Destaques

“Pfizer abandonou o projeto e deixou os compostos à nossa disposição”

Começou nesta segunda-feira a 4ª e última edição do Medical Cannabis Summit, o maior congresso sobre medicina canabinoide do Brasil 100% online e gratuito. Na abertura do evento, nada menos que a pesquisadora Dra Allyn Howlett falou sobre os bastidores da descoberta do sistema endocanabinoide.

A neurocientista foi quem descobriu o receptor cerebral CB1, que interage com o THC. Logo depois, sua equipe também descobriria o receptor CB2, ligado ao CBD, e mais tarde essa descoberta culminaria no que hoje a gente conhece como Sistema Endocanabinoide.

Além da Dra. Howlett, também falaram no evento o deputado Daniel Coelho (CDD-PE), membro da Comisão da Cannabis na Câmara e que emocionou o público com o relato sobre o tratamento da esposa com câncer. Segundo o político, sua mulher, Rebeca, estava acamada e sofrendo muito com as dores, mas o óleo de CBD a ajudou a ter qualidade de vida, e hoje ela leva uma vida normal.

O último painel da noite foi tocado pelo neurocirurugião Dr. Pedro Pierro Neto, um dos médicos pioneiros nos estudos e prescrição de Cannabis medicinal no controle de epilepsia no Brasil. O médico deu uma aula sobre posologia de A a Z com canabinoides.

“A Pfizer abandonou o projeto e deixou os compostos à nossa disposição”


A cientista estadunidense contou que durante o seu PhD, isolou algumas células cerebrais e fez alguns estudos com farmacêutica Pfizer, que pesquisava como os canabinóides poderiam ser aplicados contra dor. 

“Na época, a Pfizer estava prestes a lançar o projeto. É uma pena que eles tenham abandonado. Porém, isso deixou os compostos à disposição dos pesquisadores. A Pfizer nos deixou usar cerca de 60 dos seus compostos, e isso nos ajudou, porque deixou todo mundo saber que provavelmente havia um receptor (canabinoide) envolvido no processo, porque as estruturas do cérebro se igualavam com o que a Pfizer estava conseguindo para o alívio da dor”.

Segundo Allyn, até antes da pesquisa com a Pfzier, havia uma grande controvérsia sobre como o CBD funcionava. Era muito parecido com os compostos que trabalham através de anestésicos. O sentimento da comunidade científica era de que os canabinóides atravessavam as membranas das células, alterando a forma como as enzimas funcionavam. 

“Mas se tivesse um receptor, necessitaria que houvesse um fármaco para interagir com esse receptor. E nós mudamos o pensamento. E aí descobrimos que o que realmente estava acontecendo era que havia um receptor sendo ativado pelo fármaco. E aí nós identificamos esse receptor”.

Apesar da importante descoberta, Allyn Howlett lamentou que esses compostos nunca tenham ido para o mercado naquele momento, nem chamado atenção da Pfizer e demais indústrias farmacêuticas.

“Fiquei um pouco decepcionada, porque os pesquisadores que estudavam partes importantes do cérebro, como hipocampo e memória, não estavam interessados no que os compostos canabinóides estavam fazendo”.

Assista à entrevista com a Dra. Allyn Howlett gratuitamente.

“É melhor esperar o Bolsonaro sair para aprovar o projeto”

Deputado Daniel Coelho (CDD-PE)

O segundo painel foi com o deputado Daniel Coelho. O parlamentar fez um balanço dos quase 2 anos de debates sobre o PL 399 na Câmara, projeto que legaliza o plantio de Cannabis para fins medicinais e industriais no Brasil. O deputado também comentou sobre um dos momentos mais altos e emocionantes das reuniões, quando compartilhou o relato pessoal sobre o tratamento da sua esposa.

Num discurso forte, ele condenou as pessoas que usavam desinformação e preconceito com a maconha para impedir o avanço de um projeto que visa o acesso a esses remédios pela população mais carente. Disse que apoia o debate também sobre o uso adulto: “nenhum debate é proibido na sociedade, vamos falar sobre o uso adulto lá na frente, agora a gente não pode impedir que quem precisa tenha acesso”.

Para o deputado, a melhor estratégia é aprovar o Projeto de Lei na Câmara, onde proposta tem maioria, depois aprovar apenas nas comissões do Senado, deixando para aprovar o texto final apenas em 2023, caso Bolsonaro não esteja mais no poder.

“Meu objetivo é concluir essa matéria até o começo do ano que vem na Câmara e aí é o tempo das eleições para termos o projeto aprovado e sancionado em 2023, porque não adianta aprovarmos e depois o presidente vetar, aí volta tudo da estaca zero”.

Isso porque, para o veto ser derrubado, é necessário um número de parlamentares que talvez não se tenha.

“Temos número para derrubar a matéria, não o veto. Para aprovar a matéria é maioria simples, mas na hora do veto é outro cenário, com maioria absoluta. Se a gente tivesse maioria absoluta, faria sentido aprovar e derrubar o veto depois. Mas nós não temos. Esse é o quadro atual das duas casas, tanto do Senado quanto na Câmara. No cenário de veto, todos os ausentes passam para o lado de lá, e é mais fácil o político fugir da responsabilidade de responder porque não votou a favor do projeto”.

Assista à entrevista com o deputado Daniel Coelho gratuitamente.

“Cannabis não serve para tudo, mas serve para todos”

Dr. Pedro Pierro Neto

O último painel teve o Dr. Pedro Pierro Neto, que fez uma apresentação sobre posologia com canabinóides, ao contrário dos painéis anteriores, que foram no modelo de entrevista.

A palestra do neurocirurgião passou por teste genético para sensibilidade do paciente aos canabinoides, composição dos produtos disponíveis, as vias de administração possíveis, estudos científicos, para finalmente a posologia: “não é dar o peixe, é ensinar a pescar”, brincou o médico.

Dr. Pierro explicou que ao contrário dos alopáticos, que possuem posologia específica para quase todos os pacientes, na Cannabis cada paciente deve encontrar sua posologia ideal.

“Não é uma disputa entre alopáticos e cnabinoides, a gente pode usar o melhor dos dois mundos”.

Segundo o médico, o grande diferencial da Cannabis está justamente nessa medicina integrativa e personalizada para cada indivíduo.

“Foi uma das coisas que a Cannabis e a pós graduação (em Cannabis medicinal) me trouxeram. Durante muito tempo, entrava no meu consultório, não um paciente, mas um cérebro e uma coluna. A partir do momento que eu entendi a Cannabis, eu passei a enxergar o paciente e tratar ele de forma integrativa”.

Dr. Pierro garante que a Cannabis “não serve para tudo, mas serve para todos”.

“A maior indicação é pra ansiedade, e o mundo inteiro está ansioso desde o começo da pandemia. E usando Cannabis as pessoas melhoram de coisas que nem sabiam que tinham, muitas vezes”.

Assista à entrevista com o Dr. Pedro Pierro gratuitamente.

Marcus Bruno

Postagens recentes

Pacientes relatam benefícios da Cannabis no tratamento de TDAH

Pesquisadores canadenses acompanharam três pacientes que utilizavam Cannabis no tratamento de Transtorno de Déficit de…

4 horas agora

Vigilância Sanitária não pode impedir farmácia de manipular Cannabis

Restrição fere o princípio da legalidade, entendeu o Tribunal de Justiça de SP. O Tribunal…

4 horas agora

“Benzodiazepínicos resolvem um problema para criar outro”

Especialista em saúde mental integrativa, Andréa Toledo explica como a Cannabis ajuda no desmame de…

1 dia agora

Guia completo sobre a síndrome de deficiência endocanabinoide

Doenças como enxaqueca e fibromialgia podem ter origem no desequilíbrio do sistema endocanabinoide. Cannabis é…

2 dias agora

Novas evidências reafirmam existência do efeito comitiva na Cannabis

Em estudo, indivíduos que consumiram amostras com THC e CBD em iguais proporções foram menos…

2 dias agora

THCV: o que é, efeitos e benefícios deste canabinoide

Quando falamos no uso medicinal da Cannabis e o uso dos canabinoides para tratamentos e…

5 dias agora