“Ainda me olham como se eu fosse marginal por usar Cannabis medicinal”, conta diretora do Circo Voador

A carioca Maria Juçá defende a liberação da maconha desde 1982. Mas só conheceu o uso medicinal há poucos anos, após sofrer com as dores da artrose
maria-juca-artrose-cannabis-medicinal

A jornalista e produtora cultural Maria Juçá, 71 anos, sofre com artrose nas mãos há duas décadas. Com o passar dos anos, a doença endureceu e entortou suas mãos. As dores só aumentaram e o sono piorou. “Era exponencial”, lembra Juçá. “As mãos doíam. Eu, então, dormia mal e elas doíam mais.” 

Gradualmente, perdia a firmeza das mãos. Antes de começar o tratamento com Cannabis já não tinha 40% da força. Fazia fisioterapia, tomava analgésicos, tentou estatina. Com esta última, as dores só pioraram e ela sofreu com os efeitos colaterais. Também estava tomando um medicamento manipulado de colágeno para evitar a piora das juntas. 

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

Juçá descobriu a Cannabis medicinal com o neto fotógrafo, que é ativista canábico. Eles já conversavam sobre a planta desde 2017. Ele havia aproveitado o tempo que morou no Uruguai (com legislação avançada na área) para conhecer cultivadores e fazer cursos. Em 2018, chamou Juçá: “Vó, vou ter acesso ao CBD”. Mandou um isolado de CBD com concentração 2%, produzido por um amigo cultivador e pesquisador.

Rapidamente, Juçá começou a se sentir melhor. A dor diminuiu sensivelmente, o sono melhorou. Ela diz que hoje o sono é mais profundo e direto. Antes, era leve, acordava diversas vezes durante a noite. Até os cochilos ficaram mais fáceis. Se as sete horas seguidas de sono não forem suficientes, ela tira um cochilo de meia hora.

Convertendo médicos

Quando Juçá começou a tomar o segundo vidro do óleo, o neto voltou do Uruguai. A consequência era evidente: ela precisaria de outra fonte para adquirir o CBD. Foi quando levou o remédio para seu reumatologista. Ele logo se interessou. Juçá contou então que estava dormindo e acordando melhor, se sentindo menos tensa pelo trabalho e pelas dores. Animado, o médico tradicional preferiu direcioná-la a um reumatologista mais jovem, pois achou que ele teria mais facilidade de incorporar esta nova abordagem.

Entre as consultas, o óleo acabou. As dores voltaram. Juçá ficaria meses sentindo dores até poder novamente tomar o CBD. Primeiro, precisou ter a receita em mãos, do jovem reumatologista que nunca havia prescrito Cannabis antes. Depois, precisou encontrar um fornecedor. Escolheu a Associação Brasileira de Apoio Cannabis e Esperança (ABRACE), que fica em João Pessoa, na Paraíba. Juçá mora no Rio de Janeiro, então o CBD teria que chegar pelos Correios. 

>>> Você é um médico prescritor de Cannabis medicinal? Faça seu cadastro aqui para alcançar mais pacientes! 

Enfim, chegou. Era o mesmo isolado de CBD, só que produzido na Paraíba. E agora tinha acompanhamento médico, pois passou a fazer exames para que seu novo reumatologista acompanhasse a resposta do organismo. 

Hoje, Juçá conta que está mais tranquila com relação à artrose. Antes do CBD, tinha medo de bater a mão em alguma coisa, pois a dor era insuportável. Agora até sente a dor da batida, mas a sensação reduz aos poucos até desaparecer, como qualquer pessoa sem artrose.

A memória de Juçá e a ansiedade também melhoraram. E isso era importante para o trabalho como produtora e diretora do Circo Voador. Com a pandemia, a ansiedade aumentou: precisou mudar os eventos de presenciais para online, lidar com falta de verba, ajustar as contas para não dispensar funcionários. Mas se saiu bem. Conseguiu lidar com a falta de eventos presenciais – e consequentemente de recursos – somente reduzindo os salários.

Militância no Circo Voador

Juçá esteve no projeto na época da fundação do Circo Voador, em 1982, quando o espaço já discutia a liberação da maconha. Fizeram diversos programas legalize, sempre com shows de bandas de reggae nacionais e internacionais. “Mas a minha bandeira era mais econômica e social”, diz. A ideia era devolver a oportunidade de trabalho às famílias do nordeste, sem que elas precisassem emigrar. A indústria do cânhamo poderia empregá-los e funcionar como qualquer outro plantio, como cacau e café.

Mais recentemente, Juçá mergulhou na questão medicinal e o Circo Voador já realizou palestras livres falando dos efeitos, uso, diversidade e saúde. Entre os palestrantes, estavam delegados, pesquisadores e neurocientistas. Segundo Juçá, o Circo Voador costuma receber pedidos de realização de eventos deste tipo, numa rede de parcerias. “Hoje sinto que a Cannabis medicinal tem mais aderência do que em tempos passados”, completa.

Desconhecimento e sofrimento

Ela se lembra do caso do músico Marcelo Yuka, em torno de 2015. Paraplégico depois de ser alvejado num assalto, um dos fundadores do grupo O Rappa sentia muitas dores e contou a Juçá que pediu que o médico receitasse Cannabis. O apelo tinha fundamento: quando ele fumava um baseado, tinha três horas de alívio das dores. Só que o médico relutava, e na época era praticamente impossível conseguir o medicamento. Juçá conta que ela mesma questionou o médico, e a resposta foi que ele não receitava porque não conhecia nada a respeito. Ele ainda completou a Yuka, que também não adiantava muito, afinal eram apenas três horas de alívio. Ao que ele respondeu: “O senhor já pensou o que são três horas de alívio para quem sente dor o tempo todo?”.

Preconceito X militância

Juçá relata que, apesar dos avanços da Cannabis medicinal, ainda percebe muito preconceito. Há pessoas que não acreditam, ou dizem que não tem comprovação, que é coisa de maconheiro. “É um descrédito moral”, diz. Acredita que a idade é um agravante nas reações negativas. “Quem autorizou você a usar?” questionam, como “se uma senhora de idade estivesse agindo como uma marginal, uma fora da lei”.

Ela entende que as gerações mais novas vêm com um olhar diferente, e que a militância tem feito seu papel para avançar na flexibilização das leis sobre a Cannabis. 

Saúde com menos remédios

Juçá nunca gostou de tomar remédio alopático. Ela continua a consultar com o antigo reumatologista que acaba fazendo as vezes de clínico geral para ela. Divertida, ela relata que ele receita remédios e ela se recusa a tomar. Prefere se ater à acupuntura, ao manipulado de colágeno, à reposição hormonal pós-menopausa e seu óleo. Como ela já gostava de hábitos saudáveis como prática de pilates, boa alimentação com pouco açúcar e gordura, Juçá acredita que a Cannabis é tudo o que ela precisa para manter uma boa saúde. 

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email