“A Cannabis é o óleo da oportunidade” diz o médico prescritor Rodrigo Mistrinel

Médico canábico foca seu atendimento em pacientes com autismo, epilepsia, Alzheimer, câncer e dor crônica (fibromialgia e dores cervicais), usando a Cannabis como base do tratamento multidisciplinar.
Mistrinel-prescritor-cannabis

Rodrigo Mistrinel lida diariamente com doenças difíceis, mas mantém sempre o sorriso no rosto. “A risada é ferramenta poderosa, a doença já é sofrida”. O baiano que cresceu em Minas Gerais tem uma forte aliada, a Cannabis medicinal. Com ela, seus pacientes têm a certeza de que sempre haverá alguma melhora, o que empresta esperança e alegria até aos tratamentos mais graves.

Mistrinel cresceu em Poços de Caldas e fez medicina em Itajubá. Aos 24 anos, já formado, mudou-se para São Paulo, onde trabalhou para a iniciativa privada. Por indicação de uma amiga, que cursava medicina integrativa na Unifesp, encontrou curso similar no Hospital Albert Einstein. Mistrinel já tinha despertado para a ideia de que o modelo doença-remédio não resolve, por isso preferiu a ideia de integrar tratamentos. Lá, aprendeu as linhas gerais do que é tradicional e alternativo ou complementar. Entendeu também que o conceito de tradicional varia em cada cultura. Conheceu a fitoterapia, acupuntura, mindfulness (foco), cristais, frequencial com tecnologia quântica.

30 patologias

Ebook: "30 patologias que podem ser tratadas com o canabidiol"

Conheça o CBD e todo seu potencial para o tratamento de 30 doenças e transtornos.

Entrada para a Cannabis

Foi também na especialização que conheceu a Cannabis medicinal – na faculdade, só sabia da recreativa e se lembra apenas de uma menção do professor de bioquímica no segundo ano, sobre a descoberta do sistema endocanabinoide. 

Mesmo no Einstein, Mistrinel lembra que as noções sobre Cannabis foram bastante básicas. Interessado, tinha uma amiga que já estava prescrevendo: “juntei nela”, conta Mistrinel, que queria aprender. Foi baixando livros e pesquisas na internet, ia a palestras e cursos.

“Sou vegano em casa e vegetariano socialmente”. Mas nem sempre foi assim. Mistrinel era conhecido na faculdade como ‘bacon’, porque fazia churrasco três vezes por semana e fazia piada de quem não comia carne.

Com os estudos e o projeto Consciência Integrada em saúde que já tem dois anos, ele fala e divulga o que é o modelo integrado, a limpeza e fortalecimento do sistema imunológico pela mudança de hábitos, trabalho emocional e mental num processo energético. Junto com profissionais multidisciplinares como Lucyanna Kalluf (nutricionista), Elainne Ourives (psicoterapeuta) e Cristiano Valentim (médico), ele viu como “nosso corpo é vegetariano”. Para Mistrinel, a carne faz mal para o planeta e para o nosso corpo e é a maior causadora de câncer do intestino.

“Gente, estou prescrevendo Cannabis”

Foi com essa alegria que Mistrinel começou a receitar o medicamento. No início era um tratamento complementar, mas logo se tornou a estrela de suas prescrições. 

Em janeiro deste ano, com o paciente Junior, autista severo de 43 anos, Mistrinel montou um plano de atendimento com biomédica, terapeuta, nutricionista fitoterápica, cardiologista, massagista e até terapeuta de primeira infância.

>> TELEMEDICINA. Seu diagnóstico simples, rápido e onde estiver. Agende uma consulta

Ele chegou nesse modelo depois das vivências práticas e a ideia de que precisava juntar as modalidades de tratamento para começar por uma limpeza e fortalecimento dos seus pacientes. A primeira consulta é de uma hora, e Mistrinel faz uma avaliação completa: medos, dúvidas, interações medicamentosas dos pacientes. Ele já foca no desmame de remédios, limpeza do fígado e intestino. 

A estratégia para o óleo adequado

Com o tempo, Mistrinel descobriu que seus pacientes tomam os mesmos medicamentos, e sabe, por exemplo, que autistas têm dificuldades no sistema digestivo e são propensos à disbiose (desequilíbrio da flora intestinal). “Leite, carne e glúten são como heroína para o autista”, ele explica.

Com isso, ele cria uma estratégia de tratamento, e já receita o óleo mais adequado. O paciente também sai como os contatos de Mariane Pallinger (biomédica) e Cristiane Palacios (terapeuta canábica), com direito a um mês de acompanhamento, muito importante porque o óleo pode precisar de ajuste. “Por mexer no sistema inteiro, acontecem efeitos de estimulação e inibição”, alerta Mistrinel. Ele conta que pode acontecer tontura, queda de pressão e taquicardia. Segundo ele, “cada pessoa é um universo, mas ninguém nunca morreu de maconha”. 

As terapeutas ainda orientam a dieta de forma detalhada: cardápio, o que e como substituir alimentos. “Mas aos poucos, não adianta puxar o tapete de uma vez”.

Associações como parceiros

Os óleos que receita são das associações como a Flor da Vida e a Associação Brasileira de Apoio Cannabis e Esperança (ABRACE). Ele também tem uma equipe jurídica para ajudar o paciente caso ele precise de um habeas corpus para adquirir. Quando o óleo chega, as terapeutas fazem acompanhamento diário por uma semana através de grupo no Whatsapp. Se houver alguma urgência, Mistrinel volta à cena. O paciente também recebe a orientação de fazer um diário com horários de alimentação, rotina, o que comeu e como reagiu. Esse acompanhamento é de um mês. Depois desse mês, o paciente ainda pode optar pelo segundo módulo, onde vai seguir para tratar outras questões com moxa (aplicação de calor), acupuntura e alongamentos, por exemplo. 

Mistrinel vai entrar na Sociedade Brasileira de Estudos Canábicos, e está animado porque vai receber pesquisas e participar de congressos. Ele se diverte ao lembrar que, desde antes de começar a prescrever Cannabis, há um ano e meio, já vinha de uma realidade de preconceito por ser um médico “diferentão”, que gosta de cristais. Só que, com a experiência, veio o reconhecimento. Um exemplo é o pronto socorro onde trabalha também, quando resolve problemas que ninguém consegue resolver. Por isso acredita que os tratamentos com Cannabis já estão em terreno sólido, e os que teimarem em ter preconceito ficarão para trás. Para Mistrinel, a falta de conhecimento sobre a Cannabis já não se deve mais à falta de informação científica, mas à forma de passar essa verdade. “Não tem como negar a Cannabis, o problema agora é mais a comunicação do que de compreensão. É um caminho sem volta”.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email