Surdos estão entre os grupos com dificuldades de acesso à informação sobre Cannabis

Freepik.es/jcomp

Por Rogério Godinho

Alvo de dores crônicas durante anos, o mineiro José Teixeira relutou para enxergar a Cannabis como uma solução. No início de 2019, uma amiga fez a sugestão. Em maio, foi a um evento da  Apepi (associação de Apoio à Pesquisa e Pacientes de Cannabis), no Rio de Janeiro. Pegou panfletos, assistiu a palestras. Somente depois disso ele se convenceu. Zezinho, como os amigos chamam, faz parte de um grupo em que a informação sobre Cannabis chega com dificuldade: ele é surdo. 

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

Essa dificuldade de determinados grupos obterem informação, surdos entre eles, é confirmada pela Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis (SBEC). É a conclusão de Fran Assis, líder do movimento fibrocannabis e coordenadora da Câmara Técnica de Fibromialgia da SBEC. 

De acordo com ela,  a primeira pessoa com surdez a ter acesso ao medicamento foi em fevereiro de 2019. “As informações não chegam a eles”, diz Fran. Não que a Cannabis seja utilizada para a surdez. O que acontece é que a condição dificulta o acesso a informações que poderiam ser úteis para o tratamento de outras enfermidades nesse grupo de pessoas. Para corrigir o problema, a SBEC (em parceria com o Movimento Fibrocannabis) começou a oferecer à comunidade surda acessos aos seus eventos. 

Zezinho

O caso de Zezinho mostra como essas iniciativas podem contribuir para reduzir o problema. O evento da Apepi era a Semana da Fibromialgia, que ocorreu entre 10 e 16 de maio de 2019. Na ocasião, Zezinho estava com mais dois surdos, mas não havia uma programação especial, nem tradução para libras. Faltava verba. Fran traduziu para o grupo.

Leia também: Fibromialgia e Cannabis: o que a ciência já sabe?

Um dos temas abordados no evento foi o uso de canabidiol para o tratamento de doenças crônicas, como a fibromialgia. A enfermidade provoca dores por todo o corpo, além de sintomas como fadiga, insônia, ansiedade, dificuldade de concentração e cefaleia. O uso não é novidade, há pesquisas desde 2011. Depois, em  2014, a Fundação Nacional da Dor americana descobriu o CBD aliviou a dor de 62% dos pacientes com fibromialgia. 

Zezinho voltou para Juiz de Fora, onde mora, convencido. Venceu a rejeição, ignorou os tabus e começou a usar em agosto do ano passado. Nesse caso, o óleo é aplicado embaixo da língua, local de fácil absorção e que evita sobrecarregar os rins, em caso de ingestão. 

Já no primeiro mês de uso, sentiu melhora sensível na dor e na depressão. 

De acordo com a SBEC, outros sete surdos também estão utilizando o óleo canabidiol com o mesmo objetivo. Em parte, pelo esforço da associação em informar, mantendo hoje dois grupos de surdos para quem levam conhecimento. Desde o ano passado, a associação e o movimento Fibrocannabis realizam eventos com esse objetivo nos perfis @sbecmed e @fibrocannabis no Instagram e no canal do YouTube da SBEC. Sempre que necessário, Fran faz a tradução para libras nos vídeos e conversa individualmente com os surdos por meio do Whatsapp.

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar para você realizar uma consulta.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email