Categorias: CiênciaDestaques

Pesquisadores avaliam o uso de Cannabis no tratamento de urticária crônica espontânea

Resultados preliminares de teste clínico indicam que a Cannabis pode complementar o tratamento com anti-histamínicos em pacientes com urticária crônica – e com menos efeitos colaterais

Inchaços, lesões e manchas na pele, sem qualquer motivo aparente, podem ser sinal de urticária crônica espontânea. A condição atinge 1,5 milhão de brasileiros, apresenta maior incidência nas mulheres e prejudica muito a qualidade de vida dos pacientes, sendo pior inclusive para aqueles com hanseníase ou psoríase.

O que é urticária crônica espontânea?

Doença imprevisível, a urticária é considerada crônica quando dura mais de seis semanas, apesar dos vários tratamentos administrados. Normalmente, dura entre um e cinco anos ou mais e pode se manifestar junto com o angioedema, uma reação cutânea caracterizada principalmente por um inchaço abrupto e de curta duração da pele e das membranas mucosas. Além do desconforto físico, muitas vezes é acompanhado de privação de sono, o que influencia o estado emocional do paciente.1

O prurido, a queimação ou a ardência ocorrem quando a urticária aparece em locais diferentes, até mesmo na face, lábios, língua, garganta e orelhas, como pequenas manchas ou placas individuais cobrindo grandes áreas da pele. Em casos raros, pode também apresentar dores nas articulações, alguma febre, problemas digestivos e, raramente, edema.

Mesmo que a causa e o mecanismo exatos sejam desconhecidos, o sistema imunológico parece desempenhar um papel crítico no desencadeamento da doença e, portanto, os tratamentos geralmente incluem agentes anti-inflamatórios, como esteroides.

Tratamento

Os anti-histamínicos são usados ​​hoje como o padrão para tratar os sintomas, mas são eficazes em menos da metade dos casos. Em doses quatro vezes maiores do que as orientações, eles trazem melhorias adicionais, mas ainda deixam um em cada três ou quatro pacientes sintomáticos.

Quando os anti-histamínicos falham, esses pacientes têm opções limitadas, uma das quais são os corticosteroides orais. Estes atuam sistemicamente em vários níveis, suprimindo a formação de anticorpos. Eles têm um forte efeito anti-inflamatório e também são conhecidos por diminuir a produção de fatores de liberação de histamina. 

No entanto, são conhecidos por causar uma série de efeitos colaterais negativos, às vezes graves, quando usados ​​por longos períodos de tempo, levando a custos totais de saúde mais elevados. Os médicos contam com a administração mais curta possível de tratamento com corticosteroides e, mesmo assim, a urticária costuma piorar quando o tratamento é interrompido.

Outras opções de tratamento são caras, têm eficácia limitada ou têm muitos efeitos colaterais. Isso leva muitos pacientes a buscar alternativas mais naturais que podem funcionar, desde gengibre até óleo de peixe.

Cannabis para tratamento da urticária crônica

A limitação das opções de tratamento levou um grupo de pesquisadores de Israel, liderados pelo médico Sari Prutchi Sagiv, CSO da Stero Biotechs, a considerar o uso de Cannabis medicinal no tratamento da condição. Desde 2018, a empresa israelense está liberada para a produção de medicamentos de canabidiol para o tratamento de mais de 130 doenças autoimunes e inflamatórias. Agora buscar adicionar a urticária crônica espontânea na lista de recomendações. 

A doença resulta da ativação patogênica de células imunes denominadas ‘mastócitos’ e ‘basófilos’, que liberam mediadores pró-inflamatórios e histaminas que resultam em urticária. Pensa-se que a ativação patológica dessas células ocorre por meio de dois mecanismos principais: defeitos de sinalização intracelular, que podem ser responsáveis ​​por alguns casos de CSU, e mecanismos autoimunes, que é a hipótese mais amplamente aceita para explicar a ativação agressiva súbita dessas células . Até 45% dos casos podem ser de origem autoimune.

O papel do CBD

Embora o mecanismo ainda não seja bem compreendido, o CBD pode ajudar. O canabidiol não demonstrou regular a secreção de mastócitos de histaminas, mas demonstrou desempenhar um papel na redução da inflamação e ajudar a regular o sistema imunológico. Os canabinoides prejudicam a ativação das células T, um tipo de glóbulo branco que aumenta a resposta e ativação dos anticorpos. As células T ativas podem levar a um aumento na secreção de histaminas. O bloqueio desse processo pode reduzir a urticária espontânea crônica.

Curiosamente, até agora, nenhum estudo notável foi realizado abordando o efeito da Cannabis na condição, seja por via oral ou tópica. No entanto, alguns casos de pacientes podem indicar que esse pode ser um caminho válido. 

Pacientes com urticária tratados com Cannabis

Como em um homem de 27 anos com episódios recorrentes de urticária e angioedema a partir dos 19 anos. Conforme publicado, inicialmente, ele respondeu a esteroides e anti-histamínicos, mas toda vez que foi retirado do tratamento, episódios graves voltaram.

Em algum momento, o paciente relatou que fazia uso recreativo de maconha e que durante esses períodos estava livre de ataques. Consequentemente, decidiu-se tentar um curso de Cannabis inalada para modular as funções das células imunológicas. Isso resultou em uma resposta completa, e ele está sem sintomas há dois anos. Uma vez que a Cannabis foi retirada, levou a um ataque recorrente dentro de uma semana, enquanto a retomada manteve a remissão, sugerindo uma relação de causa e efeito.

Novos estudos

A empresa israelense está conduzindo um ensaio clínico em pacientes em busca de mais evidências dos benefícios do uso da Cannabis no tratamento deste tipo de urticária. 

Até o momento, o estudo demonstrou que os pacientes com urticária crônica em uso de CBD que usavam esteroides anteriormente não os tomam mais. Eles também estão usando doses mais baixas de anti-histamínicos. 

Os resultados preliminares mostram que os pacientes graves não apenas estão agora livres de esteroides, mas também mostram melhora, conforme indicado por pontuações mais baixas de urticária (avaliadas com o Urticaria Activity Score de sete dias (UAS7), um sistema de pontuação simples e validado com base na avaliação da chave sinais e sintomas de urticária). 

Este estudo em andamento que incluirá 20 pacientes está mostrando resultados promissores, até agora, dando esperança a milhões de pacientes em todo o mundo cujas vidas às vezes podem ser destruídas por esta condição incômoda.

Referências

Ladoyanni E; ‘Urticária – Diagnóstico e Manejo‘; 2021 (capítulo do livro)

Ledford D. et al; Allergy and Asthma Proceedings, 2016, Volume 37, pp. 458-465

Bracken S. et al; Testa. Immunol., 2019

Frenkel A. et al; Case Reports in Immunology, vol. 2015, Artigo ID 780824

Redação Cannabis & Saúde

Postagens recentes

“Nosso corpo está preparado para receber os fitocanabinoides”, diz urologista

Especialista em urologia e pós-graduado em medicina integrativa, o médico Ricardo Vieira Ferreira mudou sua…

3 dias agora

Hospital das Clínicas da USP lança seu primeiro curso de Medicina Canabinoide

Em formato de EAD, o curso tem como objetivo o domínio do conhecimento sobre produtos…

3 dias agora

Hypera, maior farmacêutica brasileira, entra no setor da Cannabis

Já é a segunda farmacêutica tradicional brasileira que busca ampliar o portfólio com produtos à…

4 dias agora

Evento discute o mercado e inovação da Cannabis medicinal no Brasil e mundo

We Need to Talk About Cannabis trouxe especialistas em diversas áreas para discutir o cenário…

4 dias agora

A norte-americana dra. Genester Wilson-King foi atração do último dia do Medical Cannabis Summit

Ginecologista, obstetra e especialista no gerenciamento da idade, Wilson-King explicou os benefícios da Cannabis para…

6 dias agora

Capoeirista que fraturou a perna em acidente volta a gingar com Cannabis

No Medical Cannabis Summit, ortopedista Dr. Jimmy falou sobre Cannabis na traumatologia, controle de dor…

7 dias agora