Cannabis pode prevenir e até tratar Covid-19, diz estudo dos EUA

cannabis coronavirus

Cientistas descobriram uma maneira de tratar infecções por Covid-19 e a resposta parece ser incomum: é a maconha. Os pesquisadores descobriram que a Cannabis contém compostos que podem prevenir a infecção pelo vírus da Covid-19, bloqueando sua entrada nas células.

Segundo um estudo publicado na última segunda-feira (10) na revista científica Journal of Natural Products, alguns compostos de planta podem bloquear o SARS-CoV-2, prevenindo assim a Covid-19. O segredo está em dois ácidos canabinoides que podem ser encontrados no cânhamo (planta da espécie Cannabis sativa).

O estudo descobriu que o ácido canabigerólico (CBGA) e o ácido canabidiólico (CBDA) podem se ligar à proteína spike do SARS-CoV-2, o vírus que causa o coronavírus. Essa ligação pode impedir que o vírus entre nas células e cause infecção.

A proteína spike é a mesma parte do vírus alvo das vacinas Covid-19 e terapias de anticorpos. Os ácidos canabinóides não são substâncias controladas como o THC, o ingrediente psicoativo da maconha, e têm um bom perfil de segurança em humanos, garantem os cientistas.

“Esses ácidos canabinóides são abundantes no cânhamo e em muitos extratos de cânhamo”, disse Richard van Breemen, o principal cientista do estudo.

Cânhamo é justamente a variedade da Cannabis com traços de THC.

O estudo também descobriu que o CBDA e o CBGA bloquearam a ação de variantes emergentes do vírus que causa o Covid-19. As variantes emergentes são uma das principais preocupações enfrentadas pelas autoridades de saúde que lutam contra a pandemia.

De acordo com os dados, o CBDA e o CBGA são eficazes contra as variantes alfa e beta do Covid-19.

“Essas variantes são bem conhecidas por evitar anticorpos contra a linhagem inicial SARS-CoV-2, o que é obviamente preocupante, uma vez que as atuais estratégias de vacinação dependem da proteína de pico da linhagem inicial como antígeno”, disse van Breemen.

Embora variantes resistentes ainda possam surgir em meio ao uso generalizado de canabinóides, os pesquisadores esperam que uma combinação de vacinação e tratamento com CBDA/CBGA crie um ambiente muito mais “desafiador para SARS-CoV-2”.

A interrupção pelos ácidos canabinóides pode interromper a infecção e impedir que ela progrida ainda mais. O uso de compostos que bloqueiam a interação vírus-receptor tem sido útil para pacientes com outras infecções virais, como HIV-1 e hepatite.

Esses ácidos do cânhamo atuam como inibidores de entrada nas células e podem ser usados ​​para prevenir infecções por Covid-19 e até encurtar infecções, impedindo que partículas virais infectem células humanas.

CBDA e CBGA são produzidos pela planta de cânhamo como precursores de CBD e CBG, que são familiares a muitos consumidores. No entanto, eles são diferentes dos ácidos e não estão contidos nos produtos de cânhamo.

Enquanto aguardam mais pesquisas, van Breemen observou que os canabinóides podem ser desenvolvidos em medicamentos para prevenir ou tratar o Covid-19.

“Esses compostos podem ser tomados por via oral e têm uma longa história de uso seguro em humanos”, observou van Breemen. “Eles têm o potencial de prevenir e tratar a infecção por SARS-CoV-2”,

Van Breemen, Ruth Muchiro da Faculdade de Farmácia e do Instituto Linus Pauling e cinco cientistas da OHSU identificaram os dois ácidos canabinóides por meio de uma técnica de triagem baseada em espectrometria de massa inventada no laboratório de van Breemen.

A equipe de Van Breemen examinou uma variedade de produtos botânicos usados ​​como suplementos alimentares, incluindo trevo vermelho, inhame selvagem, lúpulo e três espécies de alcaçuz.

As descobertas podem potencialmente oferecer novas soluções para enfrentar a pandemia. Os cientistas também estão trabalhando na descoberta de outro composto para interromper o coronavírus, derivado do alcaçuz, que se liga de forma semelhante à proteína spike.

As informações são do Journal of Natural ProductsOregon State University

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email