Destaques

Canabinol evita o envelhecimento de células cerebrais, sugere estudo

Pesquisadores descobrem que o CBN preserva a função mitocondrial dos neurônios e previne danos oxidativos às células

Décadas de pesquisa sobre Cannabis medicinal em aplicações clínicas se concentraram nos compostos THC e CBDs. Mas pouco se sabe sobre as propriedades terapêuticas do canabinol (CBN). Agora, um novo estudo de cientistas da Salk, um instituto de pesquisa dos EUA, mostra como o CBN pode proteger as células nervosas do dano oxidativo, um importante caminho para a morte celular. Um artigo recém publicado na revista Free Radical Biology and Medicine sugere que o CBN tem potencial para tratar doenças neurodegenerativas relacionadas à idade, como a doença de Alzheimer.

“Descobrimos que o canabinol protege os neurônios do estresse oxidativo e da morte celular, dois dos principais contribuintes para a doença de Alzheimer”, diz a autora sênior Pamela Maher, professora de pesquisa e chefe do Laboratório de Neurobiologia Celular de Salk. “Esta descoberta pode um dia levar ao desenvolvimento de novas terapêuticas para tratar esta doença e outras doenças neurodegenerativas, como a doença de Parkinson”.

Derivado da Cannabis, o CBN é molecularmente semelhante ao THC, mas não é psicoativo. Também é menos regulamentado pelo FDA. Pesquisas anteriores do laboratório de Maher descobriram que o CBN tinha propriedades neuroprotetoras, mas não estava claro como funcionava. Agora, este novo estudo explica o mecanismo pelo qual o CBN protege as células cerebrais de danos e morte.

A equipe de Maher analisou o processo de oxitose, também chamado de ferroptose, um mecanismo de morte celular que se acredita ocorrer no cérebro envelhecido. Evidências crescentes sugerem que a oxitose pode ser uma causa da doença de Alzheimer. O processo pode ser desencadeado pela perda gradual de um antioxidante chamado glutationa, causando danos às células neurais e morte por oxidação lipídica. No estudo, os cientistas trataram as células nervosas com CBN e, em seguida, introduziram um agente para estimular o dano oxidativo.

Eles descobriram ainda que o CBN funcionava protegendo as mitocôndrias, as usinas de energia da célula, dentro dos neurônios. Nas células danificadas, a oxidação fez com que as mitocôndrias se enrolassem como rosquinhas – uma mudança que também foi observada em células envelhecidas retiradas do cérebro de pessoas com doença de Alzheimer. O tratamento das células com CBN impediu que as mitocôndrias se enrolassem e as manteve funcionando bem.

Clique aqui para começar o tratamento com Cannabis medicinal

Para confirmar a interação entre o CBN e as mitocôndrias, os pesquisadores então replicaram o experimento em células nervosas que tiveram as mitocôndrias removidas. Nessas células, o CBN não demonstrou mais seu efeito protetor. “Conseguimos mostrar diretamente que a manutenção da função mitocondrial era especificamente necessária para os efeitos protetores do composto”, disse Maher.

Em outra descoberta importante, os pesquisadores mostraram que o CBN não ativou os receptores canabinoides, que são necessários para que os canabinoides produzam uma resposta psicoativa. Assim, a terapêutica com CBN funcionaria sem o efeito entorpecente. 

“O CBN não é uma substância controlada como o THC, o composto psicotrópico da Cannabis, e as evidências mostraram que o CBN é seguro em animais e humanos. E como o CBN funciona independentemente dos receptores canabinoides, o CBN também pode funcionar em uma ampla variedade de células com amplo potencial terapêutico”, diz o primeiro autor Zhibin Liang, pós-doutorando no laboratório Maher.

Além da doença de Alzheimer, as descobertas têm implicações para outras doenças neurodegenerativas, como a doença de Parkinson, que também está ligada à perda de glutationa. “A disfunção mitocondrial está implicada em mudanças em vários tecidos, não apenas no cérebro e no envelhecimento, então o fato de este composto ser capaz de manter a função mitocondrial sugere que poderia ter mais benefícios além do contexto da doença de Alzheimer”, disse Maher.

Maher acrescenta que o estudo mostra a necessidade de mais pesquisas sobre o CBN e outros canabinoides menos estudados. Como próximo passo, a equipe de Maher está trabalhando para ver se eles podem reproduzir seus resultados em um modelo de camundongo pré-clínico.

Felipe Floresti

Editor, repórter e jornalista especializado em Cannabis Medicinal

Postagens recentes

“Falta boa vontade política para a pauta Cannabis avançar”, avalia Grass

Promovido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, o 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e…

45 minutos agora

Remédio para estresse: o canabidiol como alternativa no tratamento

Você está se sentindo estressado atualmente? Como você se sente ao pensar no seu trabalho…

3 horas agora

“Regulamentar as drogas é uma forma de combate à violência”

Pesquisador e professor da Fiocruz, o psiquiatra Marco Aurélio Jorge fala sobre sua experiência como…

5 horas agora

Universidade busca voluntários para estudo sobre CBD e enxaqueca

A pesquisa, inédita no Brasil, está recrutando voluntários para saber sobre o uso de medicamentos…

7 horas agora

Veteranos de guerra querem apoio para tratar estresse pós-traumático com Cannabis

Na Austrália, veteranos de guerra estão pedindo por apoio e mais financiamentos para o uso…

8 horas agora

Cannabis em alta: importações de derivados de Cannabis sobem 110%

Com dados da Anvisa, a BRCann (Associação Brasileira da Indústria de Endocanabinoides) levantou que as…

18 horas agora