Cannabis melhora sintomas do Parkinson em 60% dos pacientes

Pesquisa alemã com 1.300 pacientes aponta redução de dor, câimbras musculares, rigidez, congelamento e tremores
parkinson-tratamento-cannabis1

Distúrbio neurológico degenerativo e progressivo, a doença de Parkinson atinge cerca de 3% da população brasileira com mais de 60 anos. Embora seja mais comum entre os mais idosos, cada vez mais jovens recebem o diagnóstico da doença.

O maior problema é que não existe cura para o Parkinson. Tratamentos convencionais, como anticonvulsivos, focam somente nos sintomas da doença, são pouco eficientes e podem acarretar sérios efeitos colaterais.

Ebook: "30 patologias que podem ser tratadas com o canabidiol"

Conheça o CBD e todo seu potencial para o tratamento de 30 doenças e transtornos.

No entanto, entre as alternativas estudadas pela medicina, os fitocanabinoides aparecem como a classe de fármacos que demonstra maior efetividade na progressão da doença, com grande impacto na melhora da qualidade de vida do paciente.

Tratamento de Parkinson com Cannabis

É o que demonstra uma pesquisa do Departamento de Neurologia do Centro Médico da Universidade de Hamburgo-Eppendorf, na Alemanha. Por meio do jornal da Associação Alemã de Parkinson, eles enviaram e avaliaram questionário sobre as condições de saúde de 1.300 pacientes.

Apesar do número pequeno (8,4%) dos pacientes relatarem usar Cannabis para aliviar os sintomas, 61% desses disseram observar melhora em seu quadro clínico devido ao uso. 

“A redução da dor e das câimbras musculares foi relatada por mais de 40% dos usuários de Cannabis. A rigidez / acinesia, congelamento, tremor, depressão, ansiedade e síndrome das pernas inquietas melhoraram subjetivamente em mais de 20% e a tolerabilidade geral foi boa”, diz o estudo publicado no Journal of Parkinson’s Disease.

Entre os participantes da pesquisa, 68% relataram melhora após inalar Cannabis com alto teor de THC; 54% após a ingestão oral do óleo rico em CBD. Em comparação com a ingestão oral de CBD, a inalação de THC foi relatada com mais frequência para reduzir a acinesia (perda muscular temporária associada à condição) e rigidez.

Interesse por Cannabis entre pacientes com Parkinson

Dos pacientes que nunca experimentaram a Cannabis, 65% demonstrou interesse em seus efeitos terapêuticos medicinais. 

“Nossos dados confirmam que os pacientes Parkinson têm um grande interesse no tratamento com cannabis medicinal, mas não têm conhecimento sobre como tomá-la e, especialmente, as diferenças entre os dois principais canabinoides, THC e CBD”, afirmou o pesquisador Carsten Buhmann, um dos autores do estudo, em entrevista ao alemão Sci Tech Daily.

Na Alemanha, desde 2017, é direito de todo paciente gravemente afetado por sintomas resistentes à terapia o acesso à Cannabis medicinal, não importa o diagnóstico da doença ou se existem dados clínicos baseados em evidências. 

“Pacientes que atendem a esses critérios têm direito à prescrição de Cannabis medicinal, mas há poucos dados sobre qual tipo de canabinoide e qual via de administração pode ser promissora para qual paciente e quais sintomas”, ponderou Buhmann. “Também não temos informações sobre até que ponto a comunidade é informada sobre a Cannabis medicinal e se eles experimentaram Cannabis e, em caso afirmativo, com que resultado.”

“A ingestão de Cannabis pode estar relacionada a um efeito placebo devido às altas expectativas e condicionamento do paciente, mas mesmo isso pode ser considerado um efeito terapêutico”, concluiu.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email