Destaques

“Irmão mais legal” do THC tem menos efeitos adversos, diz estudo

Em pesquisa, usuários de delta-8-THC relatam mesmos benefícios medicinais, porém sem os efeitos adversos do popular delta-9-THC

De postos de gasolina a mercearias e boutiques da moda. Por todos os cantos dos EUA, é possível encontrar lugares onde se comercializa o “delta-8-THC”. O derivado da Cannabis é um fitocanabinoide “parente” do delta-9-tetrahidrocanabinol (THC), o ingrediente ativo da planta que fornece o “barato” da maconha.

Tanto que se tornou assunto de muito debate e conversa nas legislaturas estaduais, entre profissionais de saúde pública e especialmente consumidores, muitos dos quais recorreram ao delta-8-THC para tratar uma ampla gama de condições médicas e de saúde.

Embora não abordasse especificamente o delta-8-THC, em 2018, os EUA efetivamente o legalizaram o fitocanabinoide por meio de uma brecha que permitia a venda de produtos derivados da Cannabis em áreas onde o uso recreativo de era proibido e a medicinal exigia autorização médica. No final de 2020, o delta-8-THC explodiu em popularidade.

Apesar de sua disponibilidade cada vez maior, ainda há muito a aprender sobre as propriedades e efeitos do delta-8-THC.

Agora, por meio de uma colaboração única, pesquisadores da Universidade de Buffalo e da Universidade de Michigan estão lançando uma nova luz sobre esse composto. Eles fizeram uma parceria com um fabricante de produtos canabinoides (CBD) baseado em Buffalo em um esforço para aprender mais sobre os benefícios e possíveis desvantagens do delta-8-THC e informar melhor os legisladores, autoridades de saúde pública, consumidores e outros.

A equipe de pesquisa acaba de publicar dois artigos com base em sua pesquisa com mais de 500 experiências de participantes com delta-8-THC e como ele se compara ao delta-9-THC. As palavras de um usuário descrevem melhor as visões abrangentes compartilhadas pelos participantes da pesquisa:  o delta-8-THC é como o “irmão mais novo e legal” do delta-9 porque oferece todos os benefícios com menos reações adversas.

Maior estudo delta-8-THC até o momento

É o maior estudo até hoje sobre as experiências dos usuários com delta-8. As descobertas foram publicadas em dois artigos, um que aparece na Cannabis and Cannabinoid Research , o principal periódico revisado por pares no campo, e outro, recém-publicado no Journal of Cannabis Research .

“Como este é um dos primeiros estudos desse tipo sobre o delta-8-THC e muitos estados mudaram sua legislação, queríamos realmente explorar o que as pessoas sentiam ao usá-lo em comparação com o delta-9-THC. Descobrimos que as pessoas que estão utilizando delta-8-THC sentem menos efeitos colaterais negativos e o estão usando em modalidades mais seguras, como por vaporização, comestíveis ou uso tópico”, disse Jessica Kruger, PhD , professora assistente clínica de comunidade e comportamento em saúde na Escola Superior de Saúde Pública da UB.

Jessica Kruger foi co-autora de ambos os artigos com Daniel J. Kruger, PhD, pesquisador do Centro de Estudos Populacionais da Universidade de Michigan.

A pesquisa sobre delta-8-THC é escassa, e o trabalho dos Krugers ocorre à medida que mais estados estão legalizando a Cannabis para uso recreativo e medicinal, enquanto proíbem o delta-8-THC. Dos 14 estados que baniram o delta-8-THC, seis permitem o uso recreativo de Cannabis, dez permitem o uso medicinal e três descriminalizam o uso recreativo.

“É paradoxal que diferentes estados e municípios estejam se abrindo para o delta-9, cada vez mais disponível e cada vez mais legalizado, e mesmo assim estão freando o delta-8, embora pareça ter um perfil melhor em termos de efeitos”, disse Daniel Kruger. “É quase o oposto do que você faria se fosse informado das evidências.”

O tetrahidrocanabinol delta-9 é mais potente que o delta-8 e é responsável pela maior parte do THC que ocorre naturalmente na planta de Cannabis, o que facilita a extração. O delta-8-THC, no entanto, tem cerca de metade da potência. Também é produzido em quantidade muito menor e, portanto, deve ser processado a partir de um concentrado. É por isso que a maioria das pessoas o consome em produtos comestíveis, como gomas ou brownies, ou por vaporização.

Pesquisando usuários delta-8-THC

Os Krugers fizeram uma parceria com a Bison Botanics, com sede em Buffalo, que usou seus canais de mídia social para chamar os consumidores de delta-8-THC para participar da pesquisa. Os entrevistados foram convidados a comparar suas experiências com delta-8-THC comparado com o delta-9.

Ao todo, 521 pessoas de 38 estados – 29% de Nova York – participaram da pesquisa.

Aqui está o que eles encontraram:

  • Cerca de dois terços disseram que consomem delta-8-THC através de comestíveis, como gomas.
  • As experiências com delta-8 foram caracterizadas predominantemente por relaxamento, alívio da dor e euforia, com a maioria dos participantes dizendo que poderia realizar suas atividades diárias normais sem experimentar os efeitos colaterais adversos associados ao uso da Cannabis, como paranóia, ansiedade ou larica.
  • 51% relataram usar delta-8-THC para tratar uma série de condições médicas e de saúde, principalmente ansiedade ou ataques de pânico, estresse, depressão ou transtorno bipolar e dor crônica.
  • 78% disseram que não disseram ao seu prestador de cuidados primários que usam delta-8 porque não tinham confiança na capacidade de seu médico de integrar a Cannabis medicinal em seu tratamento.
  • Em média, as experiências de paranóia e ansiedade dos participantes ao usar delta-8-THC estavam entre “nada” e “um pouco”.
  • Os participantes também mostraram pouco conhecimento sobre doses efetivas de delta-8 e disseram que a maior parte do que sabiam vinha da internet ou de suas próprias experiências.

Os usuários do produto Delta-8 ficaram mais do que entusiasmados em compartilhar suas experiências, disse Justin Schultz, fundador e presidente da Bison Botanics. “Muitos clientes que usam delta-8 estão tão felizes com seus efeitos terapêuticos e estão preocupados que possam ser retirados. Eles querem fazer tudo o que puderem para ajudar a evitar isso”, disse Schultz. “Estamos confiantes de que o estado está levando essas informações a sério e está disposto a adaptar ou construir sua legislação com base no feedback do público. Eles não estão ignorando nossa indústria.”

Os pesquisadores dizem que é fundamental estudar o delta-8-THC e outros canabinoides que chegam ao mercado para informar políticas, regulamentos e práticas que minimizem os custos, riscos e danos.

“Embora o delta-8-THC pareça ter alguns atributos realmente grandes e positivos, precisamos saber mais e devemos ser cautelosos com qualquer produto que esteja chegando ao mercado não regulamentado e não testado”, disse Jessica Kruger. “Mais pesquisas precisam ser feitas porque essa pode ser uma maneira possível de reduzir os danos para quem usa Cannabis e para que as pessoas tenham menos reações negativas”.

“Há esse enorme boom na pesquisa relacionada à Cannabis agora, mas ainda há muitas incógnitas”, disse Daniel Kruger. “Como pesquisadores, se o desafio é ‘não sabemos o suficiente sobre isso’, a resposta é ‘bem, vamos estudar’, porque todas as políticas devem ser informadas por evidências empíricas”.

Felipe Floresti

Editor, repórter e jornalista especializado em Cannabis Medicinal

Postagens recentes

“Falta boa vontade política para a pauta Cannabis avançar”, avalia Grass

Promovido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, o 1° Seminário sobre a Cannabis Medicinal e…

2 horas agora

Remédio para estresse: o canabidiol como alternativa no tratamento

Você está se sentindo estressado atualmente? Como você se sente ao pensar no seu trabalho…

4 horas agora

“Regulamentar as drogas é uma forma de combate à violência”

Pesquisador e professor da Fiocruz, o psiquiatra Marco Aurélio Jorge fala sobre sua experiência como…

6 horas agora

Universidade busca voluntários para estudo sobre CBD e enxaqueca

A pesquisa, inédita no Brasil, está recrutando voluntários para saber sobre o uso de medicamentos…

8 horas agora

Veteranos de guerra querem apoio para tratar estresse pós-traumático com Cannabis

Na Austrália, veteranos de guerra estão pedindo por apoio e mais financiamentos para o uso…

9 horas agora

Cannabis em alta: importações de derivados de Cannabis sobem 110%

Com dados da Anvisa, a BRCann (Associação Brasileira da Indústria de Endocanabinoides) levantou que as…

19 horas agora