Coronel da PM: “Passei 20 anos erradicando a maconha; hoje ela salva minha filha”

Cel Israel Moura, da Polícia Militar de Olinda, conta como o óleo de Cannabis trouxe qualidade de vida para a Gabi, com microcefalia: "tive de me render à cura"
Coronel Israel de Moura e a filha, Gabrielle, salva pela Cannabis medicinal

“Em setembro de 2020, a Gabrielle completou um ano sem crises convulsivas. E com efeitos colaterais zero. Ela come de tudo, bebe de tudo, dorme bem. A parte cognitiva melhorou muito, e também a parte motora”.

O relato para o portal Cannabis & Saúde é do coronel da Polícia Militar de Pernambuco Israel de Moura Farias Júnior, pai desta menina de 7 anos, paciente de microcefalia e que já recebeu dos médicos “menos de 24 horas de vida”.

agendamento de consultas cannabis e saude

Agende uma consulta com um dos nossos médicos especialistas.

Nossa rede de médicos foi criada com o apoio de um conselho altamente qualificado para conectar você a profissionais sérios e habilitados para lidar com os mais diversos casos onde o tratamento com CBD é eficaz.

A ironia dessa história é que o único remédio que trouxe qualidade de vida à menina vem da mesma planta que o militar combateu ao longo da carreira: “passei 20 anos erradicando a maconha; hoje ela salva minha filha”.

Cel Moura ingressou na PM no ano de 1985 na turística Olinda. Era uma época em que não existia o narcotráfico como hoje. Não havia PCC, por exemplo. Em 1992, ele foi transferido para Salgueiro, uma das cidades que compõem o polígono da maconha. 

“Eu nunca tinha visto tanta plantação, aqueles campos verdes no meio da Caatinga. Então começamos a fazer muitas operações, erradicamos milhares de pés. Só o nosso batalhão apreendeu mais armas do que todo o resto da PM de Pernambuco naquele mesmo ano”. 

E aí veio o mosquito do zika vírus

Em 2010, o policial conheceu a atual esposa e, dois anos depois, nasceu a Gabi. Naquela época, um grupo de militares que voltava da missão de paz no Haiti foi para Pernambuco, trazendo o zika vírus. A origem do vírus no Brasil a partir do país caribenho seria comprovada anos mais tarde por um estudo da FioCruz daquele estado.

“O mosquito começou a circular aqui em 2012, então minha filha é um dos primeiros casos de vítima da zika vírus, mas na época a gente não sabia nada disso. A gente sabia apenas que ela tinha uma síndrome rara chamada Dandy Walker (uma malformação cerebral congênita que acomete o cerebelo)”, lembra Israel de Moura.

Foi aí que a saga da família começou.

O coronel conta que ninguém sabia o que era aquela doença e lembra que as pessoas pensavam que a filha era anencéfala, que não tinha cérebro, e isso feria bastante a família. Começaram a pesquisar sobre o assunto e bater de porta em porta dos médicos. 

“Mas a partir do sexto mês, a Gabrielle começou a ter convulsões, essas crianças com microcefalia tem muita convulsão. Então a gente procurou por neuropediatras. Só que aqui existe uma máfia. Começaram a prescrever remédios para controlar o efeito e não a causa. E aí minha filha passou a tomar Depakene, Depakote, e nada resolvia”.

Até que a esposa de Israel descobriu, pesquisando pelas madrugadas, que uma alternativa poderia ser o extrato de Cannabis.

“Eu sempre acreditei que a cura está na natureza. Nós somos praticamente veganos, não tomamos refrigerante, somos atletas. Não bebemos, nem fumamos”.

Você é um médico prescritor de Cannabis medicinal? Faça seu cadastro aqui para alcançar mais pacientes! 

“Me rendi à cura”

A família então foi até a Associação Brasileira Cannabis Esperança (Abrace), em João Pessoa (PB). E aí foram várias tentativas com diferentes concentrações e dosagens. Até que encontraram a posologia ideal num óleo meio a meio (THC e CBD), que finalmente estabilizou ela. 

A alegria foi tanta com os resultados, que a mãe da Gabi, a Daiane, que descobriu a Cannabis medicinal, desistiu do curso de Direito para se tornar uma profissional da saúde. Ela está concluindo a graduação em fisioterapia e irá se especializar em neurociência.

E o coronel, que antes combatia as plantações do polígono da maconha, hoje se tornou um defensor da Cannabis medicinal: “tive que me render à cura”.

“Ano passado nós fomos na Abrace. E eu disse que queria conhecer a estufa. Os cultivadores não sabiam que eu era coronel da polícia, claro, e quando eu avisei que era da PM, ficaram todos apavorados. E aí eu disse pra eles, ‘eu erradicava essa planta, e agora ela salva a minha filha’.”

O coronel Israel de Moura será um dos painelistas da segunda edição do Medical Cannabis Summit, um evento online e gratuito que acontece de 9 a 13 de novembro e é dedicado a todas as pessoas interessadas no assunto, de pacientes a profissionais de saúde. Para se inscrever é só clicar aqui.

Procurando por um médico prescritor de Cannabis medicinal? Temos grandes nomes da medicina canabinoide para indicar.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email