Cannabis & Saúde

5 livros brasileiros sobre a Cannabis medicinal

São leituras voltadas, tanto para pacientes e familiares, quanto para profissionais que desejam entrar nesse mercado, que é chamado de Medicina do Século XXI
livros cannabis

O maior obstáculo para o desenvolvimento da Cannabis medicinal no Brasil é a falta de informação, o preconceito. Tanto por políticos e sociedade, mas principalmente pela classe médica, afinal menos de 2 mil médicos prescrevem Cannabis no país diante de mais de meio milhão de profissionais. Por isso, trazer conteúdos de qualidade, sob a luz da ciência, é uma das missões do portal Cannabis & Saúde.

Além da cobertura jornalística diária do portal, nós também produzimos conteúdos informativos sobre a Medicina Canabinoide e-books aprofundados, alguns gratuitos, outros com valores totalmente acessíveis. Você pode conhecê-los na nosa Biblioteca Virtual  do Cannabis & Saúde.

canhamo industrial brasil onde encontrar medico para prescricao

Agende uma consulta com médicos prescritores de Cannabis Medicinal.

O sistema de agendamento de consultas foi criado com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você à profissionais sérios e habilitados para lidar com as mais diversas patologias nas quais o tratamento com CBD é recomendado

Mas hoje, decidimos indicar cinco livros nacionais para quem busca o conhecimento sobre esta planta que é chamada por muitos cientistas como a Medicina do Século XXI.

São leituras voltadas, tanto para pacientes e familiares em busca de tratamento, quanto para profissionais que desejam entrar nesse mercado, seja da Saúde, Direito, Engenharia, Comunicação, entre outros.

Os dois primeiros são livros históricos, para o leitor entender como o Brasil foi um dos maiores produtores de Cannabis por séculos, até o período de perseguição aos escravizados recém libertos, que culminou na proibição da maconha, uma política que persiste há 90 anos no País e que finalmente está sendo revista.

As obras seguintes falam sobre as últimas descobertas da ciência para os usos medicinais da Cannabis, mas também sobre legislação e mercado.

Tratado Sobre o Cânhamo de 1728 (2021)

Tratado sobre o canhamo, de 1728 – Faria e Silva Editora

São dois textos do Século XVIII encomendados pelo imperador Dom Pedro para fomentar o plantio do cânhamo (a Cananbis sem THC) em terras brasileiras. Trata-se de um apanhado de recomendações e orientações sobre o cultivo, tangenciando seus fins medicinais já em época tão remota.

A obra fomenta a discussão sobre esse plantio tão importante para a economia mundial nos dias de hoje, não somente pelas questões medicinais da cannabis sativa, mas também pelo valor econômico de sua fibra e valor ambiental de uma planta que recupera e não degenera a terra em que é cultivada.

Uma curiosidade editorial apresentada em seu texto original, sem atualização ortográfica ou correções de erros tipográficos comuns numa imprensa ainda incipiente, mostrando historicamente o valor desta planta e convidando a uma pesquisa mais atualizado dos ganhos que obtiveram os países que aderiram e liberaram o seu cultivo.

Maconha: Coletânea de Trabalhos Brasileiros (1958)

Maconha: coletânea de trabalhos brasileiros – Wikipédia, a enciclopédia  livre

Saltamos do período próspero da Cannabis no Brasil para a era do proibicionismo e da pseudociência. A maconha foi tornada ilegal no país na esteira de outras proibições que tinham como objetivo perseguir a cultura negra: o samba, o candomblé e a capoeira também tiveram o mesmo destino.

Então, no ano de 1956, o Ministério da Saúde organizou uma reunião nacional sobre a maconha. O resultado do encontro foi publicado 2 anos mais tarde na forma deste livro. Os artigos se mostram como um importante registro histórico da Cannabis no Brasil. Os trabalhos foram cunhados sob diversos títulos alarmantes, como, por exemplo, “os males da maconha”, “maconha – ópio do Brasil”, “maconhismo e alucinaçóes”.

Vinte e oito artigos estão presentes nesta publicação. Todos descrevem e comentam efeitos da maconha em usuários, sem maiores detalhes de metodologia ou resultados de pesquisa experimental.

Os autores, de vários estados do país, revelam até pelos títulos de suas contribuições uma postura mundial comum àquele período: condenação pura e simples da maconha como se fosse uma droga diabólica (“Os fumadores de maconha: efeitos e males do vício”; “Sobre o vício da maconha”; Vício da diamba”; “O cânhamo ou diamba e seu poder intoxicante”; “Os perigos sociais da maconha”; “Aspectos do maconhismo em Sergipe”; “Diambismo ou maconhismo: vício assassino”; “A ação tóxica da maconha produzida no Brasil”; “Estudo dos distúrbios nervosos produzidos pela maconha”, entre outros).

Maconha, Cérebro e Saúde (2007)

Maconha, Cerebro E Saude | Amazon.com.br

Este livro abriu os caminhos no Brasil para uma discussão cuidadosa sobre os benefícios terapêuticos da Cannabis. E segue atual em sua missão de derrubar preconceitos – ainda mais em tempos de pós-verdade. Escrito pelo neurocientista Dr. Sidarta Ribeiro e o neurologistas Dr. Renato Malcher-Lopes, foi lançado em 2007, quando falar de maconha era ainda mais difícil.

Apesar de sua milenar reputação medicinal e de sua grande relevância como droga de uso adulto e religioso, até recentemente muito pouco se sabia sobre os mecanismos de ação da maconha no cérebro e no corpo. A partir da década de 1990, contudo, a descoberta de que o cérebro produz ele mesmo moléculas semelhantes aos princípios ativos da maconha impulsionou enormes avanços científicos.

Foi possível não somente a compreensão da ação biológica da planta, mas também o entendimento do próprio funcionamento do cérebro e da fisiologia animal. Assim, o conjunto de informações atualmente disponíveis estimula um novo olhar sobre os efeitos psicológicos e comportamentais da maconha, permitindo também analisar, com bases mais sólidas, os riscos de seu uso abusivo e os benefícios de seu potencial terapêutico.

Cannabis Medicinal no Brasil (2021)

Livro 'Cannabis Medicinal no Brasil' ajuda profissionais a entrarem no  setor - Cannabis & Saúde

Este é o primeiro livro no mercado editorial brasileiro a abordar o tema da Cannabis de forma multidisciplinar. Com artigos de 12 profissionais, o objetivo da obra é auxiliar os profissionais das áreas da saúde, Direito, pacientes, investidores e empreendedores a se relacionarem melhor com o assunto.

O livro traz uma visão atual por meio de análises de profissionais e as possíveis oportunidades no Brasil. A publicação aborda uma perspectiva terapêutica, farmacêutica e científica que vem modificando a maneira de pensar de milhões de pessoas ao redor do mundo sobre a planta. De acordo com o organizador, muitas pessoas desconhecem o assunto Cannabis Medicinal e, por questões pessoais, passam a estereotipar a planta associando-a a comportamentos não adequados.

Um dos mais completos livros já escritos no Brasil sobre o tema, o “Cannabis medicinal: baseado em fatos”, chega às livrarias no próximo mês de outubro, pela Editora Agir. Resultado de uma longa pesquisa na literatura científica, foi escrito pelo médico especialista, dr. Mario Grieco.

Cannabis Medicinal: Baseado em Fatos (2021)

O uso de cannabis para fins medicinais ganha um grande livro | Ancelmo - O  Globo

“O livro tem como objetivo principalmente educar os médicos, pacientes e indivíduos que têm interesse em conhecer a Cannabis medicinal”, conta o médico Dr. Mário Grieco, autor da obra.

A publicação busca explicar as diferenças entre os tipos de Cannabis existentes, sativa, indica e ruderalis, e acorda como os componentes contidos em cada uma delas podem ajudar no tratamento de diversas enfermidades. O livro é uma das formas que o médico encontrou para ajudar a expandir a conscientização sobre os benefícios do tratamento com a Cannabis.

O livro é uma das formas que o médico encontrou para ajudar a expandir a conscientização sobre os benefícios do tratamento com a Cannabis. “Eu espero que o livro venha a ajudar as pessoas a entenderem melhor o assunto e possam começar a falar bem da Cannabis medicinal”, conclui. “Não só criticar. Tem muita gente que critica porque não conhece. Foi entender isso que me motivou a escrever o livro.”

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email