Categorias: CultivoDestaques

“Um de nossos fornecedores denunciou e a polícia fez uma grande operação”, conta coordenador da Apepi

Na tarde de ontem, 26, policiais militares e civis, e guardas municipais entraram na fazenda da Apepi (Associação de Apoio à Pesquisa e a Pacientes de Cannabis Medicinal), no Rio de Janeiro, por conta de uma denúncia, para investigar os cultivos de Cannabis. Cinco viaturas pararam em frente à entrada, policiais pularam o portão e o arrombaram.

“A gente apurou que teve alguma denúncia de algum dos nossos fornecedores de serviço e a partir disso fizeram uma mega operação na região e aqui também”, conta Marcos Langenbach, coordenador geral da Apepi.

Assustados, os funcionários pediram o mandado, sem sucesso. Quando começaram a filmar, os policiais apreenderam os celulares. “Ficamos apreensivos, sem comunicação com as pessoas que estavam lá. Não sabíamos o que estava acontecendo”, diz Langenbach.

Quando entraram na sede e viram os banners, os ânimos se acalmaram. “Começaram a ver todo mundo uniformizado. As pessoas explicaram, mostraram o laboratório, entenderam que nosso trabalho é sério”, completa.

Falha de comunicação na polícia

Enquanto isso, no centro, Langenbach e Margarete Brito, coordenadora executiva da Apepi, acionavam os advogados e a própria Polícia Militar.

“Ontem foi um dia muito confuso, a gente tinha combinado de receber uma visita do serviço de inteligência da PM no dia seguinte [hoje]. Ligamos para o comandante e ele ficou ‘como assim estão entrando aí? Não estou sabendo disso’”, relata.

Vias judiciais

Os advogados da Apepi entraram em contato com a assessora da juíza responsável. O maior receio era que os policiais apreendessem as plantas. “Nossos advogados disseram: olha, 1,4 mil pacientes dependem desse óleo, se pegarem as plantas todos eles ficam sem remédio”.

Por fim, a juíza pediu um documento com o histórico da associação e revogou o mandado.

O vidro com CBG, levado pelos policiais, foi devolvido. E Manoel do Carmo, administrador da sede, e Diogo Fonseca, engenheiro agrônomo, que haviam sido levados para a delegacia também foram liberados.

A operação na fazenda durou cerca de duas horas.

 

Dia seguinte

Como combinado previamente, a PM visitou a Apepi na tarde de hoje. Dessa vez, não houve qualquer problema. “Eles foram lá para a polícia entender, ver que é uma coisa séria. O major saiu de lá dizendo ‘vimos a seriedade do projeto, podem contar conosco’”, comemora o coordenador.

Carol Castro

Postagens recentes

Inédito: Justiça autoriza 10 pacientes a plantar Cannabis em casa

Autorização coletiva permitirá o tratamento de doenças como depressão, epilepsia, enxaqueca, alcoolismo e se estende…

14 horas agora

Médico e paciente, psiquiatra conta como a Cannabis mudou sua vida

Vítima de atropelamento, com estresse pós-traumático, Caio Vieira encontrou tratamento na Cannabis, e agora amplia…

15 horas agora

Lúpus: o que é, sintomas, diagnóstico e tratamento com CBD

O lúpus é uma doença inflamatória autoimune, causada por uma reação anormal do sistema imunológico.…

22 horas agora

Família faz vaquinha para custear canabidiol para criança com microcefalia no RJ

Jogadores do Vasco estão envolvidos na campanha pelo tratamento do Yuri e vão doar itens…

2 dias agora

“A Cannabis me deu mais prazer em tratar pacientes”, diz neurologista

A doutora Christina Funatsu relata angústias e experiências em sua prática com Cannabis medicinal ……

2 dias agora

Sistema Imunológico: o que é, como funciona e importância

O sistema imunológico existe para conter ou rechaçar eventuais invasores com potencial de causar danos…

2 dias agora