Urina, insetos, fungos: o que se encontra na maconha prensada e o risco à saúde dos usuários

A falta de uma legislação para a Cannabis no país, tanto para fins medicinais como uso adulto, favorece a produção clandestina da planta, que chega ao consumidor repleta de contaminantes químicos e biológicos

No Brasil, o plantio da Cannabis, bem como a venda e a doação da planta configuram crime de tráfico de drogas, podendo acarretar em até 15 anos de prisão para pessoas detidas em flagrante. A Lei de Combate ao Tráfico de Drogas, em vigor desde 2006, tornou mais rígidas as penas para traficantes e propôs afrouxamento das penas para os usuários. O aumento exponencial da população carcerária, no entanto, tem gerado discussões sobre a eficácia das medidas sancionadas.

A subjetividade dos artigos propostos tem refletido diretamente no aumento do número de pessoas encarceradas por posse de substâncias ilícitas. De acordo com um levantamento realizado pelo Ministério da Justiça e a Secretaria de Administração Penitenciária, o número de presos por tráfico de drogas teve aumento de 508% apenas no estado de São Paulo nos últimos 12 anos.

Apesar de o uso pessoal da erva ser considerado apenas como uma contravenção, a falta de definições claras na Lei Antidrogas deixa margem para que a própria a polícia e os juízes interpretem o que é uso pessoal e o que é tráfico.

Além de causar impactos na segurança pública, a falta de legislações coesas sobre o consumo da Cannabis no país, tanto para fim medicinal como para o recreativo, abre espaço para a produção clandestina da planta, que pode representar sérios danos à saúde dos usuários.

A qualidade da cannabis no Brasil

Não existem pesquisas recentes sobre a qualidade da Cannabis que é consumida clandestinamente no país. Para o ativista na luta pela Legalização da Maconha e CEO da revista eletrônica Smoke Buddies, Dave Coutinho, não saber a origem do produto que é utilizado, medicinal ou de forma adulta, é um dos malefícios da ilegalidade.

“A maconha que chega ao Brasil vem, majoritariamente, de plantações ilegais do Paraguai, onde o cultivo, a colheita, o manuseio e o transporte são realizados sem cuidados e protocolos de segurança e higiene”, conta Coutinho.

A falta de processos faz com que a qualidade do produto o torne impróprio para o consumo.

“Além de não haver respeito com as etapas de colheita e secagem da planta, o que acarreta em proliferação de fungos e bactérias, é comum que os cultivadores prensem não só as flores, mas também galhos, sementes e até mesmo insetos presentes nas plantas”, afirma o cofundador da Smoke Buddies.

Sobre a utilização dessas plantas clandestinas para fins medicinais, a Prof. Dra Virgínia Martins Carvalho, que é docente da Faculdade de Farmácia da UFRJ e coordenadora do Projeto Farmacannabis, afirma que a planta produzida ilegalmente, por não possuir controle de qualidade, não apresenta qualquer dado confiável sobre eficácia para tratamentos de saúde.

“A droga vegetal clandestina pode conter contaminantes químicos e/ou microbiológicos acima de limites aceitáveis em relação à segurança da saúde humana, tais como, metais tóxicos e outras toxinas”, diz a doutora.

Para a coordenadora do Projeto Farmacannabis o uso saudável da planta só pode ocorrer num ambiente de regulação sanitária, diminuindo assim riscos de superdosagem e de contaminação por agentes nocivos.

“A planta prensada disponível no Brasil apresenta altos índices de THC e no caso do tratamento de convulsões, por exemplo, a propriedade efetiva utilizada é o CBD, o cânhamo. Já registrei casos de mães que compraram extrato oleoso clandestino e verificaram aumento no número de convulsões da criança pelo alto teor de THC”, conta a professora.

A legalização do cultivo dentro de parâmetros sanitários é fundamental para embasar os estudos sobre as propriedades medicinais da cannabis.

“A regulamentação do cultivo deve facilitar a realização de pesquisas básicas e tecnológicas aplicadas e relacionadas ao uso medicinal/farmacêutico e as condições de uso recreativo. A regulação sanitária é imperativa para melhoramento das condições de consumo”, finaliza Virgínia.

 

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar para você realizar uma consulta.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email