“Farmacêutico clínico é o suporte ideal ao médico prescritor de Cannabis”, diz redatora técnica do PL 399

Margarete Akemi Kishi foi diretora do Conselho Regional de Farmácia em São Paulo e participará da segunda edição do Medical Cannabis Summit
Margarete-Akemi-Kishi

Redatora técnica do PL399/2015, a farmacêutica Margarete Akemi Kishi acompanha o mercado de Cannabis medicinal desde 2016. Uma empresa que já fazia importação de produtos à base da planta a procurou para que ela desse um parecer técnico sobre os produtos. Ela se surpreendeu ao saber que a empresa não tinha um farmacêutico responsável e decidiu se aprofundar no assunto. “Não é porque é uma planta que não tem problema”, alerta.

Kishi foi ao Conselho Federal de Farmácia, do qual é membro há 26 anos, na época fazendo parte do conselho de fitoterapia. Como não havia nenhuma ação direcionada à Cannabis, foi convidada a começar, aproveitando sua especialidade. Lá, montou dois eventos abertos sobre Cannabis, inclusive com a participação de Elisaldo Carlini e de representantes da Anvisa.

30 patologias

Ebook: "30 patologias que podem ser tratadas com o canabidiol"

Conheça o CBD e todo seu potencial para o tratamento de 30 doenças e transtornos.

Na Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde dá aulas de Homeopatia, Tecnologia de Fitoterápicos, Biossegurança e Farmacologia Clínica de Fitoterápicos, realizou outros dois eventos. E ainda coordena um grupo de trabalho sobre Cannabis com pesquisa, ensino e regulamentação. “Alguém tinha que cuidar desse negócio”, ela comenta. 

Por conta da especialização em homeopatia na Universidade de São Paulo (USP), a paulistana já conhecia a Cannabis. Kishi conta que a planta é usada na homeopatia desde a criação da especialidade em 1800. Na fitoterapia, outra especialidade dela, a Cannabis também era usada na forma de chás com função cicatrizante. Tanto uma quanto a outra tiveram que retirar a planta de suas práticas depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas (ONU) incluíram a Cannabis na lista de entorpecentes. 

Ação e aplicação da Cannabis

Kishi explica o funcionamento da Cannabis no corpo humano pela homeostase ou equilíbrio das funções do organismo. O sistema endocanabinoide, com substâncias endógenas como a anandamida, o 2AG entre outras, tem a missão de manter esse balanço saudável. Quando o corpo adoece ou envelhece, naturalmente, esse equilíbrio sofre mudanças negativas. É o mesmo que acontece em doenças crônicas. É a partir daí que Kishi recomenda a complementação de canabinoides.

Para ela, que baseia sua prática em pesquisas científicas, a Cannabis segue com o protocolo de última escolha, não devendo ser usado como preventivo. “Há outras formas para prevenção, a Cannabis não é panaceia”. Ela lembra da moda da planta medicinal confrei nos anos 70, que começou a ser consumido de forma desenfreada, o que gerou intoxicações e sequelas drásticas porque pode ser tóxico ao fígado. 

Seguindo a literatura científica à risca, Kishi indica a Cannabis medicinal de acordo com a comprovação da eficácia:

  • Totalmente comprovados: convulsões intratáveis como as presentes em epilepsia, Síndrome de Lennox-Gastaut e Dravet, espasticidade causada por esclerose, náuseas e vômitos decorrentes de quimioterapia, dor crônica em adultos.
  • Comprovação moderada: fibromialgia;
  • Poucos estudos clínicos: Parkinson, Síndrome de Tourette, demência, esquizofrenia.

Importância do farmacêutico

Kishi considera o papel do farmacêutico fundamental quando o assunto é Cannabis. Segundo a RDC 327 da Anvisa, a dispensação do medicamento só pode ser feita por profissionais farmacêuticos. Como parte dos Conselhos Federal e Regional (de São Paulo) de Farmácia, Kishi publicou uma resolução para pautar a atuação do farmacêutico: orientar, verificar a interação medicamentosa, possíveis efeitos colaterais. Um exemplo é a Cannabis via inalatória, que pode trazer tontura, sonolência, fadiga, náuseas e até alucinações. 

Segundo ela, as interações medicamentosas precisam ser explicadas pelo farmacêutico e entendidas pelo paciente. A Cannabis pode interagir com alimentos e produtos consumidos e gerar uma reação inadequada. Ela admite que tudo é novo quando se fala de Cannabis. Por atuar no sistema nervoso, ela pode reduzir ou aumentar o efeito de medicamentos, e alguns alimentos podem reduzir ou aumentar o efeito da Cannabis.

Quando o paciente chega na farmácia com a receita – notificação B para menos de 0,2% de THC ou notificação A para mais de 0,3% de THC, o farmacêutico vende, orienta, explica cuidados ao tomar e as reações adversas que o paciente pode esperar. 

O pulo do gato

Especificamente sobre posologia, ela afirma que “é o pulo do gato do médico”, porque precisa ser equalizada e individualizada no caso da Cannabis. É uma forma nova e específica que demanda muito entendimento. “Nisso o farmacêutico pode ajudar muito”, ela diz. O profissional entende as interações, as especificidades do paciente, os efeitos das substâncias presentes nos medicamentos.

O ideal, segundo ela, era que a formação fosse de Farmacêutico Clínico, que tem conhecimento de qualquer outro medicamento e com isso pode acompanhar com mais assertividade o andamento do paciente. Segundo Kishi, o Farmacêutico Clínico é o suporte ideal ao médico prescritor.

>>> Você é um médico prescritor de Cannabis medicinal? Faça seu cadastro aqui para alcançar mais pacientes! 

Informação e pesquisa

Kishi é bastante participativa na comunidade de Cannabis, tanto como representante dos Conselhos de Farmácia quanto no Mackenzie. Mantém contato com empresas da área, algumas associações, legisladores e pesquisa. Em fevereiro, ela ministrará um curso de extensão de 20 horas em Cannabis. Planeja o site do Conselho Federal de Farmácia para falar com farmacêuticos e imprensa, com informações sobre o mercado de Cannabis, para divulgação de pesquisas. “O que mais precisamos hoje é de pesquisa”, ela diz, animada com as que ela mesma desenha e pretende começar em breve: uma de atendimento clínico ao paciente, outra sobre fibromialgia, artrite e artrose com tratamentos tópicos com atuação anti-inflamatória.

Kishi acredita que o Medical Cannabis Summit é um evento muito importante por trazer informação de qualidade. “A Cannabis é o fashion week da indústria farmacêutica e tem muita gente falando bobagem”. Ela assistiu à primeira edição e está feliz por poder participar da segunda.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email