Quem é Rick Simpson e por que a extração que leva seu nome é tão famosa?

A principal característica do modelo de extração de óleo desenvolvida pelo canadense é que ela preserva todas as substâncias dos canabinoides presentes na planta. Foi com esse método que Rick Simpson curou um câncer e virou ativista da Cannabis medicinal.

A notícia de que o THC, um dos componentes da Cannabis, poderia matar células do câncer não foi levada à sério pelo apresentador de uma rádio da cidade de Amherst, na província canadense da Nova Escócia, em 1975. Mesmo resultado de uma pesquisa do Centro de Câncer da Faculdade de Medicina da Universidade de Virginia, nos EUA, foram piadas que Rick Simpson escutou em seu carro após o fim do expediente na manutenção de um hospital.

Para ele, no entanto, o assunto não tinha graça. Seu primo Dave havia morrido de um tipo raro de câncer alguns anos antes, e o assunto não era motivo de risadas. O tom adotado pelos radialistas, no entanto, não impediu que essa notícia mudasse sua vida.

“Essa reportagem ficou no meu banco de memória, e estou muito agradecido por isso”, contou em seu livro de memórias “Phoenix Tears – The Rick Simpson Story”.

Book mockup ENG_transparent background

“No futuro, essas informações seriam inestimáveis ​​para aliviar o sofrimento das pessoas e salvar muitas vidas, incluindo a minha própria, mas passariam quase trinta anos depois, antes de usar essas informações”, completou.

Em dezembro de 1997, ao tentar consertar a central de aquecimento a vapor do hospital, um acidente mudou a vida de Simpson. Devido á uma forte pancada na cabeça, que por pouco não tirou sua vida, uma espécie de barulho alto se tornou constante em sua mente, acompanhado de pressão alta e problemas de equilíbrio.

Como consequência, não conseguia mais dormir. A situação continuou piorando. Afastado do trabalho, foram meses e mais meses testando todo tipo de droga receitada pelos médicos, sem nenhum resultado consistente. Pelo contrário:

“Em 1999, os efeitos dessas substâncias no meu pensamento e na depressão que eu estava a sofrer fizeram colocar uma espingarda na boca. Eu não conseguia imaginar minha condição melhorando, então eu simplesmente achava que seria melhor se eu terminasse minha vida”, contou.

“A única coisa que me parou foi pensar na bagunça que meus filhos teriam que enfrentar.”

Foi então que decidiu, por conta própria, buscar meios de resolver seu problema. Ele já havia sentido um pequeno alívio de seus sintomas quando fumou maconha e pensou: “De todos os medicamentos que experimentei, o cânhamo teve os efeitos mais benéficos, mas ainda assim faltou o soco que eu precisava para eu dormir corretamente. O que aconteceria se eu concentrasse os canabinoides em um óleo essencial e comesse?”

“Se os efeitos do fumo da variante Indica do cânhamo me deixaram com sono, o óleo concentrado dessas plantas deveria me nocautear.”

Deu certo

Tomar doses frequentes e cada vez mais altas do óleo concentrado de Cannabis acabou com os problemas de insônia. Suas capacidades de raciocínio, memória e equilíbrio, que já estavam debilitadas, começaram a se voltar. Também passou a perder o peso extra adquirido ao longo da doença. O barulho na cabeça, embora persistisse, já
deixou de ser tão intenso e debilitante.

A história da rádio, no entanto, só voltou à tona em 2002, quando Rick finalmente resolveu levar ao médico umas feridas que custavam a cicatrizar, adquiridas nos anos em que esteve doente. A suspeita de câncer de pele foi depois confirmada por uma biópsia de uma lesão no nariz.

“Naquele momento, eu tomava óleo há um bom tempo e achava que agora meu corpo devia estar cheio de THC. Se o THC mata O câncer, por que não havia curado meu câncer de pele?, se questionou.

“Curar câncer não podia ser tão simples assim.”

Por via das dúvidas, e sem ter muito a perder, resolveu aplicar o óleo direto nas feridas que não haviam passado por cirurgia. Pegou uma atadura, jogou um pouco de óleo, aplicou direto sobre dois locais afetados, e assim deixou por quatro dias. Ele conta que a irritação que sentia nas áreas afetadas logo desapareceu, e não sentiu mais muita coisa.

Quando retirou a atadura, o que era ferida tinha se transformado em uma pele rosada. Estavam curadas. Nem ele acreditou muito no que viu. Como pode seu câncer ter curado, tão fácil e tão rápido? Nem seus amigos acreditaram em sua história.

Mas a pior das feridas, no nariz, perto de um dos olhos, retornou. Repetiu o tratamento, com os mesmos resultados.

“Veja o que esse óleo fez por mim. Meus processos de pensamento estavam praticamente de volta ao normal, meus problemas de pressão arterial e equilíbrio estavam sob controle. Eu não tinha mais artrite nos joelhos, eu estava de volta a um peso saudável e agora meu câncer estava curado.”

Recebendo pensão do serviço de proteção social do Canadá, passou a espalhar a palavra. Mas, apesar de relutante, acatou a indicação dos filhos de não sair dizendo por aí que Cannabis cura o câncer. Isso poderia terminar em prisão.
Foi somente em 2012, que decidiu engajar de vez no ativismo pelo uso de óleo de Cannabis para o tratamento de câncer.

“Desde que fui além do limite de cinco anos e o câncer nunca voltou, acho que tenho todo o direito de dizer ao público que sim, o óleo de cânhamo curou meu câncer.”

Crítico da indústria farmacêutica, decidiu que o melhor caminho para atender ao maior número de pessoas seria ensinar a produzir o próprio óleo. O processo desenvolvido por ele ficou conhecido como extração Rick Simpson. O produto, óleo de Rick Simpson, ou RSO, na sigla em inglês.

Os alertas de seus filhos, no entanto, estavam corretos. Hoje Rick Simpson vive na Europa, segundo seu site, e não pode pisar em seu país natal ou nos EUA sob o risco de ser preso.

O Óleo de Rick Simpson

A principal característica do modelo de extração de óleo desenvolvida pelo canadense é que ela preserva todos as substâncias canabinóides presentes na planta, como o canabidiol (CBD) e o tetraidrocanabinol (THC).

Ou seja, a propriedade do óleo será diretamente proporcional às da variedade de Cannabis utilizada para a fabricação. Rick Simpson recomenda a utilização de plantas da espécie indica com concentração de THC de pelo menos 20%, mas alguns preferem optar por espécies que são mais indicadas para suas próprias condições.

O que diz a ciência?

É improvável que o câncer, por ser não uma, mas um diverso e parcialmente desconhecido grupo de doenças, tenha uma única cura. Tampouco existem testes clínicos que comprovem o uso de Cannabis como tratamento de câncer em humanos, somente como forma de aliviar os sintomas da doença e do tratamento convencional.

Por outro lado, estudos em laboratório sugerem que as propriedades da Cannabis possam causar efeitos antitumorais através de vários mecanismos, como indução da morte celular, inibição do crescimento celular e inibição da invasão e metástase da angiogênese tumoral.

Os canabinoides parecem matar células tumorais, mas não afetam suas contrapartes não transformadas e podem até protegê-las da morte celular.

Como funciona o processo de extração Rick Simpson?

Para uma receita de 60 gramas de óleo, suficiente para um regime de tratamento de 90
dias, você vai precisar:
– 453 gramas (1 libra) de Cannabis seca
– 7,57 litros (2 galões americanos) de solvente, sendo o álcool isopropílico a
alternativa mais econômica e acessível
– Um balde de 20 litros
– Uma tigela funda
– Colher de pau
– Coador de café de pano
– Panela elétrica de arroz
– Seringa

Coloque a Cannabis seca no balde de 20 litros e adicione solvente até cobrir o material seco. Mexa com a colher de pau, esmagando a planta seca, por três minutos. Repita processo, reutilizando a parte sólida da planta. A resina da planta, com seus componentes, estarão dissolvidos no óleo. Em seguida, leve o líquido para a panela de arroz.

Embora seja possível utilizar outro equipamento para aquecer a mistura, a panela de arroz mantém a temperatura entre 100 e 110 graus Celsius. Se aquecer acima de 148ºC, os canabinóides são destruídos e a substância perde suas propriedades.

Durante o processo, o solvente evapora, e o que resta é o puro óleo da Cannabis. Use uma seringa para usar dosar.

O protocolo de Rick Simpson

Extraído de ricksimpsonofficial.com

“Geralmente, leva cerca de 90 dias para uma pessoa comum tomar 60 gramas ou 60 ml de tratamento com óleo. Sugiro que as pessoas comecem com três doses por dia, aproximadamente do tamanho de meio grão de arroz seco.

O paciente deve tomar esta dose a cada 8 horas, no início da manhã, novamente à tarde e a dose final do dia, cerca de uma hora antes da hora de dormir.

Também deve ser observado que, quando um paciente começa a ingerir esse óleo, ele normalmente não sente os efeitos do óleo até cerca de uma hora depois de tomar a dose, portanto, esteja ciente desse fato. A dose de um iniciante como a que estou descrevendo seria igual a cerca de ¼ de uma gota.

Após quatro dias com essa dose, que deve ser tomada três vezes ao dia, a maioria das pessoas consegue aumentar suas doses dobrando a quantidade de sua dose a cada quatro dias. Seguindo esse procedimento simples, muitos pacientes relataram que sentiram que não haviam experimentado a alta, que esse óleo pode causar.

Mas, na verdade, dois de nós não são iguais e todos temos tolerâncias diferentes; portanto, alguns poderão aumentar suas doses mais rapidamente do que outros. Na realidade, mesmo se alguém se tornar o que é comumente chamado de alto, isso não os prejudicará de maneira alguma se o óleo que eles estão ingerindo foi produzido a partir das cepas sedativas da Indica, que eu recomendo e o óleo resultante foi produzido em da maneira correta.

A pessoa média leva de 3 a 5 semanas para chegar ao ponto em que pode ingerir 1 grama ou 1 ml por dia. Quando atingem essa dosagem, podem continuar nesse ritmo até que seus problemas médicos sejam controlados.

Isso significa que, depois que o paciente se acostumar com o uso de óleos, cada dose administrada será igual a 8 a 9 gotas a cada 8 horas e, em muitos casos, já vi pacientes que não tiveram problemas para ingerir muito mais.

Em alguns casos, eu já vi pacientes que não tinham medo desse medicamento, dado as 60 gramas completas de tratamento em um mês e depois disso, muitos deles foram declarados livres do câncer.

Ao usar o método que estou descrevendo, permite que o seu corpo desenvolva lentamente uma tolerância a esse medicamento e, quando o paciente se acostumar com os efeitos dos óleos, a maioria dos pacientes realmente afirma que gosta de tomá-lo.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email