Cannabis & Saúde

Cientistas identificam maconha sintética inédita apreendida no Paraná

Droga teve moléculas modificadas em laboratório para dificultar a identificação, porém não enganou os cães farejadores da Polícia Federal
Maconha sintética teve moléculas modificadas em laboratório para dificultar a identificação (Receita Federal PR/Divulgação)

A Receita Federal no Paraná informou na semana passada que apreendeu um entorpecente até então desconhecido da comunidade científica. A droga estava em uma correspondência enviada dos Países Baixos para os Correios de Pinhais. Segundo a Universidade Federal do Paraná, trata-se de uma Cannabis sintética. Cientistas da UFPR decobriram que o produto teve as moléculas modificadas em laboratório para dificultar a identificação, tanto por cães farejadores, como em testes de laboratório.

A apreensão ocorreu em 18 de agosto deste ano e foi informada pela Receita na semana passada.  O órgão informou à Folha de SP que a alteração da droga não impediu que dois cachorros identificassem a presença de maconha na embalagem. Antes, a correspondência já havia sido identificado como suspeito pelo scanner do Centro Internacional dos Correios, em Pinhais. Os animais foram necessários para reforçar a necessidade de abrir o material.

O local recebe todas as encomendas de pequeno porte vindas do exterior ao Brasil, que são posteriormente encaminhadas para seus destinatários a todos os estados.

No caso dos cinco pacotes onde estava a nova maconha sintética, acrescentou a Receita Federal, eles seriam despachados para São Paulo. Ao todo, foi apreendido 1,2 kg da droga, que está sob a responsabilidade da Polícia Federal.

No dia seguinte à apreensão, amostras foram encaminhadas para o Centro de Ciências Forenses do Departamento de Química da UFPR para serem analisadas.


Segundo o professor Andersson Barison, coordenador do Laboratório Multiusuário de Ressonância Magnética Nuclear da UFPR, ele e sua equipe constataram, após um dia inteiro de análises, que o entorpecente não havia sido registrada na literatura científica mundial.

“O que é chamada de maconha sintética não tem origem na planta. O canabinoide sintético é feito em laboratório e simula os efeitos (da Cannabis natural). O que esse canabinoide que identificamos tem de inédito é uma pequena modificação na molécula. Para enganar a legislação, fazem modificações na molécula, diferente das descritas pela Anvisa, tornando difícil para as agências identificarem a substância como uma ilegal”, explicou à Folha.

O cientista disse ainda que os canabinoides sintéticos são uma classe de substância, com funções químicas características em algumas moléculas.

“Eles contam com um núcleo básico semelhante. O que fizeram foram pequenas modificações nesse núcleo básico da molécula. Como um exemplo, eles trocaram nitrogênio por cloro”.

A UFPR começou neste ano uma parceria com a Receita Federal, realizando análise não só de drogas, mas também de medicamentos e outros produtos, para verificar se são feitos de forma autorizada no Brasil.

Além das análises, a parceria também ajuda para a atualização de cães farejadores, que agora serão treinados para encontrar com maior facilidade a nova droga, em eventuais postagens futuras vindas do exterior.

“A perspectiva é de que a parceria traga bons frutos tanto para Receita Federal, que poderá aperfeiçoar a detecção de substâncias ilícitas em remessas internacionais e impedir o tráfico de drogas internacional, quanto para a UFPR que poderá proporcionar aos estudantes de graduação e de pós-graduação acesso a uma variedade maior de matérias-primas para realização de análises”, diz trecho de nota da Receita Federal.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email