Destaques

ONG de Cannabis medicinal Apepi tem conta do WhatsApp banida

A associação de pacientes de Cannabis medicinal Apepi, do Rio de Janeiro, teve a conta comercial do WhatsApp, utilizada no atendimento dos mais de 500 associados, banida pelo Facebook, informou a entidade nesta quarta-feira (17). A rede social alegou suposta promoção ou venda de drogas ilegais, recreativas ou sujeitas a prescrição médica em mensagem enviada para a ONG.

No aviso à Apepi, o Whats deu como exemplos de atividades supostamente praticadas pela Apepi a venda de drogas, incluindo maconha e produtos à base de maconha, Acessórios para uso de drogas, como cachimbos e bongos e drogas sujeitas à prescrição médica.

A ONG informou que está providenciando o restabelecimento da conta e avisará caso consiga recuperar o número. “Para caso de emergência, estamos atendendo online por mensagem no Instagram”, orientou.

A presidente da Apepi, a advogada Margarate Brito, lamentou o boicote. Ao Cannabis & Saúde, a ativista disse que a ONG está buscando outras alternativas.

“Esse é um problema que a gente vai ter para o resto da vida. Lá na Califórnia, mesmo depois de 20 anos de legalização, ainda existem problemas parecidos. Então escolher trabalhar com Cannabis é escolher ter problemas para sempre. E não tem outro caminho! Mas a gente procura mudar o sistema dentro dele, a gente não quer se esconder, ir para o Telegram”.

No ano passado, vários profissionais ligados à Cannabis medicinal no Brasil sofreram boicotes nas redes sociais, entre eles estão as médicas Dra. Ana Gabriela Hounie e Dra. Janaína Barboza. A Dra. Hounie é psiquiatra especialista em transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e Síndrome de Tourette. Ela teve banido seu canal no YouTube onde compartilhava conhecimentos sobre as patologias e sobretudo como a Cannabis pode ajudar nos tratamentos. Já a Dra Janaína Barboza, médica pós-graduada em bioquímica e pesquisadora da medicina canabinoide, teve o mesmo problema da Apepi: o número do WhatsApp banido.

Aqui no Cannabis & Saúde, já fomos duas vezes alvo de censura das redes sociais. O WhatsApp de atendimento ao público do portal foi banido pelo Facebook em fevereiro e jamais recuperado. Além disso, este jornalista que vos escreve teve a conta do Twitter suspensa por 3 semanas, após uma sequência de tweets sobre Cannabis medicinal, muitos em resposta a políticos proibicionistas. Porém, o Twitter devolveu a conta. Já as médicas Janaína Barbosa e Ana Hounie não tiveram a mesma sorte.

Marcus Bruno

Jornalista especializado no setor de Cannabis; editor do portal Cannabis & Saúde.

Postagens recentes

Luxemburgo é o primeiro país da Europa a legalizar cultivo de maconha

Governo do país de 630 mil habitantes vai permitir adultos possam cultivar até quatro plantas…

17 horas agora

Justiça determina que ONG Flor da Vida volte a funcionar em SP

Associação continuará fornecendo remédios à base de Cannabis na desobediência civil até decisão final do…

2 dias agora

Lançada Frente Parlamentar da Cannabis em SP

Primeira meta do grupo é aprovar o PL 1180/19, que prevê fornecimento gratuito de derivados…

2 dias agora

“Meu pai só está vivo por causa da Cannabis”, diz médica prescritora

Especialista em ginecologia e obstetrícia, a médica Andrea Martins De Oliveira descobriu os benefícios da…

3 dias agora

Deputados de SP lançam frente em defesa da Cannabis medicinal

Formada por 21 deputados de 12 partidos, a frente será lançada nesta quarta-feira na Assembleia…

4 dias agora

Dia do Médico: os profissionais pioneiros na Cannabis no Brasil

Cannabis & Saúde lembra alguns dos primeiros profissionais a enfrentar preconceito e proibicação para garantir…

5 dias agora