O neurocirurgião que rejeitava o canabidiol

Pedro Pierro descobriu os benefícios da Cannabis graças à insistência dos pais de uma criança com epilepsia. Hoje, é um dos principais prescritores de CBD no país
Divulgação

Quando o pedido foi feito, o paulista Pedro Pierro recusou imediatamente. A paciente era uma criança de quatro anos na UTI e os pais queriam que ele levasse canabidiol para dentro do hospital e a medicasse. Para fazê-los recuar, respondeu que podiam perder a guarda da filha. Bastava que alguém os denunciasse ao Conselho Tutelar. Afinal, pensou, estavam “dando droga para uma criança”. Isso foi em 2014. Hoje, o médico, especialista em Neurocirurgia pela Santa Casa de Misericórdia de Ribeirão Preto, é um dos principais prescritores de canabidiol do Brasil. 

A criança da história sofria de epilepsia refratária e estava internada após um surto de pneumonia e crises convulsivas. Depois que saiu da UTI, Pierro foi visitá-la no quarto e descobriu que tinha melhorado. Os pais se aproveitaram da privacidade do quarto para aplicar o óleo de canabidiol. As crises rapidamente regrediram. 

Leia também: Cannabis e epilepsia: o que a ciência já sabe sobre o tratamento?

A história marcou Pierro, que começou a procurar informação sobre o CBD. Não havia em lugar nenhum, menos ainda do que hoje. As associações médicas não davam muita atenção para o assunto e havia menos associações e grupos especializados. “Bati cabeça durante um ano”, conta Pierro. Só foi descobrir o caminho fora do Brasil, quando compareceu a um evento especializado, o Cannatech Congress, em Tel-Aviv, Israel. De lá, visitou a Universidade Hebraica de Jerusalém. Eles também não tinham cursos, mas Pierro encontrou muita gente que podia esclarecer suas dúvidas. 

O cenário Brasil

De volta ao Brasil, seguiu estudando, agora com foco e rumo. Mais um ano, em 2018, e já era um dos principais prescritores brasileiros. Foi quando resolveu ajudar a corrigir o problema da comunidade médica. Se não havia fonte de informação, Pierro criaria uma. Com alguns amigos que conhecera em Israel, fundou o Sechat, um site de notícias dedicado à maconha medicinal e aos negócios da Cannabis. Com outros amigos, fundou o Centro de Excelência Canabinoide (CEC) e ainda The Green Hub, primeira aceleradora de Cannabis Medicinal do Brasil. O médico que era “visceralmente”, como ele diz, contra qualquer medicamento relacionado à Cannabis, se torna um de seus maiores divulgadores. 

Enquanto isso, uma virada ocorria no Brasil. Naquele ano de 2018, a opinião pública se transformava. “Em grande parte, por conta da mídia”, explica Pierro. De acordo com ele, também foi importante o incentivo de mães buscando uma terapia disruptiva para os filhos. 

Foi uma mudança que já vinha sendo construída, mas longamente esperada. O primeiro estudo para epilepsia no mundo utillizando Cannabis foi feito no Brasil nos anos 1980. Mas por décadas o tema foi quase ignorado pela sociedade.

Hoje, como Pierro, a comunidade médica passou da negação total para a busca ostensiva. A nova perspectiva se fez sentir nos pacientes que chegavam ao consultório de Pierro e no CEC. “No começo, a gente tinha que convencer a pessoa de que era uma opção terapêutica”, diz Pierro. Era um trabalho de convencimento. “Hoje me procuram pensando na prescrição. Muitas vezes tenho que convencê-las que a melhor indicação não é produto à base de Cannabis”.  No fim, o que importa é o melhor medicamento para o paciente. 

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.
Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email