Justiça permite família de Pernambuco cultivar maconha para tratar filho autista

Habeas Corpus não limita quantidade de plantas, mas casal deverá enviar um relatório trimestral à Polícia Federal sobre a produção do óleo para o Arthur, de 9 anos
Arthur Gabriel e os pais, Eduardo e Fabrina, mostram o Habeas Corpus e um pé de Cannabis autorizado pela Justiça (Arquivo Pessoal)
Habeas Corpus não limita quantidade de plantas, mas casal deverá enviar um relatório trimestral à Polícia Federal sobre a produção do óleo para o Arthur, de 9 anos

A Justiça Federal de Pernambuco concedeu nesta terça-feira um Habeas Corpus para uma família da cidade de Paulista, na Grande Recife, cultivar Cannabis sativa e produzir o óleo derivado da planta para o tratamento do filho de 9 anos, que é autista. A decisão é do juiz César Artur Cavalcanti, da 13ª Vara Criminal Federal.

A ação foi impetrada pela Defensoria Pública da União, com apoio da Rede Reforma. Conforme o despacho, o salvo-conduto não limita as quantidade de plantas, mas casal deverá enviar um relatório trimestral à Polícia Federal sobre a produção do óleo para o Arthur Gabriel.

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

Segundo o pai da criança, Eduardo Dantas, 50 anos, que também é presidente da Associação Canábica Medicinal de Pernambuco (Cannape), Arthur foi diagnosticado com autismo e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade aos 2 anos.

“Desde então, a gente está buscando qualidade de vida para nosso nosso filho. Quando ele estava com 5 anos, a gente iniciou o tratamento com óleo artesanal. O primeiro frasco não deu uma resposta muito boa, porque era rico apenas em CBD. Aí a gente trocou para outro óleo meio a meio, CBD e THC, e foi quando Arthur teve toda uma resposta, só com 15 dias de tratamento”, relembra o pai do menino.

“Nós mesmos tínhamos muito preconceito com a planta, e isso foi tudo foi sendo quebrado com a busca pela informação, conhecendo profissionais, médicos, ativistas, psicólogos, participando de eventos, seminários”, conta a mãe da criança, a Fabrina Silva Santos, cabeleireira de 31 anos.

A criança recebeu a prescrição do médico Dr. Paulo Fleury Teixeira, especialista em medicina preventiva e coordenador de um estudo com canabidiol no tratamento do autismo na UFMG. A família iniciou então cursos de cultivo de Cannabis e, no ano passado, começaram a plantar: “a gente buscava uma maneira de garantir esse tratamento sem sofrer criminalização”, explica Fabrina.

A Universidade Federal de Pernambuco irá fazer a medição dos canabinoides presentes no óleo produzido pela família. Este é o 11º Habeas Corpus para cultivo individual de Cannabis no estado do Pernambuco em 7 meses. O primeiro saiu em dezembro de 2019. O casal compartilhou a conquista nas redes sociais com mensagens de agradecimentos às pessoas e entidades que participaram do processo.

“Aproveitamos o ensejo para agradecer ao professor José Antônio Alves, da UFPE; à advogada e ativista Débora Fonseca, da Reforma; à Dra. Luani e ao Dr. André Carneiro, defensores públicos da DPU; à sensibilidade e coragem do Dr. César Artur Cavalcanti de Carvalho, Juiz da 13ª vara Criminal Federal de Pernambuco; e aos companheiros da Associação Canábica Medicinal de Pernambuco (Cannape), da qual somos fundadores, que nos acolheu e apoiou com consultas e acompanhamento médico, pesquisas e orientação jurídica. Portanto, esperamos que, brevemente, muito mais famílias venham a ser beneficiadas através do cultivo associativo”.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email