Intoxicações por comestíves de maconha crescem 1600% dos EUA

Comestíveis de Cannabis

Comestíveis de Cannabis, que aqui no Brasil ainda são proibidos – com exceção das gomas de CBD importadas – são febre há alguns anos na América do Norte. As versões com THC ajudam a controlar dor, náusea e ansiedade, mas também são usados para fins recreativos.

A venda desses produtos, muitas vezes apresentados como jujubas, biscoitos e brownies, fizeram disparar o número de chamadas de emergência nos Estados Unidos para crianças pequenas que acidentamente ingerriam as guloseimas de adulto.

Somente em 2021, o Centro de Controle de Envenenamento de Nova Jersey auxiliou no tratamento médico de mais de 150 crianças que comeram maconha. Destes, quase 100 tinham 5 anos ou menos.

A nível nacional, foram 187 exposições a comestíveis de maconha entre crianças de 12 anos ou menos nos Estados Unidos em 2016, de acordo com dados da Associação Americana de Centros de Controle de Venenos. Em 2020, esse número subiu para mais de 3.100 – com a maioria das crianças com 5 anos ou menos. Ou seja, as intoxicações de crianças por comestíves de maconha cresceram 1600% dos EUA em quatro anos.

“Geralmente são crianças de 2 a 6 anos de idade. Quase sempre envolve produtos comestíveis em forma de brownies ou biscoitos ou outras coisas que as crianças podem razoavelmente pensar que são boas para comer “, explicou o Dr. Eric Lavonas, toxicologista da Rocky Mountain Poison and Drug Safety em Denver.

“As crianças chegam muito alteradas e incapazes de se comunicar com o ambiente, muitas vezes vomitando”, disse ele. “O maior perigo é garantir que não seja outra coisa e que a criança não fique desidratada.”

Cannabis ingerida como alimento em grandes quantidades, sobretudo por crianças, pode resultar em efeitos colaterais físicos e mentais indesejados que variam em gravidade. E quando comparado ao consumo de Cannabis, os efeitos dos comestíveis são muitas vezes retardados, o que pode levar a um consumo excessivo não intencional, representando um perigo real para as crianças.

Um estudo publicado na revista Pediatrics em outubro passado comparou a incidência de crianças consumindo acidentalmente comestíveis com maconha antes e depois que esses produtos foram legalizados em 17 estados nos EUA e no Canadá em outubro de 2018. Os pesquisadores descobriram um aumento significativo na incidência de crianças menores de 11 anos consumindo acidentalmente comestíveis e pais pedindo atendimento médico de emergência no período pós-legalização.

Curiosamente, os pesquisadores também descobriram que, embora as taxas de visitas ao pronto-socorro tenham aumentado pós-legalização, a taxa de mudança permaneceu a mesma entre os dois períodos. Isso indica que a incidência de Crianças consumindo acidentalmente comestíveis continuou a um ritmo constante, sugerindo que esse problema já existia antes da legalização.

Mesmo em estados que não legalizaram, os autores observaram que o aumento do acesso a formas medicinais ou ilícitas é generalizado, o que pode contribuir para o aumento do número de crianças ingerindo alimentos.

“Esses produtos se tornaram mais acessíveis e disponíveis, pois a maioria dos estados tem acesso à maconha medicinal e/ou recreativa legal”, disse Kaitlyn Brown, diretora clínica da Associação Americana de Centros de Controle de Venenos.

Infelizmente as crianças, ao contrário dos adultos que consomem comestíveis, correm um risco significativamente maior de efeitos colaterais graves. Esses efeitos podem incluir dificuldade para respirar, perda de coordenação, sonolência e convulsões. As crianças podem até precisar ser internadas em uma unidade de terapia intensiva em casos extremos.

O relatório de pesquisa toxicológica publicado nos Annals of Emergency Medicine de 2017 descreve um grupo de participantes de uma festa de aniversário que comeram gomas de THC sem querer. Das 21 pessoas, 12 eram crianças que tiveram que ir ao hospital.

“Embora os efeitos potencialmente mortais sejam, felizmente, muito raros, eles também são evitáveis”, disse Calello.

“Uma visita ao pronto-socorro pode ser assustadora para crianças e pais. Portanto, o armazenamento seguro desses produtos são uma pequena maneira de evitar um problema potencialmente grande.”

Os especialistas da Rutgers oferecem estas dicas para ajudar a manter os alimentos seguros e longe das crianças:

  • Armazene comestíveis (ou qualquer produto de Cannabis) da mesma maneira que faria com medicamentos – em um local seguro / trancado, fora da vista e do alcance de crianças e animais de estimação.
  • Preste muita atenção à potência comestível (concentração de THC)
  • Limite a quantidade de produtos comestíveis na casa em um determinado momento.
  • Compre apenas produtos licenciados de Cannabis

As informações são do Consumer Health Day

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email