Destaques

Cannabis e Saúde Mental: como tratar transtornos psiquiátricos

A Cannabis pode ser muito útil para cuidar da saúde mental. Você sabia? É o que mostram estudos publicados no Journal of Cannabis Research, que enfatizam a capacidade da planta no auxílio de tratamento de transtornos psiquiátricos.

O melhor de tudo é que esses benefícios proporcionados não costumam ser associados a fortes efeitos colaterais, como desconforto físico ou psíquico.  Efeitos como esses são mais comuns em medicamentos tradicionais. Então, é importante conhecer outras opções de cuidado com a saúde mental. Assim, elevar a qualidade de vida dos pacientes.

Nesse caso, saiba que o auxílio da Cannabis no tratamento da saúde mental é associado a ativação de áreas do encéfalo. Essa ativação pode levar a um maior relaxamento e elevação do bem-estar. Com esses benefícios, também é possível melhorar a qualidade do sono e o humor.

Por razões como essa a Cannabis costuma ser associada como uma alternativa de tratamento de transtornos psiquiátricos. No entanto, o assunto ainda gera muitas dúvidas e conclusões errôneas. Logo, preparamos este post para ajudar no maior aprofundamento da pauta. Acompanhe!

O que é a Cannabis?

A Cannabis é uma planta popularmente conhecida como maconha. Ela possui inúmeras propriedades terapêuticas que já são conhecidas e adotadas há séculos por diferentes países e comunidades. Inclusive, um dos primeiros relatos de uso dessa substância para o tratamento medicinal foi atribuído aos chineses.

Possivelmente, você já ouviu falar nas propriedades psicoativas da planta, como as alterações cognitivas. Esses efeitos costumam ser percebidos durante o uso recreativo da Cannabis. Nesse caso, nem sempre a planta contribui para controlar os transtornos psiquiátricos. Inclusive, em muitos casos pode piorar os quadros, por exemplo.

Por outro lado, o uso medicinal da Cannabis pode ter muitos efeitos positivos para o tratamento da saúde mental. Por motivos como esses, esse uso específico é autorizado em muitos países, como o Brasil, Holanda e Bélgica. Afinal, além dos transtornos psiquiátricos, a planta também é útil para atenuar sintomas da AIDS, esclerose múltipla, síndrome de Tourette e outras enfermidades.

Como a Cannabis pode ajudar na saúde mental?

Você já percebeu que a Cannabis é utilizada medicinalmente há séculos. As razões que explicam isso são os mais de 400 componentes existentes na planta. Entre eles, boa parte são canabinoides, que possuem inúmeras funções terapêuticas.

É o caso do maior estímulo de apetite e o controle de náuseas, sintomas presentes em muitas patologias. Consequentemente, essas funções também servem para atenuar o estresse, a ansiedade e a depressão, que podem surgir em virtudes da pressão psicológica causa por outras patologias.

Apesar dos benefícios mencionados, os canabinoides também contam com propriedades psicotrópicas, o que exige um uso ainda mais cauteloso. Para entender mais sobre isso, é importante conhecer os dois principais tipos de canabinoides e a maneira como cada um atua no corpo humano. Acompanhe!

THC

O THC é um dos principais componentes da Cannabis e o maior responsável pelo surgimento de sintomas psicotrópicos. Eles costumam surgir quando existe uma quantidade excessiva desse componente na planta. Assim, há uma maior influência para o surgimento da euforia, confusão mental e outras alterações cognitivas.

No entanto, essa não é a única atuação do THC. Ele também auxilia em alguns tratamentos medicinais, como ao reduzir dores, inflamações, náuseas de pacientes e outros problemas. Por esse motivo, o THC está presente em alguns produtos medicinais.

CBD

O CBD, também conhecido como canabidiol, é outro componente da Cannabis. Existem óleos, sprays e outros tipos de medicamentos com essa substância voltados para o tratamento de alguns transtornos psiquiátricos, como ansiedade e depressão. Uma das explicações para isso envolve o poder antioxidante contra radicais livres produzidos nos neurônios.

E ainda, o canabidiol também é útil para melhorar a qualidade de vida em quadros de epilepsia resistente, por exemplo.

Apesar disso, é preciso deixar claro que os benefícios do uso do CBD ou THC de forma medicinal são muito diferentes de fumar um cigarro de maconha. A mesma lógica se aplica a ingestão de alimentos com essas substâncias. Isso porque o uso médico da Cannabis tem quantidades e efeitos controlados.

Principais transtornos psiquiátricos tratados com a Cannabis

Como foi possível notar, existem alguns transtornos psiquiátricos que podem ser tratados com a Cannabis. A seguir, conheça mais profundamente quais são os principais deles!

Ansiedade

Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem cerca de 264 milhões de pessoas no mundo com o transtorno de ansiedade. Esse transtorno se caracteriza por um sentimento de medo e desconforto antecipado de algo perigoso que pode surgir a qualquer momento. Assim, essa patologia interfere na qualidade de vida e na rotina do indivíduo.

Para controlar esse problema, muitos médicos costumam recomendar medicações tradicionais. No entanto, muitas delas podem apresentar efeitos colaterais que causam fortes incômodos ao paciente, mesmo quando a administração é em dose única.

É o caso da sonolência, enjoo e esquecimento. A longo prazo, esses problemas tendem a ser muito perigosos para o indivíduo e até levar a dependência química. Logo, a abstinência de tais medicações costuma causar irritabilidade, sono excessivo, dores no corpo e até convulsão.

Diante desse contexto, a Cannabis surge como um tratamento alternativo que apresenta menos efeitos colaterais e não altera a cognição. Isto é, de acordo com alguns estudos desenvolvidos, o uso dessa medicina mostra a segurança e a tolerância dessa planta.

Depressão

A depressão é outra patologia preocupante na população. Segundo a OMS, existem cerca de 11,5 milhões de casos em todo mundo. Esse transtorno interfere na qualidade de vida dos pacientes e das pessoas em torno deles. Em quadros mais graves, o problema pode levar ao suicídio.

Logo, os antidepressivos são alternativas muitas vezes adotadas pelos profissionais da saúde para tratar o problema. Porém, nem sempre todos respondem adequadamente a esse tratamento e nem atingem a remissão completa. Por isso, a depressão costuma ser crônica e levar a inúmeras recaídas. Nesse sentido, a combinação do THC e CBD pode atenuar os sintomas com mais eficácia.

Esquizofrenia

A esquizofrenia é considerada um transtorno psiquiátrico grave por alterar os sentidos, comportamentos e pensamentos sociais do paciente. Assim, ela tende a causar sintomas como alucinações, dificuldade de raciocínio, problemas de memória e muitos outros.

Diante da gravidade do quadro, é comum que os médicos recomendem medicações antipsicóticas. Apesar disso, elas não são eficazes para todos os pacientes. Isso porque 60% deles se tornam refratários, segundo estudos.

E ainda, tais medicações convencionais podem apresentar muitos efeitos colaterais. Diante disso, a busca por outras alternativas se torna essencial para elevar a qualidade de vida desses pacientes. Assim, a Cannabis se mostra como um possível tratamento para esses quadros.

Por que pensar em tratamentos psiquiátricos alternativos?

Janeiro é o mês dedicado ao cuidado e a conscientização de problemas relacionados à saúde mental. É importante ter um período anual dedicado a essa temática porque a sua negligência tem tido impactos cada vez mais notáveis nas relações pessoais e profissionais dos indivíduos

Afinal, transtornos de ansiedade, por exemplo, são tidos como a segunda maior causa de afastamento no trabalho, segundo estudos da UFPI. E ainda, durante a pandemia da covid-19, os quadros de ansiedade — além de depressão — se intensificarem, de acordo com pesquisa da UFRJ. Tudo isso tende a ocorrer devido às inúmeras incertezas provocadas pela crise.

Seja como for, se tornou ainda mais importante pensar em estratégias para lidar com essas patologias e atenuar suas consequências. Como visto ao longo da leitura, nem sempre os tratamentos tradicionais são suficientes para atingir esse objetivo.

Logo, o auxílio da Cannabis, por exemplo, se apresenta como uma opção para diminuir os efeitos colaterais. E ainda, também é uma alternativa para casos em que os medicamentos comuns não trazem os efeitos almejados. Assim, além da melhoria direta nos transtornos psiquiátricas, existem outros benefícios envolvidos, como:

  • melhoria na qualidade de vida do paciente e dos parentes e amigos próximos;
  • aumento da autonomia para realização das atividades diárias;
  • aumento da qualidade no sono e combate a problemas de insônia;
  • diminuição de custos com outros remédios que seriam necessários para combater os efeitos colaterais surgidos;
  • etc.

Como iniciar o tratamento com a Cannabis?

Após entender a importância do tratamento com a Cannabis para transtornos psiquiátricos, é natural se perguntar como isso deve ocorrer. Assim, saiba que o tratamento é legalizado e pode ser mais simples do que muitos imaginam, já que é possível adquirir produtos de qualidade no Brasil.

Para isso, o primeiro passo é agendar uma consulta com o médico prescritor de Cannabis para obter a receita médica. Existem páginas em que você pode acompanhar a lista atualizada com os profissionais de saúde que prescrevem esse tipo de tratamento.

Além dessa informação também é possível ter acesso ao tipo de atendimento oferecido (presencial ou telemedicina) por esses profissionais, o valor de cada tipo de consulta, um resumo sobre a atuação profissional do médico e a possibilidade de agendamento online.

E ainda, saiba que quando se fala especificamente do canabidiol, todo médico pode prescrever medicamentos que tenham esse elemento em sua fórmula. Isso porque desde 2015, segundo a Resolução RDC Nº13, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) passou a enxergar o CBD como um elemento medicinal.

Como funciona a regulamentação da Cannabis medicinal no Brasil?

Como foi possível notar, iniciar o tratamento com Cannabis no Brasil não é burocrático, como muitos poderiam imaginar. Isso ocorre devido aos avanços na regulamentação da Cannabis medicinal no Brasil. O movimento é influenciado por outros países que adotam posturas similares, cada um com suas regras. É o caso do Canadá, Uruguai, Colômbia, Chile, Equador etc.

Enquanto isso, no Brasil um dos primeiros avanços foi a já citada atuação da Anvisa, que passou a declarar o CDB como substância medicinal. Desde então, houve quase 20.000 solicitações de autorização para importação da substância.

E ainda, a partir de 2019, a Anvisa autorizou a fabricação do CDB no Brasil para o tratamento de doenças graves. Então, os produtos à base dessa substância ficam disponíveis nas farmácias, o que facilita o acesso ao tratamento. Para isso, a sua aquisição deve ocorrer apenas com receita médica, que deverá ser retida.

Além disso, é preciso que as empresas responsáveis pela fabricação dos produtos à base do canabidiol sigam uma série de recomendações. É o caso da importação da Cannabis semi-elaborada, já que é proibida a importação da planta ou de parte dela.

E ainda, saiba que o cultivo dessa matéria-primeira para fins medicinais é proibido no país. Então, os lotes com as matérias-primas semi-elaboradas que chegarem em território nacional devem ter os pontos de entrada limitados, o que facilita o monitoramento.

Como será a prescrição médica da Cannabis?

Após entender como funciona a regulamentação da Cannabis medicinal no Brasil, é importante descobrir o tipo de prescrição médica necessária para obter tais produtos. Nesse sentido, saiba que ela varia segundo o nível de THC existente.

Afinal, o THC infere nas funções cognitivas, mas também possa ser utilizado para fins medicinais. Quando os produtos têm até 0,2% de THC, a receita prescrita é do tipo B, que precisa ser renovada em até 60 dias.

Se o produto a base de Cannabis tiver uma concentração acima de 0,2% o receituário aceito deve ser do tipo A, com validade de até 30 dias. Nesses casos, a recomendação médica deve ser apenas para pacientes terminais ou que não conseguiram se tratar adequadamente com as medicações convencionais.

De qualquer maneira, saiba que os produtos medicinais com base da Cannabis e possuem o THC são combinados com o CBD. Desse modo, é possível neutralizar os efeitos colaterais de alterações cognitivas que o THC poderia provocar.

Ainda assim, saiba que a prescrição médica varia conforme as necessidades de cada pessoa e as singularidades da patologia. Então, a concentração de THC e CBD deve diferir para cada caso. De todo modo, a indicação geral é iniciar o tratamento com doses menores e aumentar gradativamente, se necessário.

Conseguiu entender os benefícios da Cannabis para a saúde mental? O conhecimento sobre esse assunto pode ajudar você e outras pessoas a receberem um tratamento mais adequado para os transtornos psiquiátricos. Dessa maneira, é possível elevar a qualidade de vida dos pacientes e de quem convive com eles.

O nosso post foi útil para você? Aproveite a visita para conferir a lista de médicos prescritores de Cannabis medicinal no Brasil e agende a sua consulta com algum deles!

Marcus Bruno

Jornalista, radialista e marqueteiro especialista em Cannabis medicinal.

Postagens recentes

Estudo: pessoas com enxaqueca podem se beneficiar com a Cannabis

Na Universidade do Arizona, nos EUA, uma equipe de pesquisadores revisou os resultados de estudos…

23 horas agora

Crianças podem usar óleo com altos índices de THC?

É imprescindível ter segurança para utilizar um canabinoide como medicamento, ainda mais quando o tratamento…

23 horas agora

Neurocirurgião fala sobre suas primeiras experiências com a Cannabis

Apesar de ser neurocirurgião, o médico Gustavo Valadão atende a todas as patologias neurológicas e…

1 dia agora

Cannabis marcou seu espaço na BIO Convention

Tratando temas regulatórios, pesquisas na área e a possibilidade de produtos à base de Cannabis…

1 dia agora

Suíça simplifica acesso de pacientes à Cannabis

O governo federal da Suíça retirou a necessidade de uma autorização especial para quem quer…

2 dias agora

Neurologista apoia o uso da Cannabis no tratamento da COVID longa

Em LIVE do portal Cannabis & Saúde, a médica Marcela Agostinho explicou as causas dos…

2 dias agora