“Falta boa vontade política para a pauta Cannabis avançar”, avalia Grass

seminario-cannabis-medicinal

Promovido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, o 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e o Cânhamo Industrial aconteceu esta semana na capital do país. O evento dialogou sobre as diferentes formas e práticas estratégias para a utilização da Cannabis no Brasil. Conversamos com exclusividade com Leandro Grass (PV), deputado distrital, que solicitou a realização do Seminário e com a paciente de Cannabis medicinal Marisa Sousa. 

 

Durante sua realização o Seminário contou com a presença de pacientes que fazem uso da Cannabis medicinal, políticos envolvidos com a pauta, representantes de universidades e de advogados. 

 

Debate sobre aplicações de leis que envolvem Cannabis

Os assuntos principais do 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e o Cânhamo Industrial giraram principalmente ao redor de dois temas: 

  • Aplicação do Projeto de Lei n.° 6.839/2021, de autoria do deputado distrital Leandro Grass (PV), que diz respeito ao incentivo à pesquisa científica com Cannabis spp para uso medicinal no Distrito Federal.
  • Projeto de Lei 2.118/2021, também apresentado por Grass, que trata da pesquisa científica e do estímulo econômico ao uso industrial de cânhamo, com baixa concentração de Tetrahidrocanabinol (THC). De acordo com a Associação Nacional do Cânhamo Industrial (ANC), a planta cultivada para fins industriais, como a produção de fibras ou sementes, tem grande impacto econômico e ambiental no mundo todo.

seminario-cannabis-medicinal

O que fica de aprendizado do 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e o Cânhamo Industrial  

O deputado distrital Leandro Grass destacou o sucesso do 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e o Cânhamo  Industrial. Para Grass, o evento conseguiu colocar atores importantes da sociedade, como representantes do governo e da Secretaria de Saúde e de pesquisa, na mesa de discussão: “Agora precisamos da regulamentação, de fomento para que as pesquisas aconteçam, da criação de instrumentos e de orçamento. O Seminário foi muito importante. Trouxe o testemunho das pessoas que estão militando na causa e pacientes. Foi importante também para democratizar e popularizar o conhecimento sobre esse assunto que ainda é muito pouco divulgado na sociedade. Agora a gente vai começar a estudar uma política distrital para o cultivo com fins medicinais”.

O que falta para a regulamentação das leis que envolvem Cannabis no DF  

Grass explicou que embora aprovado, o Projeto de Lei n.° 6.839/2021 que dispõe sobre o incentivo à pesquisa científica com Cannabis spp. para uso medicinal no Distrito Federal ainda precisa ser regulamentado. “Falta boa vontade, falta uma decisão política por parte do Governo Federal e que está se omitindo em relação ao tema. E isto envolve a Secretaria da Saúde, a Secretaria de Ciência e Tecnologia e a Fundação de apoio à Pesquisa que será o principal ator nesta construção. Não fizeram nenhum movimento”, explicou.

 “Temos cada vez mais evidências sobre a eficácia dessa substância para combater diversas doenças. É possível avançar para que sociedade e ciência trabalhem lado a lado”, avalia Grass.

Uso industrial do cânhamo 

Já sobre o Projeto de Lei 2.118/2021, que ainda está tramitando e que trata da pesquisa científica e do estímulo econômico ao uso industrial de cânhamo (Cannabis sativa não-entorpecente), Grass manifestou a vontade de levá-la ao Plenário o mais rápido possível.

seminario-cannabis-medicinal

Desenvolvimento de leis sobre Cannabis no Brasil

Em relação à questão nacional, Grass opina que o principal desafio ainda é a representação política. “Temos ainda uma bancada do Congresso Nacional, especialmente na Câmara dos Deputados, que ainda não compreendeu esse tema e que trabalha até contra. E mesmo com o governo retrógrado e conservador, tivemos avanços justamente devido à articulação e ao ativismo das pessoas e associações”, destaca.

Política e Cannabis: questão definitiva em ano eleitoral  

“A gente precisa pautar esse tema do ponto de vista eleitoral também. Colocar isso no centro do debate das candidaturas a deputados federal, ao Senado também, e dos governos estaduais bem como da presidência da República. Os presidenciáveis, por exemplo, eles têm que se posicionar: como que irão orientar o Ministério da Saúde, a Anvisa e qual é a posição deles? A sociedade tem um papel muito importante de exigência dos pré-candidatos dessa questão”, opina Grass.

Esta semana publicamos aqui nesta matéria as respostas dos pré-candidatos à presidência quando questionados sobre a Cannabis.

Relato emocionante de paciente com esclerose múltipla 

A paciente e advogada Marisa Sousa fez um relato emocionante sobre a briga judicial para conseguir acesso a um remédio com base de canabidiol. Ela tem esclerose múltipla e faz tratamento com CBD para reduzir as dores que sente “24 horas por dia”.

Marisa falou com exclusividade para o Cannabis & Saúde sobre a importância da realização do Seminário: “É muito importante este tipo de Seminário para toda a sociedade. É importante para a difusão de conhecimentos e para quebrar tabus em volta da Cannabis medicinal. É importante que as pessoas saibam sobre o papel do canabidiol em tratamentos”. 

seminario-cannabis-medicinal

Em suma, o número de pessoas que usam a Cannabis para fins medicinais tem crescido em todo o país. Porém, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Canabinoides (BRCann), o Distrito Federal é a unidade da federação que tem a maior taxa de pacientes autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a utilizar produtos derivados do canabidiol. 

Veja ranking de autorizações, segundo pesquisa da BRCANN divulgada pelo G1:

  1. Distrito Federal: 121,4 autorizações por 100 mil habitantes
  2. Rio de Janeiro: 69,3 autorizações por 100 mil habitantes
  3. São Paulo: 62,4 autorizações por 100 mil habitantes
  4. Goiás: 45,3 autorizações por 100 mil habitantes
  5. Santa Catarina: 42 autorizações por 100 mil habitantes
  6. Paraná: 34,1 autorizações por 100 mil habitantes
  7. Espírito Santo: 30,7 autorizações por 100 mil habitantes
  8. Mato Grosso do Sul: 29,6 autorizações por 100 mil habitantes
  9. Rio Grande do Sul: 27,3 autorizações por 100 mil habitantes
  10. Minas Gerais: 27,1 autorizações por 100 mil habitantes
  11. Acre: 7,8 autorizações por 100 mil habitantes
  12. Pará: 7,7 autorizações por 100 mil habitantes
  13. Ceará: 7,4 autorizações por 100 mil habitantes
  14. Maranhão: 7,3 autorizações por 100 mil habitantes
  15. Alagoas: 5,1 autorizações por 100 mil habitantes

Agende aqui uma consulta com um médico prescritor de Cannabis medicinal. 

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email