Justiça determina inclusão no SUS de remédios à base de Cannabis registrados na Anvisa

De acordo com a decisão do TRF1, o governo deve providenciar a incorporação no SUS de produtos à base de canabidiol ou THC que venham a ser registrados e oferecer aos pacientes com prescrição médica
sus

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a União inclua medicamentos à base de Cannabis sativa já registrados pela Anvisa na lista de fármacos oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão foi publicada nesta segunda-feira (17) pelo Ministério Público Federal, autor da ação.

A corte acatou o pedido do MPF, negando assim o recurso do governo federal contra a mesma determinação de 1ª instância, de fevereiro de 2019. À decisão ainda cabe recurso, porém a Advocacia Geral da União não o impetrou.

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

Conforme o despacho do juiz federal Alex Schramm de Rocha, a União deve providenciar ainda a incorporação no SUS de outros produtos à base de canabidiol ou THC que venham a ser registrados, além de oferecer aos pacientes com prescrição e relatório médico.

Contudo, a decisão prevê a oferta “desde que as alternativas atualmente disponibilizadas pelo SUS para enfermidade não surtam efeitos no paciente”.

A sentença é oriunda de três ações movidas pelo Ministério Público Federal na Bahia. Uma que pede a inclusão destes medicamentos na lista do SUS e duas para pacientes específicos da cidade baiana de Eunápolis. O MPF solicitou que a União garantisse o tratamento com base nestes remédios para um portador de epilepsia refratária de difícil controle e a outro com Transtorno do Espectro Autista e crises convulsivas.

O TRF1 acatou os pedidos, mantendo as decisões de 1ª instância.

>> TELEMEDICINA. Seu diagnóstico simples, rápido e onde estiver. Agende uma consulta

Para advogada, decisão deve se estender às autorizações provisórias

Mestre em Saúde Coletiva, a advogada Ana Izabel de Holanda estuda novas formas de acesso ao tratamento com Cannabis, seja pelo SUS ou pelos planos de saúde. Ela também é responsável pelos trabalhos na subcomissão de Direito à Cannabis Medicinal da OABRJ. Para a jurista, a decisão só poderá ser comemorada caso se estenda às autorizações sanitárias provisórias desses remédios.

“O grande questionamento é se os medicamentos vendidos em farmácias e drogarias, através dessa autorização sanitária da Anvisa, que dura 5 anos, e nesses 5 anos tem que haver o registro sanitário, poderão ser incluídas na listagem no SUS”, esclarece. 

Ana explica que atualmente está sendo concedida pela agência uma autorização sanitária pela Resolução Normativa 327 da Anvisa, que é transitória.

“Porque se tiver que aguardar o registro definitivo, então realmente essa decisão, para começar a funcionar, vai demorar ainda mais”, conclui.

Hoje, apenas o Mevatyl possui registro da Anvisa. Além desse medicamento, indicado para esclerose múltipla, somente outro produto derivado de Cannabis é vendido em farmácia no Brasil, o CBD da Prati-Donaduzzi, que possui apenas a autorização sanitária e não registro.

Confira a íntegra da ação.

Número para consulta processual na Justiça Federal (PJ-e): – 1000181-84.2017.4.01.3310

Com informações do Ministério Público Federal na Bahia

Procurando por um médico prescritor de cannabis medicinal? Clique aqui temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email