Destaques

Outubro Rosa: os benefícios da Cannabis Medicinal para a saúde da mulher

A Cannabis pode reduzir o crescimento de tumores agressivos ou minimizar efeitos colaterais em pacientes com câncer de mama. Saiba mais:

Estamos no mês de outubro e um dos temas mais importantes e comentados sobre saúde da mulher neste período é o câncer de mama. Ele é um dos tipos mais prevalentes no público feminino e que merece atenção, justamente, porque o diagnóstico e tratamento feitos de forma precoce elevam consideravelmente as chances de cura.

Além disso, cada vez mais as pesquisas científicas buscam tratamentos mais eficientes para trazer maior eficácia no controle e eliminação das células malignas, bem como trazer maior conforto durante esse período para elas. E com a diminuição cada vez maior do estigma e preconceito sobre a Cannabis Medicinal, a ciência tem investido em pesquisas sobre o tema e reconhecendo benefícios dela para os tratamentos dos carcinomas de mama.

Por isso, vamos falar sobre esse tema e mostrar como o uso dessa substância nos tratamentos médicos pode ser altamente benéfico para as mulheres. Boa leitura.

O que é o câncer de mama e quais suas principais características?

O câncer de mama é um dos tipos mais prevalentes em mulheres, perdendo apenas para o de pele. Ele ocorre quando há um crescimento desordenado de células das mamas, que podem comprometer consideravelmente a saúde da mulher. Elas podem, também, desprender-se e alcançar outros órgãos, gerando a metástase.

Quando descoberto precocemente, suas chances de cura estão acima de 90%. Ele pode ser dos seguintes tipos:

  • hormôniodependente: são aqueles que possuem receptores para hormônios do corpo da mulher (estrogênio e progesterona), utilizando-os para crescerem;

  • HER2 positivo: os tumores possuem receptores que utilizam essa proteína presente no organismo para multiplicar suas células;

  • triplo positivo: os tumores possuem tanto os receptores para estrogênio, progesterona e HER2;

  • triplo negativo: os tumores não possuem os receptores que mencionamos. Apesar disso, são considerados os mais agressivos.

O câncer pode se apresentar de forma assintomática, ou seja, você só o descobre com os exames de rotina. Contudo, é possível encontrar alguns sinais de sua manifestação, entre eles:

  • nódulo palpável nas mamas ou axilas, que pode ser encontrado no autoexame de toque;

  • pele avermelhada;

  • aspecto de casca de laranja na pele;

  • alterações no bico do peito;

  • saída de secreções em um dos seios, entre outros.

Como são feitos os tratamentos tradicionais atualmente para o câncer de mama?

Hoje os principais tratamentos para o câncer de mama focam em reduzir ou destruir as células malignas, seja por meio de terapias-alvo ou aqueles mais convencionais e que atuam sobre todos os tipos de tumores. Vamos conhecer os principais deles a seguir.

  • terapias-alvo: tratamentos que são focados para o tipo específico de tumor. Por exemplo, para os hormôniodependentes, eles visam bloquear a chegada da substância nas células e, assim, diminuir as chances de que eles continuem multiplicando e fazer com que essas estruturas morram;

  • quimioterapia: é um tratamento medicamentoso para destruir as células que se multiplicam rapidamente, entre elas, as malignas. É sistêmico, ou seja, ele chega a todo o corpo. Por afetar diversas regiões, é por isso que estruturas com crescimento acelerado são afetados (por exemplo, queda de cabelo). Possui alguns efeitos colaterais, entre elas náuseas, vômitos, pele sensível, problemas gastrointestinais, entre outros;

  • radioterapia: a radioterapia permite que utilize-se a radiação para realizar na desintegração das células cancerígenas, bem como impedem que elas aumentem. Elas são emitidas sobre o local do tumor. Contudo, pode trazer alguns efeitos como queimaduras locais, incômodos, cansaço, reação da pele, entre outros;

  • imunoterapia: é um tratamento que tem por objetivo potencializar o seu sistema imunológico, permitindo que ele possa combater com maior eficácia as células malignas para o câncer. Alguns são direcionados para o sistema imunológico de modo geral, enquanto outros.

Esses tratamentos são sim bastante eficientes, contudo, mesmo quando realizados de forma adequada, muitas vezes não são o suficiente e há chances de recidiva e posterior metástase. Além disso, muitas vezes os efeitos colaterais podem trazer uma perda significativa de qualidade de vida durante o período.

Por isso a ciência está cada vez mais buscando novos tratamentos eficientes e que tragam maior qualidade de vida para a paciente durante esse período. E com a redução dos preconceitos e estigmas sobre a Cannabis medicinal, vemos o quanto ela pode ser uma aliada importante, como mostraremos a seguir.

Quais são os resultados das pesquisas recentes para o uso de Cannabis medicinal para controle do câncer de mama?

Diversas pesquisas vem sendo realizadas com a Cannabis Medicinal para o tratamento do câncer e que podem auxiliar justamente para mulheres que estejam passando por isso nas mamas. Por isso vamos trazer a seguir alguns dos principais resultados encontrados atualmente.

Uso do CBD

Uma das principais pesquisas para área foi publicada em 2007. Realizada pelo Dr Sean McAllister, ela indica que o CBD (um dos componentes presentes na Cannabis Medicinal) atua desativando o gene ID-1. Esse gene está ligado com o surgimento de tumores malignos, quando está ativado.

Ou seja, o CBD pode gerar esse desligamento e, assim, impedir que o tumor continue crescendo. Essa pesquisa tem uma série de confirmações de outros pesquisadores, bem como foi revisada em 2012 e continua apontando os mesmos resultados.

Essa mesma revisão também permitiu concluir que os canabinoides que interagem com receptores CB1 e CB2 possuem atividades antitumorais, ou seja, conseguem combater o câncer sem prejudicar os tecidos adjacentes.

Ele mostra-se eficiente, principalmente, para o tumor triplo negativo, que possui um padrão mais agressivo e, também, não possui terapia-alvo. 15% dos casos diagnosticados são desse tipo. Para entender melhor essa relação, vamos explicar melhor algumas características do tumor.

Ele normalmente possui uma superexpressão de receptores de fatores do crescimento epidérmico (EGFR) e receptores de crescimento semelhante à insulina (IGF-IR). E, também, temos uma superexpressão de receptores de canabinoides CB1 e CB2. Assim, com o uso de agonistas canabinoides é possível gerar a apoptose celular (morte programada) dos tumores.

Para entender melhor, toda célula do corpo é dotada de um mecanismo chamado apoptose, que é o momento no qual a célula morre, de forma programada. Quando ele falha, pode gerar a multiplicação desordenada, formando tumores que passam a competir com as células saudáveis. Por isso pode ser interessante contar com o canabinoide para resolver essa falha e inibir o crescimento das células.

É importante ressaltar que ainda teremos mais pesquisas para auxiliar na identificação da Cannabis Medicinal como terapia adjuvante para o câncer. Mas mesmo em caráter experimental, temos bons resultados no seu uso nessas condições.

Combate a efeitos colaterais

Esse é um ponto que já é bastante pesquisado e as evidências sempre apontam para resultados bastante positivos sobre como os canabinoides conseguem trazer um maior conforto para amenizar efeitos colaterais dos tratamentos tradicionais.

Sabe-se que o uso da Cannabis Medicinal permite reduzir efeitos tais como:

  • dores neuropáticas: tanto o processo cirúrgico quanto as terapias adjuvantes (quimioterapia e radioterapia) podem gerar dores neuropáticas. Em muitos casos os medicamentos convencionais (como analgésicos, anticonvulsionantes e opioides) não fazem mais efeitos, além de poder trazer efeitos colaterais complicados. Os canabinoides podem trazer uma analgesia eficiente com menos danos adversos;

  • náuseas e vômitos: da mesma forma, muitos remédios antieméticos podem não fazer efeitos depois de determinado período. A Cannabis Medicinal pode aliviar esses pontos. Lembre-se que isso é fundamental para retenção de nutrientes e garantir o aumento de imunidade das pacientes;

  • perda de apetite: segundo um estudo norte-americano, o uso de remédios com canabinoides faz com que reduza-se a perda de apetite característica dos tratamentos convencionais;

  • ansiedade e depressão: fato é que o câncer de mama e os tratamentos afetam consideravelmente a parte emocional das pacientes. Os efeitos psicoativos do TCH, quando utilizados em ambientes controlados por meio da Cannabis Medicinal, permite que seja possível ter um maior efeito em quadros de ansiedade, depressão e pânico;

  • insônia: esse é outro efeito colateral das terapias adjuvantes. O THC também auxilia, com um princípio que auxilia na indução do sono, auxiliando, inclusive, no desmame no uso de benzodiazepínicos, o que é algo delicado para muitas pacientes.

Muitos desses efeitos vêm, justamente, dos tratamentos convencionais como quimioterapia, terapia-alvo e radioterapia, bem como também há o componente emocional da paciente no processo. Afinal, os temores pela visão estereotipada do câncer e as incertezas sobre o futuro fazem com que quadros de ansiedade, estresse e insônia apareçam.

Essa potencialidade permite, também, ser uma forma confortável de oferecer cuidados paliativos para aquelas que estejam com tumores no estágio 4, ou seja, que tenham já metástase diagnosticada. Assim elas podem ter maior qualidade de vida.

Com isso, os canabinoides conseguem intervir sobre todos esses pontos e trazer maior conforto e qualidade de vida no tratamento.

Como a Cannabis medicinal pode contribuir para trazer maior qualidade de vida da mulher em tratamento de câncer de mama?

Como falamos nos tópicos anteriores, a Cannabis medicinal pode atuar em duas frentes para as mulheres que possuem câncer de mama: seja atuando para reduzir o crescimento de tumores agressivos, auxiliando no próprio combate ao tumor; seja trazendo maior conforto e minimizando o mal-estar dos efeitos colaterais dos tratamentos convencionais.

Como a Cannabis medicinal pode auxiliar, também, em outras patologias?

O canabidiol possui uma série de aplicações trazidas por evidências científicas para diversas patologias, que vão além do câncer de mama e apontam possibilidades interessantes para complementar os tratamentos tradicionais. Por exemplo, pode ser uma forma de realizar complemento alimentar, além de ter ação efetiva para cuidados de quadros patológicos tais como:

  • Alzheimer;

  • Parkinson;

  • reumatismo;

  • autismo;

  • depressão;

  • ansiedade;

  • epilepsia, entre outros.

Além disso, o CBD presente na Cannabis medicinal possui propriedades importantes que podem auxiliar em trazer maior conforto, tais como:

  • relaxante muscular;

  • efeito analgésico;

  • anti-inflamatório;

  • neuroprotetor;

  • estabilizador de humor.

O uso da Cannabis no contexto medicinal é seguro?

Uma dúvida comum dos pacientes é se de fato o uso da Cannabis pode ser feito na área de saúde de forma segura. Afinal, há a associação da planta, no imaginário, com o uso recreativo e, portanto, caracterizada como droga ilícita.

O que queremos mostrar é: a Cannabis, no contexto medicinal, possui aplicações específicas, com prescrições dentro de parâmetros estabelecidos por pesquisas médicas. Ou seja, cientistas testaram seus efeitos em laboratório, apontando o uso das substâncias produzidas a partir da Cannabis de forma segura e com efeitos positivos para saúde e qualidade de vida dos pacientes.

O que sabemos hoje sobre as substâncias produzidas por meio da Cannabis Medicinal permite que possamos indicá-lo com relativa segurança nos casos de câncer de mama, seja para evitar o crescimento dos tumores, seja para amenizar os efeitos colaterais que causam tanto desconforto para as pacientes.

As evidências são consistentes o suficiente para que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizasse tratamentos feitos com CBD por via oral, sublingual ou inalação por vias respiratórias. Isso evidencia como até mesmo os órgãos reguladores estão atentos para essas questões.

Inclusive a própria Anvisa tem facilitado a entrada de medicamentos a base de Cannabis medicinal, trazendo uma nova resolução que auxilia a reduzir os custos de importação em até 75%.

Como realizar o tratamento com Cannabis medicinal para câncer de mama?

Se você deseja utilizar a Cannabis medicinal para o tratamento do câncer de mama, mas não sabe como começar, vamos auxiliar você com o passo a passo para ter acesso a um tratamento sério, de qualidade e que permita ter melhor qualidade de vida.

Em primeiro lugar você deve buscar um atendimento com médicos que prescrevam Cannabis medicinal. Nesse caso, ele fará uma avaliação completa do seu caso, verificando os tratamentos oncológicos que está passando, estágio do câncer, eventuais comorbidades, entre outros pontos importantes.

Isso auxiliará o profissional a encontrar quais são as doses mais adequadas e ter uma prescrição que pode trazer maior saúde para você. A partir disso, poderá entrar no site da Anvisa para ter acesso ao processo de importação do medicamento. O seu médico auxiliará a informá-lo sobre documentos e ações burocráticas que precisam ser realizadas para conseguir sucesso nisso.

O Outubro Rosa é um momento importante não só para conscientização sobre o câncer de mama, mas também para trazer discussões necessárias sobre tratamentos que podem auxiliar as pacientes para ter melhor qualidade de vida.

Para isso, é importante passar com um profissional que prescreva Cannabis Medicinal. Entre em nosso portal e agende sua avaliação com um de nossos médicos.

Redação Cannabis & Saúde

Postagens recentes

Capoeirista que fraturou a perna em acidente volta a gingar com Cannabis

No Medical Cannabis Summit, ortopedista Dr. Jimmy falou sobre Cannabis na traumatologia, controle de dor…

20 horas agora

Oncologista comenta o uso da Cannabis medicinal no tratamento do câncer

Oncologista especialista em cânceres do sistema gastrointestinal Renata D’Alpino explica como utiliza a prescrição de…

20 horas agora

“Dormimos uma noite inteira pela 1ª vez em 5 anos”, lembra Katiele Fischer

No 4º dia do Medical Cannabis Summit, a primeira mãe autorizada a importar canabidiol no…

4 dias agora

“Estou vendo o renascimento dela”, diz irmã de paciente com epilepsia

Luciana Fernandes sofre com convulsões há 36 anos. Com a Cannabis, sua família acompanha o…

4 dias agora

Deputados aprovam urgência para PL que prevê Cannabis no SUS em SP

Durante votação, Marina Helou emocionou colegas com relato do tratamento da mãe, com câncer, que…

5 dias agora

“A Cannabis pode ser uma porta de saída para o vício”, diz Peter Grinspoon

Com ampla experiência no tratamento e recuperação de usuários de drogas, incluindo a própria, o…

6 dias agora