Deputados têm confiança de que Projeto de Lei do plantio de Cannabis será aprovado

Paulo Teixeira e Luciano Ducci defendem que texto apresentado é único viável de aprovação e garantem ter o apoio das frentes do Agronegócio, Segurança Pública e Presidência
paulo teixeira coletiva online

Os deputados federais Paulo Teixeira (PT-SP) e Luciano Ducci (PSB-PR), presidente e relator da comissão da Cannabis medicinal na Câmara, concederam uma coletiva virtual nesta quarta-feira (19) para explicar o novo texto do Projeto de Lei 399/15, que legaliza o cultivo da espécie para fins medicinais e industriais no Brasil. Os políticos se mostraram confiantes de que o texto será aprovado na Casa.

A previsão dos parlamentares é de que a matéria seja votada em plenário em até três semanas, sendo que antes será realizada uma audiência pública. Como a pandemia mudou os ritos da Câmara, o texto precisará apenas de uma votação simbólica dentro da comissão especial da Cannabis, já que possui ampla maioria. Uma maioria que “está militando pela aprovação”, garante Paulo Teixeira.

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

A proposta cria regras para o plantio e produção de medicamentos e demais produtos pelo governo, empresas e associações de pacientes. Também autoriza produtos veterinários e alimentares. Porém, o texto não contempla o cultivo individual, que era uma demanda de 23 associações de pacientes que assinaram uma carta aos deputados pedindo a inclusão dessa via de acesso. Para Ducci, caso o plantio caseiro estivesse presente, todo o projeto seria derrubado:

Luciano Ducci (E) e Paulo Teixeira, relator e presidente da Comissão da Cannabis

“Se a gente colocar, vai inviabilizar. Isso não quer dizer que um deputado não pode apresentar uma emenda de plenário ao texto, colocando o cultivo. Mas se eu coloco de primeira, com certeza nós vamos para um ataque dos parlamentares, de que estamos nos propondo a liberar o uso de maconha no Brasil. Então é uma estratégia que a gente achou melhor não incluir”.

Teixeira, por sua vez, ponderou que o texto não proíbe o auto cultivo nem vai incidir sobre as a atuais e futuras liminares. Ele foi ao encontro do argumento de Ducci: “não temos força política que permita passar todos esses conteúdos”.

Pragmático, o presidente afirmou que, ao longo dos últimos meses, os membros da comissão especial conversaram e convenceram setores sensíveis à pauta, principalmente a Frente Parlamentar do Agronegócio, que “saiu satisfeita” da reunião.

“Discutimos também com a Frente Parlamentar da Segurança Pública e disseram serem favoráveis, conversamos com os evangélicos. O espectro político em defesa dessa matéria vai desde o PSOL, PT, PSB, PDT, todo o centrão – a proposta é de um deputado do PSD -, tem deputados do PP, do Podemos, do Cidadania e chegando no Novo e no PSL. Nós já abrimos inclusive um debate com o governo”.

Segundo Teixeira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) “é claramente favorável” à pauta.

Coletiva de Imprensa – Texto substitutivo da regulamentação do uso medicinal da Cannabis no Brasil

Coletiva de Imprensa – Texto substitutivo da regulamentação do uso medicinal da Cannabis no Brasil

Posted by Paulo Teixeira on Wednesday, August 19, 2020

Necessidade de receita

Os políticos foram questionados sobre a manutenção da exigência de receita para produtos com apenas CBD, ou seja, sem o componente psicoativo da planta. Isso porque na América do Norte e União Europeia, óleos terapêuticos sem THC são classificados como suplemento alimentar.

Luciano Ducci explicou que essa questão de receituário é de competência da Anvisa e que já existe uma Resolução de Diretoria Colegiada sobre o assunto. Por isso, apenas uma nova RDC da Agência Nacional de Vigilância Sanitária poderá reduzir essa burocracia.

Vias de acesso e flor in natura

Um dos temas mais debatidos na coletiva foi o Artigo 25 do PL, que proíbe a prescrição e venda de chás medicinais ou produtos de Cannabis “sob a forma de droga vegetal da planta”. Isso inviabiliza uma forma de acesso medicinal, que é o uso vaporizado da erva, sobretudo em pacientes com dor neuropática ou esclerose múltipla. 

Hoje a resolução da Anvisa prevê apenas as vias de administração oral e nasal. Além do uso vaporizado, outras vias, como tópico e supositório não estão regulamentadas. Ducci explicou que para alterar essa condição, somente se um parlamentar apresentar alguma emenda ao texto original: “legalmente não vejo como resolver isso. Tem que ver se algum partido vai apresentar emenda e se ela se se sustenta juridicamente”.

>>TELEMEDICINA. Seu diagnóstico simples, rápido e onde estiver. Agende uma consulta

Associações de pacientes

Conforme o deputado Paulo Teixeira, o texto cria diferenças claras nas exigências da indústria e das ONGs que atendem milhares de pacientes hoje no Brasil.

“Para as associações, se assemelha às farmácias vivas do SUS e um tempo de adaptação de 2 anos, com certificação das universidades. Não se trata de registro de medicamento. Nós não estamos dando o mesmo status às associações como a produção das indústrias. As indústrias produzirão um medicamento registrado. As associações, um produto certificado pelas universidades”.

Próximos ritos

Caso seja aprovado por maioria simples no plenário da Câmara dos Deputados, o texto segue para votação no Senado Federal. Não tendo alterações no Senado, irá à sanção do presidente da República. A confiança do deputado Paulo Teixeira é tanta que ele acredita que o Jair Bolsonaro aprovará o texto: “nós temos a líder do governo do nosso lado, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP)”.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email