“Meu filho só me disse ‘eu te amo’ aos 9 anos, depois da Cannabis”, comemora mãe de autista

Christopher tinha um comportamento muito violento e por isso passava a maior parte do tempo sedado: “drogado vivia antes”
Deusamar Ferreira e o filho, Christofer

A dona Deusamar Ferreira, de 37 anos e moradora de Caruaru (PE), é mãe de um menino com transtorno de espectro autista com grau severo, o Christopher. O menino completou agora em outubro 9 anos de idade, mas para a mãe foi só em 2020 que o menino realmente “nasceu”. E foi a Cannabis medicinal que trouxe a criança para a vida.

Depois de iniciar o tratamento, Christopher passou a fazer atividades simples do dia a dia, mas que eram impossíveis antes do óleo à base da planta da maconha. Como ir ao banheiro sozinho, por exemplo. No último aniversário, foi a primeira vez que ele cantou os parabéns e assoprou a velinha. Tudo sozinho. Mas de todos os pequenos avanços do moleque, um deles tocou demais a dona Deusamar:

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

“Eu coloquei as cinco gotinhas na língua dele, e aí ele chegou pra mim, olhou nos meus olhos e disse: ‘mamãe, eu te amo’. Eu parei tudo que estava fazendo e só chorei, me emocionei demais. Foi a primeira vez que ele falou que me amava”.

>>> Inscreva-se agora gratuitamente no 2º Medical Cannabis Summit

No último aniversário, foi a primeira vez que ele cantou os parabéns e assoprou a velinha

Nem sempre foi assim

Muito pelo contrário. O Christopher é uma criança com autismo severo e possuía um comportamento bastante violento. Se agredia com frequência na cabeça e no corpo, se mordia, se jogava contra parede.

“Vizinhos achavam que eu estava maltratando ele”, lembra a mãe.

Por isso, vivia sedado com risperidona e outros medicamentos pesados. Ou seja, muito pouco ou quase nada interagia com a família.

Até os 3 anos, a criança parecia ser “normal”. Chegou a falar as palavras mamãe e papai, mas dias depois tudo começou a desandar.

“Eu vi relatos de crianças autistas com o mesmo aspecto dele. Fui nos postinhos de saúde, e o que os médicos diziam é que era manha, muito mimo de mãe. De qualquer forma, meu filho continuava estranho, e aí começou a vir a agressividade. O comportamento foi piorando e eu não descobria o que era”. 

Até que a Deusamar decidiu procurar um médico particular. Foi um neuropediatra que deu o diagnóstico: “meu coração sabia que meu filho era autista, mas minha mente não queria aceitar.

Logo após essa consulta, Christopher começou a fazer uso de risperidona, remédio que dona Deusamar chama de veneno por conta do efeitos sedativo e colaterais, sobretudo a alta carga hormonal.

Mas ela sempre pesquisava por tratamentos alternativos, mais naturais, até que encontrou um reportagem sobre a Cannabis no tratamento do autismo. Teve dificuldades para encontrar um médico prescritor. Até que uma pessoa indicou o pernambucano Dr. Hélio Mororó, pesquisador e defensor da medicina canabinoide.

Deusamar e Christopher

Procurando por um médico prescritor de Cannabis medicinal? Temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

“Deixei de fazer minha feira, juntei todo dinheiro que eu tinha para fazer essa consulta, mas ele foi maravilhoso e não me cobrou nada!”, conta dona Deusamar.

A mãe lembra que depois que o menino começou com a Cannabis, passou a apresentar mudanças significativas: “começou a olhar a gente nos olhos, a obedecer, parou o choro, porque ele chorava da hora que acordava a hora de dormir”.

“Ele está começando a vida aos 9 anos”

“Esses outros medicamentos são paliativos. A criança está agitada, aí você dá um risperidona, dopa o menino, deixa ele lesado. Isso não resolve, é não deixar a criança ter vida. Ele está começando a vida dele agora, aos 9 anos”. 

A dona Deusamar diz que nunca teve preconceito em tratar o menino com um óleo extraído da mesma planta da maconha e lamenta que muitas famílias se privem de tratar seus filhos com esse remédio justamente por preconceito: “se fosse para drogar meu filho, eu continuava com a risperidona!”.

Hoje o Christopher aos poucos vai se integrando a rotina das crianças da mesma idade dele. E já está ansioso por conhecer novas crianças! Isso porque a Deusamar está grávida de novo, e vem aí mais um menino. E todo dia o primogênito pergunta: “mamãe, e o irmãozinho?”.

>>>Você é um médico prescritor de Cannabis medicinal? Faça seu cadastro aqui para alcançar mais pacientes! 

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email