CBD se mostrou eficiente no tratamento de glioblastoma em modelos animais

cbg-tratamento-cancer

As propriedades anti-inflamatórias do canabidiol foram eficazes em reduzir o microambiente favorável para o desenvolvimento do câncer

O glioblastoma é um tipo agressivo de câncer que pode ocorrer no cérebro ou na medula espinhal. A doença se forma a partir de células chamadas astrócitos, que sustentam as células nervosas, e pode causar agravamento das dores de cabeça, náuseas, vômitos e convulsões. Considerado de difícil tratamento e, em muitas vezes, sem possibilidade de cura.

Algumas pesquisas já sugeriram os benefícios da Cannabis medicinal no tratamento deste tipo de câncer.

Agora, pesquisadores da Universidade Augusta, na Geórgia (EUA), deram mais um passo para que os canabinoides possam ajudar cada vez mais pacientes com a doença, ao conduzir o primeiro estudo utilizando modelos animais.

Como foi o estudo

Usando células de glioblastoma modificadas de humanos, eles criaram o que é chamado de modelo de glioblastoma ortotópico, para fornecer o modelo mais realista possível para o tumor cerebral maligno mais comum e letal.

No oitavo dia, o tumor agressivo foi estabelecido no cérebro dos camundongos, e no dia 9 eles começaram a dar doses diárias de CBD inalado ou um placebo que continuou por sete dias. Eles então olharam novamente para uma imagem do tumor e diretamente para o tecido tumoral.

Cannabis no tratamento do câncer

Embora a abordagem seja provavelmente facilmente aplicável a humanos, neste momento eles estão olhando principalmente para a resposta biológica do tumor ao CBD, diz o Dr. Martin Rutkowski, neurocirurgião cuja especialidade inclui operar pacientes que tendem a se apresentar após uma convulsão ou perda súbita de consciência ou início mais lento de déficits neurológicos, como braço fraco, visão ou problemas cognitivos.

“É provavelmente um dos períodos de câncer mais agressivos. Precisamos desesperadamente de pesquisas e mais tratamentos ”, diz o neurocirurgião e coautor do estudo. “O que temos agora não está funcionando muito bem.”

“Os familiares trazem os pacientes e dizem que eles simplesmente não estão pensando direito, que a memória deles está desordenada ou que foram demitidos do emprego porque não estão mais fazendo as coisas certas que vêm fazendo há 30 anos”, Rutkowski diz.

O tratamento de hoje inclui cirurgia, seguida de quimioterapia e radioterapia. “A cirurgia não oferece uma cura, mas oferece um primeiro passo importante para maximizar a qualidade de vida e o prognóstico”, diz Rutkowski, observando que há uma relação clara entre a quantidade de tumor que pode ser removido cirurgicamente e o tempo de sobrevivência.

Papel da Cannabis no equilíbrio do organismo

Eles descobriram que o CBD parece adequado para alterar o ecossistema do tumor, ou microambiente tumoral de suporte, incluindo a restauração dos níveis de inflamação que visam ao invés de proteger o glioblastoma, o que poderia torná-lo uma terapia adjuvante segura, eficaz e inovadora para esses pacientes. “É uma questão de equilíbrio imunológico”, diz Baban, autor correspondente. 

A inflamação é intensificada em resposta a um ataque de linha de frente a um tumor, que é uma resposta normal; na verdade, nosso sistema imunológico está regularmente atacando células cancerosas ou pré-cancerosas. Mas quando um tumor consegue se estabelecer, o tumor assume o comando, passando a produzir um estado de inflamação mais crônica que, em última instância, o protege do sistema imunológico.

O microambiente tumoral estabelecido pelas células cancerosas inclui coisas como células imunológicas, bem como vasos sanguíneos e fatores de crescimento para permitir um maior crescimento dos vasos sanguíneos, que é a chave para o crescimento e sobrevivência do tumor, permitindo que ele prospere onde começa e se espalhe.

Para um glioblastoma, o microambiente tumoral demonstrou ter atividade aumentada dos pontos de controle imunológicos naturais, que como o nome indica, ajuda a prevenir uma resposta imunológica excessivamente zelosa que pode prejudicar o corpo, como o que acontece em doenças autoimunes como a artrite reumatóide. Mas, neste caso, o amortecimento significa proteger o tumor. Também há uma presença notavelmente pequena de células T citotóxicas, que são particularmente hábeis em colocar um tumor ou outro invasor na mira.

Benefícios do CBD

O CBD foi capaz de melhorar a mistura imunológica contra o tumor, incluindo a redução da cooptação de células gliais pelo tumor – um tipo de célula do cérebro que normalmente protege os neurônios, incluindo a produção de inflamação para combater invasores – para se tornar um componente principal do tumor, agora chamado de glioblastoma macrófago associado, o que ajuda a apoiá-lo e protegê-lo.

Ele também suprimiu a proteína P-selectina, que normalmente desempenha um papel em funções importantes como a reparação de lesões, e uma das coisas que recruta para ajudar são as plaquetas. No entanto, no câncer, a P-selectina ajuda os tumores a se espalharem e a serem resistentes ao tratamento; na verdade, é um foco para novos tratamentos de câncer. Como muitos outros habitantes do microambiente, há evidências de que a P-selectina atua em tumores também servindo como um ponto de controle imunológico.

Equilíbrio do cérebro

A apelina, uma enzima difusa produzida por vários tipos de células diferentes, está normalmente presente em níveis baixos no cérebro. Mas no glioblastoma sua expressão é muito mais alta, dizem os pesquisadores, e apóia o crescimento crítico dos vasos sanguíneos, além de promover as células-tronco cancerosas que podem originar o tumor, além de ser a chave para a resistência do tumor ao tratamento. Também há evidências de que a apelina funciona como um ponto de verificação imunológico no microambiente tumoral, e outros mostraram que a inibição da apelina, que o CBD faz, diminui a taxa de crescimento do tumor cerebral mortal.

O CBD também suprime a IL-8, que os macrófagos normalmente liberam para promover a inflamação e auxiliar no reparo de lesões, e que recruta outras células do sistema imunológico no processo. Mas o glioblastoma também secreta IL-8 para ajudar a promover a migração celular e a angiogênese e seu nível tem se mostrado alto em muitos tipos de câncer, incluindo o glioblastoma. Na verdade, esses tumores de crescimento rápido são bons no crescimento de vasos sanguíneos, que por sua vez apóiam seu crescimento, e medicamentos que visam essa habilidade específica têm mostrado ajudar.

CBD e sistema imunológico

O CBD também reduz outros pontos de controle imunológicos importantes, como a enzima indoleamina 2,3 dioxigenase, ou IDO, outro bloqueio localizado da resposta imunológica que os tumores costumam usar.

Além de melhorar a mistura, aumentando a expressão de algumas coisas boas, como CD103, que ajuda o sistema imunológico a reconhecer o câncer e que geralmente está associado a um melhor prognóstico do câncer, bem como CD8, uma proteína revestida de açúcar que também auxilia uma resposta imunológica. Há evidências que suprimem os pontos de controle imunológico, como o CBD faz, eleva os níveis de ambos.

“É um enigma e é por isso que precisamos de bons reguladores imunológicos”, diz Baban. “O CBD é um regulador muito inteligente”, que pode fazer ajustes com base em seu ambiente, como diminuir a apelina no glioblastoma e aumentar em face dos pulmões danificados pelo COVID, diz ele. Os investigadores do DCG e do MCG relataram no ano passado que o CBD na verdade aumenta os níveis de apelina, que eles mostraram diminuir com uma infecção por SARS-CoV-2 e, nesse cenário, o aumento da apelina reduz a inflamação e a “tempestade de citocinas” que causou a destruição nos pulmões dos pacientes.

“No momento, estamos empolgados com a redução do tumor”, disse Baban sobre o impacto do canabinoide no glioblastoma. Ele e Rutkowski observam que os resultados positivos do CBD inalado ocorreram sem serem feitos em conjunto com outras terapias, como a cirurgia. Eles prevêem que se o CBD for eventualmente usado para esses pacientes, será um novo complemento para essas terapias.

Próximos passos

Os próximos passos incluem ver por quanto tempo as mudanças positivas duram e examinar mais detalhadamente o impacto nas células-tronco cancerígenas. Eles também desejam avaliar o impacto do CBD nas altas taxas de recorrência do glioblastoma. Eles têm mais evidências de esperança: em um estudo anterior, eles incubaram as células tumorais em CBD antes da implantação e nenhum tumor resultou, disse Baban.

O mais recente avanço significativo no tratamento do glioblastoma veio há mais de 15 anos, com a adição do medicamento quimioterápico temozolamida à radiação, que estendeu a sobrevida em cerca de um mês e meio e foi comemorado por pacientes e cuidadores, diz Rutkowski.

A habilidade do CBD em controlar a inflamação e sua experiência em pesquisa com outras condições onde a inflamação é fundamental, incluindo Alzheimer, levou Baban e seus colegas a buscar o derivado da Cannabis para o glioblastoma. Outros pesquisadores estão analisando o CBD em combinação com outros derivados da Cannabis, incluindo o THC, mas como o CBD é um composto interativo, inclusive com outros compostos ativos da Cannabis, como o THC, os pesquisadores do DCG e do MCG pensaram que seria mais eficaz sozinho.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email