Ciência

Startup descobre propriedade medicinal na casca da semente de cânhamo

Uma startup descobriu compostos com propriedades medicinais na casca da semente de cânhamo que podem ser eficazes para remover gordura do fígado. A empresa de biotecnologia Brightseed analisa moléculas bioativas de plantas utilizando inteligência artificial para identificar substâncias que podem se tornar medicamentos. As primeiras a serem descobertas foram a N-trans-cafeoiltiramina (NCT) e a N-trans-feruloiltiramina (NFT), que mostraram bons resultados em ratos e células humanas, segundo estudo publicado na revista Nature, e agora passam por testes clínicos.

“O cânhamo é um dos cultivos mais sustentáveis e versáteis do planeta, e o interior da semente de cânhamo é celebrados por seu perfil nutricional denso. A ironia é que a indústria tem dispensado as cascas das sementes sem perceber que são uma mina de ouro em potencial para a saúde humana. Armados com novos insights, podemos fazer melhor uso desse recurso sustentável.” Diz Sofia Elizondo, COO da Brightseed, no site da companhia.

O NCT e o NFT podem ser importantes no tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica, que é o acúmulo de gordura no fígado em pessoas que não consomem bebida alcoólica. Essa doença está presente em cerca de 20% da população no Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Hepatologia, e pode levar o paciente a ter uma cirrose ou até a câncer no fígado.

Uma nova tecnologia a favor da medicina

A plataforma de inteligência artificial utilizada pela Brightseed, batizada de Forager, analisa as conexões entre plantas e a biologia humana de uma forma que apenas as máquinas conseguem fazer e identificam os bioativos que antes tinham passado despercebidos por nós. Daqui a alguns anos vamos sentir o impacto desse tipo de ferramenta, que pode descobrir tratamentos para doenças que hoje consideramos sem tratamento.

A empresa californiana diz que o Forager já identificou 1,2 milhão de componentes em plantas em apenas cinco anos. O que rendeu para a inteligência artificial uma vaga na final do prêmio South by Southwest de 2022 (SXSW 2022), um dos festivais de inovação mais antigos do planeta, na categoria AI & Machine Learning.

E é em uma planta tão versátil quanto a Cannabis que essa revolução pode ter começado. Já conhecemos tantas aplicações das sementes de cânhamo e de tantas outras partes da planta que utilizar as cascas pode surpreender até os mais céticos.

O cânhamo é uma das matérias-primas mais antigas do mundo. A sua proibição é recente e tem menos um século, e esse cultivo nunca foi abandonado. No Brasil há pouco investimento nessa área. Enquanto isso, outros países projetam grande evolução em negócios deste setor, como é o caso dos Estados Unidos. O interesse pelo cânhamo vai crescer e muitas indústrias poderiam se beneficiar imensamente com essa produção. Saiba mais no Relatório: Cânhamo no Brasil.

Gregorio Ventura

Editor e jornalista especializado em Cannabis Medicinal

Postagens recentes

“Falta boa vontade política para a pauta Cannabis avançar”, avalia Grass

Promovido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, o 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e…

3 horas agora

Remédio para estresse: o canabidiol como alternativa no tratamento

Você está se sentindo estressado atualmente? Como você se sente ao pensar no seu trabalho…

5 horas agora

“Regulamentar as drogas é uma forma de combate à violência”

Pesquisador e professor da Fiocruz, o psiquiatra Marco Aurélio Jorge fala sobre sua experiência como…

7 horas agora

Universidade busca voluntários para estudo sobre CBD e enxaqueca

A pesquisa, inédita no Brasil, está recrutando voluntários para saber sobre o uso de medicamentos…

9 horas agora

Veteranos de guerra querem apoio para tratar estresse pós-traumático com Cannabis

Na Austrália, veteranos de guerra estão pedindo por apoio e mais financiamentos para o uso…

10 horas agora

Cannabis em alta: importações de derivados de Cannabis sobem 110%

Com dados da Anvisa, a BRCann (Associação Brasileira da Indústria de Endocanabinoides) levantou que as…

20 horas agora