Sidarta Ribeiro: “Vamos tremer de vergonha por proibir a maconha medicinal por tanto tempo”

Nesta quarta, a Câmara promoveu uma comissão geral no plenário com 40 convidados para debater o PL 399, que legaliza a Cannabis para fins medicinais e industriais no Brasil
Sidarta Ribeiro

Às vésperas da votação do Projeto de Lei 399/15, que legaliza o plantio de Cannabis para fins medicinais e industriais no Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) promoveu uma comissão geral no plenário com 42 convidados pelos parlamentares, dentre eles Sidarta Ribeiro.

Cada um teve 3 minutos para a fala, e o que se viu foram os favoráveis defendendo a ciência e apelando às histórias emocionantes de pacientes e as presenças contrárias desvirtuando o tema para guerra às drogas e dependência química.

Ebook: "30 patologias que podem ser tratadas com o canabidiol"

Conheça o CBD e todo seu potencial para o tratamento de 30 doenças e transtornos.

Uma das falas mais esperadas foi a do neurocientista Sidarta Ribeiro. Disse ele que “em poucos anos vamos tremer de vergonha por termos proibidos por tanto tempo a maconha medicinal. A maconha é remédio há milênios e todos os seres humanos possuem substâncias semelhantes às da planta”, se referindo ao nosso sistema endocanabinoide.

O cientista argumentou que o debate não é sobre a legalização da Cannabis medicinal, pois ela já está legalizada para as pessoas com poder aquisitivo. A discussão, no argumento de Ribeiro, é dar acesso amplo aos pacientes que mais precisam e não tem condições de pagar pelo remédio da farmácia ou importado.

Levar o debate ao plenário foi um pedido dos parlamentares opositores ao PL, embora a votação deva acontecer somente dentro da comissão especial. O parecer favorável está nas mãos do relator, Luciano Ducci (PSB-PR), que pediu mais alguns dias para algumas modificações ao projeto. Ele deve ser votado nas próximas duas semanas.

A comissão geral foi dividida em dois momentos: o primeiro foi dedicado às falas dos deputados federais favoráveis e contrários à pauta. Nessa matéria do portal Cannabis & Saúde, você poderá ler um resumo com as falas dos parlamentares.

Após quase 3h de falas dos políticos, os convidados tiveram a palavra. O primeiro depoimento foi da Dra. Carolina Nocetti, coordenadora da American Academy of Cannabinoid Medicine. A médica condenou a falta de empatia dos opositores ao plantio de Canabis para com a dor dos pacientes. Ela também reclamou que “ainda ter que ouvirmos que só o CBD serve e só para epilepsia? Cansamos. Isso já foi superado, não temos mais tempo para isso!”.

Na sequência, falou o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, Emmanuel Fortes. O médico declarou: “o CFM tem uma posição muito clara: não concordar com o plantio em território nacional”. Destacou que a Anvisa já autorizou a venda em farmácias e a importação de derivados. Cabe lembrar que, em 2019, o CFM produziu um documento chamado o decálogo da maconha, em que reconhece apenas os efeitos do CBD e apenas para epilepsia, a mesma postura que foi criticada pela Dra Nocetti na fala anterior.

As falas que se seguiram foram sempre de um representante contrário e outro favorável. Quase todas as declarações contrárias levaram o assunto para o uso adulto da maconha e o combate ao narcotráfico. A exceção foi o psiquiatra Ronaldo Ramos Laranjeiras, professor da USP e diretor da unidade de pesquisa álcool e drogas da Unifesp. O médico criticou o que chamou de partidarização do debate, que deixa a ciência de lado, mas acabou fazendo também um discurso político.

“Ninguém pode ser contra o uso compassivo de qualquer medicação. Na história da Medicina, usamos opiáceos, nicotina, álcool. Mas o que está se debatendo no PL 399 é a legalização da maconha. E não há nenhuma evidência científica favorável a essa legalização ampla que esse projeto tenta impor à próxima geração de brasileiros. Nenhuma associação médica internacional apoia esse uso amplo. A OMS não faz isso. O FDA não aprova o uso de derivados da maconha, apenas para uso refratários”.

Na verdade, em dezembro de 2020, a OMS retirou a Cannabis do Anexo IV da convenção única de narcóticos, que é uma classificação das substâncias cujo potencial terapêutico não deve ser explorado. Significa que a Organização reconhece os efeitos medicinais da Cannabis. E sobre o FDA, análogo à nossa Anvisa, o Dronabinol, o nome farmacêutico do THC, é um medicamento aprovado pelo órgão há mais de 35 anos.

Assista a comissão geral do PL 399 na íntegra

E o PL 399?

O próximo passo do PL 399 agora é a sua votação entre os membros da comissão especial criada justamente para debater o projeto. Caso 52 deputados ou mais façam um requerimento, o projeto será votado em plenário. Depois, se aprovado, segue para o Senado. Aprovado no Senado, vai a sanção presidencial. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já disse que irá vetar. Porém, os vetos podem ser derrubados pelos senadores.

 

 

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email