimulou uma dúvida que Gael tinha havia anos. Seu diagnóstico era de transtorno de ansiedade generalizada e depressão, mas ela desconfiava ser autista leve, asperger. Psicólogos diziam que não, pois ela tinha empatia e capacidade de comunicação. Mas sabendo como o tratamento com Cannabis funciona para a maioria dos autistas e vendo o que ele tinha feito por ela, a dúvida cresceu.

No grupo de acolhimento e informação sobre o tratamento que formou, Gael tinha se aproximado de mães de autistas. Com elas, aprendeu sobre a amplitude do espectro e foi desfazendo mitos como o da empatia: alguns autistas têm empatia demais. Que nem sempre o autista é aquela criança que fica girando. 

Entendeu que há vários espectros do autismo e que o nível leve muitas vezes não é diagnosticado: eles conseguem aprender a disfarçar suas características. Os autistas leves apresentam sintomas que podem passar despercebidos, mas juntos, ajudam no diagnóstico. Ela mesma tinha vários: dificuldades de interação social, um sentimento de inadequação, hipersensibilidades sensoriais como a luz, cheiros, frio – quando o tempo vira, Gael sente antes mesmo de abrir a janela. 

Presente inesperado

Em busca da libertação do diagnóstico, ela fez o processo com uma neuropsicóloga e confirmou que tem autismo leve. Aos 50 anos, sentiu autoaceitação e uma melhor compreensão de suas características, e com isso ferramentas para mais qualidade de vida. “Esse foi um dos presentes inesperados que o tratamento com Cannabis me trouxe”, diz. Foi só aí que entendeu por que tinha uma inteligência acima da média mas não conseguia evoluir mais. 

Este foi outro mito desfeito, o de que autistas são bons em matemática: ela não é tão boa com números. Existem três tipos de mente autista: a visual, a analítica e a verbal, esta última a da bacharel em letras e mestre em literatura brasileira Bárbara Gael. Lembrou que alguns de seus comportamentos de infância eram rejeitados. Ela era repreendida por inadequação e imitava o outro, mais aceito. Entendeu o motivo de sua infância ser um buraco vazio, do qual não se lembrava, cresceu se disfarçando. “O que fiz para me adaptar me levou à depressão”, diz Gael, que chorou ao ler o diagnóstico.

>>> Procurando por um médico prescritor de Cannabis medicinal? Temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email