Oncologista comenta o uso da Cannabis medicinal no tratamento do câncer

Câncer Cannabis

Oncologista especialista em cânceres do sistema gastrointestinal Renata D’Alpino explica como utiliza a prescrição de Cannabis medicinal em sua prática clínica

Uma em cada seis mortes no mundo está relacionada ao câncer, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). A principal forma de combater essa epidemia global é a adoção de hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, exercícios físicos e evitar o tabagismo e consumo excessivo de bebidas alcóolicas.

A detecção precoce também é fundamental. Descobrir a doença em seus estágios iniciais aumenta muito a possibilidade de cura, evidenciando a importância de exames rotineiros. Foi para destacar essas informações, atingindo cada vez mais pessoas, que o Ministério da Saúde, por meio da portaria GM nº707, de dezembro de 1988, instituiu o Dia Nacional de Combate ao Câncer, realizado no dia 27 de novembro.

Ao contrário do que se pensa, o câncer não se trata de uma única doença. É um conjunto com mais de uma centenas de patologias que têm em comum o crescimento descontrolado das células.

A Cannabis pode ajudar no tratamento de câncer?

De acordo com a oncologista especialista em tumores do sistema gastrointestinal e neuroendócrinos, Renata D’Alpino, a principal forma que a Cannabis pode auxiliar os pacientes é no tratamento dos sintomas, tanto da enfermidade em si quanto dos tratamentos convencionais, como quimioterapia. 

“Principalmente para a dor, perda de apetite, fadiga”, afirma. “Quando eu percebo que não estou conseguindo manejar bem os sintomas, eu já indico para o tratamento com Cannabis medicinal.”

Segundo a médica, após cerca de dez dias de tratamento, já dá para notar uma melhora substancial no apetite e na dor dos pacientes. “Por conta do tratamento oncológico e até da própria doença (como no câncer no sistema gastrointestinal), o apetite é uma queixa muito comum dos pacientes. O enjoo também é algo para o qual a gente tem utilizado.”

“Na questão da dor, a gente não vai parar de usar os analgésicos. A cannabis vai entrar como tratamento adjuvante. Você está usando derivados de morfina, ou outras espécies de medicações analgésicas, e não está tendo um bom controle, pode ajudar a Cannabis para conseguir esse melhor controle.”

De acordo com a oncologista, a resposta do tratamento com a Cannabis varia em cada paciente. “Tem paciente que funciona super bem. Melhora da água pro vinho, seja o apetite, o enjoo, a fadiga. Sempre tem uma melhora, o que o que difere é a magnitude. Às vezes melhora na questão do humor.’

Quando a questão é sobre as propriedades antitumorais da Cannabis, no entanto, D’Alpino é mais reticente. “O paciente tem uma melhora no bem-estar, então a doença pode melhorar por causa disso”, afirma. 

“A gente ainda precisa de mais dados científicos sobre a questão. Não sabe se o paciente vive mais porque melhora os sintomas ou se realmente tem um efeito antitumoral. É uma questão interessante e a gente vai ficar atento nos próximos anos com as pesquisas científicas que vão sair.”

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email