Categorias: Cannabis

Remédio para bico de papagaio: tratamento à base de CBD

Embora incurável, existe remédio para bico de papagaio.

Essa é uma doença de múltiplas causas e que pode afetar cerca de 26,9% dos brasileiros, segundo um estudo publicado na Revista de Medicina da USP.

A deformação surge mais frequentemente na coluna vertebral, ainda que possa acometer outras articulações do corpo.

Dependendo da região atingida e de como isso impacta na qualidade de vida da pessoa, a doença pode até levar à incapacitação.

Os tratamentos conservadores, ou seja, à base de medicamentos, em geral proporcionam alívio em relação aos sintomas.

Contudo, em alguns casos, pode ser necessário recorrer a formas alternativas de tratá-la, afinal, cada um reage de uma maneira e nem sempre a cura está nos fármacos convencionais.

É onde o canabidiol (CBD) se destaca como um poderoso aliado para ajudar a superar as dores causadas por essa e outras doenças que afetam o sistema musculoesquelético.

Veja, neste conteúdo, o que o CBD pode fazer pelas pessoas que sofrem de bico de papagaio, onde encontrar médicos prescritores e muito mais.

O que é bico de papagaio?

Osteofitose é o nome científico da doença que, nos países de língua portuguesa, é mais conhecida como bico de papagaio. 

Consiste em um processo degenerativo no qual as bordas das vértebras da coluna criam uma espécie de esporão (ponta saliente).

O encontro das protuberâncias de cada vértebra assume normalmente um formato similar ao do bico de uma ave visto de lado – por isso, a doença é assim chamada.

Trata-se de uma deformidade que surge na coluna e que, como tal, provoca dores e outros sintomas associados.

Como vimos no início deste conteúdo, ela não tem cura, mas, com o devido tratamento, é possível levar uma vida normal e com qualidade.

Em virtude da semelhança dos sintomas, o bico de papagaio pode ser confundido em alguns casos com outra doença da coluna, a hérnia de disco.

No entanto, como veremos mais à frente, essas enfermidades são bastante diferentes e, por isso, pedem tratamentos distintos.

O que causa o bico de papagaio?

Ortopedistas creditam a maior parte dos casos de osteofitose a dois fatores que se alinham: a má postura e o envelhecimento.

Pessoas que não mantêm uma boa postura, com o tempo, fazem com que as vértebras permaneçam em atrito constante.

Assim, a resposta do organismo é formar estruturas que possam suportar o mau alinhamento da coluna.

Além disso, o bico de papagaio também pode ser causado por outras doenças, entre as quais se destacam:

  • Hérnia de disco
  • Artrite reumatoide
  • Artrose
  • Escoliose
  • Doenças autoimunes, como a espondilite anquilosante
  • Sedentarismo
  • Fraturas.

Desse modo, tanto homens quanto mulheres a partir dos 40 anos devem ficar atentos aos sintomas da condição.

Caso algum deles se manifeste, é fundamental procurar um médico ortopedista o quanto antes, já que a doença é progressiva e irreversível.

Confira, a seguir, quais são esses sintomas e de que forma eles se manifestam ao longo do tempo.

Remédio para bico de papagaio: Quais são os sintomas do bico de papagaio?

Como a maioria das doenças ósseas, o bico de papagaio apresenta sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida da pessoa acometida.

Tendo em vista a sua progressividade, é preciso buscar tratamento o quanto antes para que ela não provoque danos maiores.

Alguns deles podem até incapacitar para o trabalho, então, todo cuidado é pouco.

Dor nas costas e no pescoço

O sintoma mais comum da osteofitose é a dor localizada na região da lombar e do pescoço.

Essas são as áreas em que os esporões surgem mais frequentemente, em virtude da maior pressão exercida entre as vértebras.

Sensação de formigamento

Quando se manifesta na região cervical e lombar, o bico de papagaio causa uma sensação de formigamento.

No primeiro caso, a sensação aparece nos braços; no segundo, ela surge nas pernas.

Limitação dos movimentos

Os bicos que se formam à beira das vértebras acabam criando verdadeiras “travas” que restringem a amplitude dos movimentos da coluna.

Esse é mais um motivo para procurar ajuda médica o quanto antes para impedir o avanço da doença.

Rigidez

Se nada for feito, a tendência é que a formação dos bicos leve a pessoa a desenvolver rigidez nas articulações afetadas.

Em casos extremos, o paciente pode até perder a capacidade de se movimentar com naturalidade e, assim, se tornar inválido.

Bico de papagaio x hérnia de disco: quais são as diferenças?

É bastante comum que a osteofitose seja confundida com a hérnia de disco, doença que, segundo o IBGE, atinge cerca de 5,4 milhões de brasileiros com menos de 30 anos.

De fato, ambas apresentam sintomas muito parecidos e, se não forem diagnosticadas corretamente, podem ser confundidas.

A diferença principal está na região da coluna vertebral afetada.

Como vimos, o bico de papagaio é uma deformidade óssea que se manifesta na região mais externa das vértebras.

No entanto, entre cada uma delas existem os chamados discos vertebrais, que são formados por uma substância gelatinosa, cuja função é amortecer os impactos dos movimentos realizados pela coluna.

Quando o líquido contido nesses discos extravasa, ele escapa pelo espaço entre as vértebras, causando dores e formigamento que reflete nos membros, como na osteofitose.

Desse modo, cada doença deve ser tratada seguindo protocolos distintos.

Seja como for, em alguns casos, a única solução para a hérnia pode ser a cirurgia, assim como nos estágios mais avançados de bico de papagaio.

Remédio para bico de papagaio: como prevenir o bico de papagaio?

Os dois principais critérios que levam uma pessoa a desenvolver a doença, como você já sabe, são a má postura e a idade.

Assim sendo, quanto mais tempo levamos para corrigir uma postura ruim, mais chances de vir a ter bico de papagaio.

Por isso, a melhor forma de prevenir a enfermidade é manter sempre a coluna ereta quando estamos de pé e bem apoiada quando sentados.

Outro modo de evitar esse tipo de degeneração é a prática de esportes, afinal, o sedentarismo também é um fator de risco para a doença.

Embora a musculação seja particularmente benéfica, ela não é o único esporte que pode ajudar a preservar a coluna e a fortalecê-la contra condições degenerativas.

Portanto, vale conversar com o seu médico para que ele indique a modalidade mais adequada para o seu caso.

Mais uma maneira de prevenir-se do bico de papagaio é evitar carregar peso em demasia, já que a doença tem como causa a sobrecarga das vértebras.

Como é feito o diagnóstico de bico de papagaio?

A dor nas costas é o sintoma mais prevalente nas pessoas que sofrem de bico de papagaio.

No entanto, ele pode surgir em função de outras doenças, motivo pelo qual o diagnóstico da osteofitose deve ser feito por meio não só de anamnese, mas de exames específicos.

Os mais indicados são:

  • Raio-X da coluna vertebral
  • Exame de étude d’os (EOS), um novo tipo de radiografia que emprega menos radiação
  • Ressonância nuclear magnética
  • Tomografia axial computadorizada
  • Eletroneuromiografia
  • Cintilografia óssea.

Cabe ressaltar que dor nas costas é um sintoma bastante típico de outras doenças, muitas das quais até mais graves que a osteofitose.

Portanto, independentemente dos outros sintomas associados à condição, esse é um bom motivo para procurar um médico o mais rápido possível.

Afinal, a dor pode ser causada por problemas como apendicite, assim como ter origem em tumores.

Seja qual for o caso, somente um especialista pode prescrever os exames adequados e fazer um diagnóstico preciso.

Remédio para bico de papagaio: quais são os mais indicados no tratamento?

A osteofitose se manifesta de diferentes formas.

Em alguns casos, ela pode comprometer as estruturas nervosas da coluna, enquanto em outros não.

O médico também investigará se não há outros problemas que possam agravar o quadro, como eventuais reumatismos, além da postura do paciente e sua rotina ocupacional.

Normalmente, o tratamento conservador para bico de papagaio envolve o uso de medicamentos anti-inflamatórios e estimulantes que induzam a produção de cartilagem.

Paralelamente, podem ser prescritas medidas integrativas e não invasivas, como a acupuntura e a fisioterapia.

Também podem ser indicadas abordagens como a homeopatia, ozonioterapia medicinal ou homotoxicologia.

Já nos quadros mais avançados, talvez a cirurgia seja a única solução.

Ela pode ser minimamente invasiva, como a radiofrequência e o tratamento com laser, podendo ainda serem recomendadas terapias endoscópicas e, em última circunstância, uma artrodese.

No entanto, raros são os casos que requeiram cirurgia sem antes tentar uma abordagem conservadora.

Isso geralmente só acontece com aqueles que desenvolvem a síndrome da cauda equina, na qual o paciente sofre perda de movimentos dos membros inferiores, entre outros sintomas.

Tratamento para bico de papagaio com medicamentos à base de CBD

Sendo uma doença progressiva, o bico de papagaio deve ser tratado conforme o estágio em que se encontra.

Dessa forma, quem está nas fases iniciais pode não ter problemas para controlar a dor e o incômodo causado pela calcificação que lhe é característica.

No entanto, há casos em que a doença provoca dores e sintomas mais severos, o que pode levar o paciente a ter que tomar outros tipos de medicamento.

Quando isso acontece, o tratamento se torna mais difícil, já que, em geral, a combinação de fármacos pode causar efeitos adversos.

Assim, um recurso indicado é o tratamento com canabidiol, em virtude das suas propriedades anti-inflamatórias que conheceremos mais à frente.

Ele vem sendo utilizado como remédio contra a dor no cuidado de uma série de doenças, o que o torna recomendado em alguns casos de osteofitose.

De qualquer forma, nunca é demais lembrar que essa é uma substância controlada e, como tal, só pode ser comprada com receita médica.

O que é CBD?

CBD é o acrônimo para canabidiol, um dos mais de 100 canabinoides encontrados nas plantas pertencentes ao gênero Cannabis.

Além de ter muitas propriedades medicinais, essa é uma substância que pode ser usada para outras finalidades.

Com ela, podem ser produzidos de cosméticos a produtos alimentícios, portanto, existe toda uma variedade de aplicações que fazem do CBD um grande aliado da saúde e do bem-estar.

No entanto, seu uso ainda não é tão difundido porque a regulamentação é recente e, em parte, devido à desinformação e preconceito quanto ao uso medicinal da planta da maconha.

Para que serve o CBD?

Não é recente o uso da Cannabis como recurso terapêutico.

Há milhares de anos, o homem a vem cultivando com o intuito de aproveitar suas incontáveis propriedades curativas.

Em termos medicinais, a difusão do canabidiol passou a ser mais intensa depois da descoberta do sistema endocanabinoide.

Revelado pelo pesquisador Raphael Mechoulam, esse sistema é o responsável por estabelecer o equilíbrio das reações orgânicas (homeostase), entre outras funções.

Nele, são criados e distribuídos pelo corpo os endocanabinoides, neurotransmissores que todos nós produzimos naturalmente.

Ao ingerir CBD, favorecemos o trabalho deles, acelerando as reações bioquímicas que levam à regeneração de tecidos ou ao reequilíbrio de funções orgânicas.

Fora isso, como vimos, o canabidiol é uma substância extremamente versátil, com incontáveis aplicações já conhecidas.

Embora a ciência ainda não tenha respostas conclusivas quanto ao seu uso, há diversos estudos que sugerem sua eficácia.

Entre as muitas possíveis utilidades, está o tratamento de problemas articulares e ósseos, como a osteofitose.

Quais são as propriedades medicinais do CBD que auxiliam no tratamento do bico de papagaio?

Por que o CBD é tão eficaz, mesmo que seja para tratar de doenças sem nenhuma relação entre si, como o bico de papagaio e Alzheimer, por exemplo?

Nesse caso, além da sua função de coadjuvante no sistema endocanabinoide, o canabidiol exerce uma série de efeitos mais diretos.

Um deles é ser um potente anti-inflamatório, propriedade fundamental que o torna indicado no tratamento da osteofitose.

Embora ainda sejam poucas as pesquisas científicas voltadas a entender a relação entre CBD e bico de papagaio, casos de pacientes que tiveram alívio de problemas de coluna fazem do canabidiol um aliado promissor.

Isso porque ele já vem sendo usado com sucesso para tratar de outras enfermidades articulares degenerativas, com destaque para a artrose.

Existe alguma regulamentação para o uso do CBD no Brasil?

O canabidiol ainda é um “novato” no mercado farmacêutico brasileiro.

Afinal, apenas em 2015 ele passou a integrar a lista de substâncias controladas, quando a Anvisa publicou a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) Nº 3.

Alguns meses depois, o órgão publicou a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) Nº 17, em que definiu os critérios para importação de canabidiol.

Já em 2019, a Anvisa publicou a RDC Nº 327, na qual estabelece os requisitos para a compra e venda de produtos de Cannabis para fins medicinais no país e estipula as primeiras regras para sua fabricação e distribuição.

Outro avanço legislativo veio um ano depois, com a publicação da RDC Nº 335.

Essa é a mais recente resolução sobre canabinoides publicada no Brasil, com novos detalhes para pessoas interessadas em adquirir do exterior produtos à base de canabidiol.

Vale destacar que a Anvisa restringe a concentração de THC nos medicamentos, hoje limitada a 0,02% e permitida em quantidades mais elevadas somente para doentes terminais.

Quais são as vantagens do uso do CBD no tratamento de bico de papagaio?

O CBD se destaca não apenas pela sua eficácia, mas por outras qualidades quando utilizado no tratamento de doenças ósseas ou articulares.

Uma delas é o baixo risco de apresentar efeitos colaterais, como relatado em um estudo da Universidade de Halifax, no Canadá, em que o canabidiol é apontado como uma opção segura no tratamento da osteoartrite.

Mais uma vantagem é que, tendo poucas reações adversas, o composto pode ser ministrado junto a outros medicamentos, mesmo que não sejam à base de canabinoides.

Onde encontrar médicos que prescrevem remédios à base de CBD no Brasil?

Se comparado com o de países vizinhos, como Uruguai e Colômbia, o mercado brasileiro de medicamentos à base de Cannabis ainda é bastante limitado.

Por serem escassas as opções de produtos nacionais, uma parcela dos médicos evita prescrever tratamentos com canabinoides.

Esse é um problema enfrentado pelas pessoas que, na maioria dos casos, precisam de respostas rápidas ao tratar de enfermidades graves.

Ainda que a Anvisa tenha agilizado o processo de importação, é necessário considerar uma eventual demora em encontrar um médico que indique a Cannabis.

Isso porque, sem a receita, não há como trazer do exterior medicamentos contendo canabidiol.

Por esse motivo, o portal Cannabis & Saúde disponibiliza uma lista com médicos prescritores de CBD.

Acesse o link acima, escolha o profissional mais próximo de você ou marque sua consulta a distância para obter os tratamentos e medicamentos à base de CBD.

Conclusão

Pelo que você viu ao longo deste conteúdo, o melhor remédio para bico de papagaio é a prevenção.

Essa é uma doença intimamente ligada à má conformação da coluna vertebral, que, por sua vez, tem origem na postura inadequada recorrente.

Se você (ou algum familiar) está precisando de tratamento, pode ser que o CBD ajude a trazer alívio para os seus sintomas.

Para isso, não deixe de consultar seu médico, já que a importação dessa substância só é autorizada pela Anvisa mediante apresentação de receita.

Fique sempre a par dos últimos avanços da ciência e da medicina a respeito da Cannabis medicinal aqui, no portal Cannabis & Saúde.

Redação Cannabis & Saúde

Postagens recentes

LIVE Pergunte ao Especialista: Cannabis, Fibromialgia e Dor Crônica com Dra Wanderli Ramos

O evento é online e gratuito e voltado a pacientes, amigos e familiares que buscam…

1 dia agora

Derrota do governo: Comissão da Cannabis rejeita retirar PL 399 de pauta

Deputados entraram em acordo e a próxima reunião será no dia 17 para possível votação…

1 dia agora

AO VIVO: Comissão da Câmara vota parecer do PL do plantio de Cannabis

Serão apreciadas 10 emendas ao texto, entre elas a que autoriza o cultivo por pacientes…

2 dias agora

“Sete a cada dez pacientes me procuram pelo tratamento com Cannabis”, conta médica

A anestesiologista Wanderli Carvalho se especializou em dor em 2018 e relata a melhora de…

5 dias agora

Calmantes que não precisam de receita: Por que substituí-los?

Os calmantes que não precisam de receita vêm sendo utilizados em uma escala preocupante. Saiba…

5 dias agora

“A Cannabis mudou as nossas vidas”, conta mãe de garoto com autismo

Cauã, filho de Monalisa Almeida, sofria com insônia, irritação e com as dores da fibromialgia.…

1 semana agora