Jovem encontra na Cannabis tratamento para os idosos de sua família

isabel-tratamento-cannabis

Alzheimer, dores constantes, depressão, ansiedade, glaucoma, gastrite: veja como a Cannabis transformou a família de Lucas Teixeira

Ebook: "30 patologias que podem ser tratadas com o canabidiol"

Conheça o CBD e todo seu potencial para o tratamento de 30 doenças e transtornos.

O que era para ser uma cirurgia pouco invasiva no canal da uretra mudou para sempre a vida de Darcy da Silva, aos 82 anos. Ao retornar para casa, seu estado mental passou a ser problemas. O médico chamou de “Pacote Cirúrgico”, um nome mais simples para a disfunção cognitiva pós-operatória (DCPO), que muitos pacientes idosos sentem ao ao serem submetidos a procedimentos com anestesia.

Darcy nunca se recuperou. Algum tempo depois veio um novo diagnostico: estava com Alzheimer. Ao ver o quadro piorar aos poucos, seu filho, Lucas Teixeira, hoje aos 28 anos, saiu em busca de algum tratamento.  “Sempre que ia a um neurologista, se repetia a mesma coisa”, conta.

Tratamentos para Alzheimer

“São dois os tratamentos convencionais de Alzheimer. Um ele usou por um ano e meio e paramos, pois não deu nenhum resultado. O outro, assim, que começamos, piorou muito a condição e a gente teve que parar imediatamente.”

Seu quadro foi ficando cada vez mais delicado, mas o ápice chegou em meados de 2020. “O Alzheimer tem muitos altos e baixos. Os períodos de baixa estavam muito complicados. Passamos meses por uma fase muito difícil. De dia, ficava catatônico. De noite, vinha o terror noturno. Vira outra pessoa. Não dorme. Eu e minha mãe também não dormíamos mais.”

A situação estava tão grave, que chegaram a pensar que logo Darcy morreria. “Eu nunca vou esquecer uma conversa que tive com meu irmão em agosto do ano passado”, lembra Lucas. “Ele disse que se fosse a hora do pai, que a gente teria que aceitar, mas eu sentia que não era a hora. Tinha que haver alguma esperança.”

Alzheimer e Cannabis medicinal

E havia, mais perto do que imaginava. Afinal, era amigo de Renan Abdalla, médico especialista no sistema endocanabinoide. “Eu morei um tempo nos EUA, bem na época que alguns estados começaram a legalizar. Sem muito conhecimento, eu sentia que a Cannabis poderia ajudar.”

Logo que o dr. Renan prescreveu o medicamento, e Darcy começou a usar, a esperança foi confirmada. “Sou muito sincero e não vou dizer que a memória dele voltou, mas a Cannabis estabilizou o quadro dele como nenhum outro”, comemora.

“Voltou a dormir normal e recuperou ele como pessoa. Tem momentos que conseguimos conversar, socializar”, continuou. “Com o Alzheimer, a gente percebe o ser da pessoa sumindo. Por mais que seja limitado as coisas que ele faz, eu reconheço o meu pai ali. Às vezes são curtos períodos de tempo, mas já é o suficiente para a gente. Com 86 anos, diagnosticado há muito tempo e com quadro controlado.”

Cannabis no tratamento da depressão

O sucesso no tratamento de Darcy, no entanto, não é o final da história. Pois, percebendo os benefícios com seu pai, pensou que poderia servir para outras pessoas de sua família. Izabel Ramos, uma avó de criação, com 82 anos, foi a próxima. Seu problema era menos grave, mas igualmente incômodo: depressão e ansiedade.

Os resultados foram melhores que a encomenda. “Ela também tinha um quadro sério de glaucoma, iniciou o tratamento com uma prescrição bem conservadora de Cannabis. Mantivemos por uns dois meses experimentais, e ela não mudou nada da medicação de glaucoma”, relata.

“Não cheguei a comentar com a oftalmologista de primeira. Tinha que ver a cada dela quando viu os resultados dos exames. A pressão no glóbulo ocular caiu muito. A oftalmologista não entendia como.”

Cannabis para toda a família

Em seguida foi a sua outra avó, essa por parte de mãe, Maria Bahls, com 86 anos. Com dores constantes por quedas acumuladas ao longo da vida, além de ansiedade e depressão, conseguiu sucesso no tratamento inclusive para a gastrite resultante do grande número de remédios que consumia.

“Eu percebi que a Cannabis é mais eficaz que qualquer das medicações que estavam disponíveis ara o tratamento deles”, afirma Teixeira. “É um medicamento que a gente compra com certa satisfação, mas não é nem um pouco barato. Nos vemos como privilegiados, pois está disponível no Brasil, é melhor que anos atrás, mas tanto em preço quanto em acesso há muito para ser conquistado.”

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email